Pravda.ru

Mundo

Che e as calúnias de "Veja"

09.10.2007
 
Pages: 12
Che e as calúnias de "Veja"

Muito já foi dito sobre a tentativa de "Veja" de deformar a figura de Ernesto Che Guevara, bem de acordo com o molde da cabeça dos seus donos e da cloaca que é o cérebro de seus redatores. Além de inútil, é de uma estupidez abissal. Nada que essas pulgas façam pode alterar a estatura de titã que já passou definitivamente para a História.

Porém, há algo ainda a ser dito sobre a manipulação e a mentira.

FONTES

Quais são as fontes de "Veja"? Dois assassinos do Che. Os dois com o estigma queimando na pele, e fazendo qualquer negócio para apagá-lo. Por isso, atribuem ao Che o seu próprio estigma de assassinos e covardes. O que também não vai resolver o problema, mas, se vender a mãe resolvesse o problema, não há dúvida de que a venderiam, até porque a mercadoria não deve valer grande coisa.

Um deles, Gary Prado, na época um pau mandado da CIA dentro do exército boliviano, escreveu cinco livros para mostrar que o Che era o assassino, e ele, que assassinou o Che, era um santo e patriota. Até entrou num partido supostamente de esquerda e supostamente de passado guerrilheiro, o MIR. Hoje numa cadeira de rodas, devido a um tiro que recebeu num golpe de Estado, ele jura que é de esquerda desde criancinha - e não estamos brincando: foi exatamente o que disse numa entrevista à BBC.

Seu partido, o MIR, fora os "supostamente" já mencionados, era, na verdade, uma pasta escancaradamente neoliberal, entreguista e corrupta. Foi esteio de Hugo Banzer - o assassino do presidente general Juan José Torres e entusiasta da CIA no Plano Condor. Depois, o MIR passou a apoiar Sanchez de Losada, um capacho que falava espanhol com sotaque de Boston e queria privatizar até a água. Por isso, durante a revolta popular contra Losada, as sedes do MIR foram dos primeiros prédios a serem tomados pela população enfurecida. Em 2006, sem voto, sem militantes, e sem poder mais roubar o Estado, o MIR se dissolveu. Restou a Gary Prado apenas as páginas da "Veja".

A outra fonte é ainda mais isenta: um esbirro do quarto escalão da CIA, Felix Rodriguez.

Rodriguez foi o capanga que George Bush, pai, encarregou do tráfico de cocaína na operação Irã-contras (um comparsa de Rodriguez, Gerald Latchinian, foi preso em outubro de 1984 pela polícia americana com um carregamento de US$ 10,3 milhões em cocaína, comprada com dinheiro da CIA); antes, havia sido parceiro do terrorista Posada Carriles nos atentados à população civil cubana.

Sobrinho do ministro de Obras Públicas (e que obras!) da ditadura Fulgencio Batista, depois da revolução cubana Rodriguez foi cabecilha dos torturadores de Rafael Trujillo, na República Dominicana; em 1960, esteve na "Operação 40", da CIA - atentados terroristas em Cuba - e foi instrutor da "brigada 2506" – os vermes da Baía dos Porcos; na Bolívia, esse gangster deu a ordem para o assassinato do Che; em seguida, foi um dos carrascos da Operação Phoenix, no Vietnã (70.000 a 100.000 assassinatos – em 1974, a CIA admitiu 26.369 assassinatos de "não combatentes", isto é, civis, ao Congresso dos EUA) e da Operação Condor, na América Latina; um dos "encanadores" de Nixon, naquilo que acabaria redundando no escândalo de Watergate; e torturador reconhecido pela própria Justiça de Miami (decisão do juiz Neale Foster, junho de 2004, ao não aceitar seu depoimento num caso de atentado aos direitos humanos).

Essa é a fonte de "Veja" - um torturador, assassino, terrorista e traficante. E, evidentemente, um farsante. Segundo ele diz, "tentei em vão convencer os militares bolivianos" a não assassinar o Che.

Em suma, os militares bolivianos mandavam na CIA... Mais interessante ainda é o motivo pelo qual ele queria "poupar a vida" do Che: porque a CIA esperava que o Che passasse para o seu lado. O Che passar para o lado da CIA? Pois é, leitor, é isso o que o crápula diz, e a "Veja" publica. Resta saber quem mais será que a CIA pretendeu que passasse para o lado dela. Provavelmente, o Mao Tsé-tung, o Fidel, o Ho Chi Min. E por que não o Stalin? Graças à "Veja", descobrimos que a CIA é uma agência especializada em mágica & outros fenômenos sobrenaturais. Os assassinatos, as torturas, o terrorismo e os golpes de Estado são apenas para o pessoal passar o tempo...

CARTA

Além dessas fontes pútridas, a "Veja" usa declarações do Che, tirando-as não apenas do contexto, mas deformando-as. Assim, uma carta para sua primeira mulher, Hilda, em que ele diz "estou na selva cubana, vivo e sedento de sangue", é apresentada como tendo sentido literal. Uma imagem poética se transforma numa confissão de crime. Assim, até Castro Alves é capaz de virar um psicopata. A manipulação está à altura (ou à baixura, perdoem-nos o neologismo) da estupidez. Eis alguns trechos da carta, que não traduzimos por ser de fácil entendimento, e que descreve o desembarque e o início da guerrilha na Sierra Maestra, assim como seus cálidos sentimentos em relação à mulher e à filha:

"28 de Enero de 1957

"Querida vieja:

"Aquí, desde la manigua cubana, vivo y sediento de sangre escribo estas encendidas líneas martianas. Como si realmente fuera un soldado (sucio y harapiento estoy, por lo menos), escribo sobre un plato de campaña con el fusil a mi lado y un nuevo aditamento entre los labios: un tabaco.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular