Pravda.ru

Mundo

Afeganistão: Mãe de Todas as Batalhas vai iniciar

09.02.2010
 
Afeganistão: Mãe de Todas as Batalhas vai iniciar

Enquanto a OTAN se prepara para um aumento maciço de tropas na província de Helmand, a população local foge à frente daquilo que os dois lados prometem ser a Mãe de Todas as Batalhas. Os Talebã ignoram o aviso da OTAN para afastarem-se ou deitar fora as armas neste importante baluarte, o centro do comércio de ópio, que financia as suas operações e prometem um banho de sangue. Mas será realmente necessário?


Operação Moshtarak ("Juntos", em Dari) está prestes a ser desencadeada pela OTAN, na cidade sulista de Helmand – Marjah, o maior centro de população sob controle talibã na região, a maior operação de contra-insurgência desde a campanha do Afeganistão começou em 2001. 15.000 tropas da OTAN e afegãos, além de forças especiais estão prontas para atacar uma força de cerca de 1.000 combatentes do Taliban, que foram advertidos para depor as armas e deixar a área. Eles se recusam.


O resultado é um êxodo maciço de dezenas de milhares de civis que temem ser apanhados no que promete ser uma luta amarga.


O engajamento iminente constitui um momento crítico na operação no Afeganistão, onde os ganhos Talibã têm uma crescente dinâmica e onde um maior envolvimento no campo de batalha significa mais vítimas civis – e a consequente perda da opinião pública. Portanto, será que um engajamento maciço realmente é a melhor política?


A OTAN está no Afeganistão desde 2001, uma guerra cujo custo é estimado em cerca de 252,5 bilhões de dólares. Frustrados pelo controle talibã que ganhou bases sustentáveis em áreas cada vez maiores do país, os comandantes da OTAN pediram mais tropas. O primeiro surto de 21.000 chegou em março passado.


Desde então, os combates se intensificaram em vez de diminuirem e acidentes/baixas atingiram proporções recordes. Enquanto isso, os talibãs conseguiram conquistar uma posição firme em todas as regiões onde a maioria da população é Pashtun e expandiram a partir do sul e leste do Afeganistão para o centro e norte do país, apesar do fato de que as operações de combate da OTAN aumentaram 55 por cento, os ataques aéreos por 39 por cento e o número de bombas lançadas por mês, 460 por cento desde o surto começou.


Em 2009, os talibãs mataram o dobro do número de tropas da OTAN que foram mortos em 2008. Assim será uma operação militar a melhor resposta?
Não, para um número de razões. Em primeiro lugar, os talibãs têm aprendido a engajar com a OTAN e evitar confrontos em que estão em desvantagem de armamento, preferindo recuar lutando e infligindo tantas baixas como possível naquilo que é visto como uma força invasora estrangeira de ocupação. Não vai estranhar nesta campanha que os Talibã simplesmente desaparecem após três dias.


Em segundo lugar, as vítimas civis não contribuem nada para ganhar os corações e mentes da população local. Pelo contrário, o número de vítimas civis fornece mais combustível para os talibãs, cujos dólares do ópio fornece, em muitas áreas, a única alternativa à pobreza extrema e endémica. 60 por cento da população de 27 milhões do Afeganistão vive abaixo da linha da pobreza, com menos de 1 dólar por dia. A renda per capita é de 420 dólares, a taxa de alfabetização é menor do que 25 por cento, a expectativa de vida é de 43 anos de idade, 13 por cento têm acesso a água potável.


Em terceiro lugar, como soldados, os talibãs têm aprendido a desfazer à noite o que a OTAN faz durante o dia, quando eles são agricultores passivos.
Em quarto lugar, com a ascensão dos feridos e mortos entre os tropas da OTAN vai aumentar também o cansaço das populações nos países que têm de pagar a conta. E para quê? Estudos sobre o moral das forças militares dos E.U.A. reportam uma queda de "moral muito elevado" de apenas 5,7 por cento em 2009, enquanto a opinião pública caiu para 39 por cento de apoio à guerra. O cenário não é muito melhor na Grã-Bretanha.


Em quinto lugar, qual é a estratégia de saída? Como podem as forças da OTAN desembaraçar-se quando, por um lado eles estão tentando construir uma forte centralização nas Forças Armadas Afegãos e, ao mesmo tempo, equipam e pagam senhores da guerra e milícias tribais?


A resposta a todas estas perguntas é simples: não há uma estratégia de saída. Grande cuidado foi tomado para garantir que existem um número suficiente de insurgentes vivos, armados e a combater no Afeganistão para garantir que a luta continua por muitos anos. Mas de forma sustentável. Afeganistão é, afinal, o país cujo governo talibã recebeu uma oferta de bilhões de dólares em 1998 a partir dos E.U.A. para construir um gasoduto para canalizar os recursos energéticos da Ásia Central até ao “grande aliado”, Paquistão.


Um olhar para as bases militares norte-americanas na área, praticamente circundando a República Islâmica do Irão, a fornecer uma posição útil na fronteira de uma RP China de cada vez maior força e Paquistão, que corre o risco de implodir, completa o quadro estratégico.
Então, qual será o resultado da Operação Moshtarak? Mais mortes, mais violência e mais do mesmo.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular