Pravda.ru

Mundo

"Queremos proteger nossa terra": O massacre de Israel em Gaza não deterá os manifestantes

08.08.2018
 

"Queremos proteger nossa terra": O massacre de Israel em Gaza não deterá os manifestantes

Pars Today- Após o lançamento sangrento da Grande Marcha de Retorno em Gaza,onde 17 palestinos foram mortos e mais de 1.500 feridos, a questão que agora paira no ar é "E agora?" Os manifestantes vão arrumar suas barracas e se retirar para o parco abrigo de suas casas?

 Ou persistirão em seus planos de se manifestarem ao longo da fronteira com Israel até o dia 15 de maio, aniversário da Nakba, data que as famílias de muitos moradores de Gaza foram forçadas a deixar sua terra natal para dar lugar à criação de Israel.

As massas - estimadas em cerca de 60.000 em 30 de março - não estão mais lá. As sextas-feiras são tradicionalmente o dia de protesto dos palestinos, enquanto lutam para ganhar a vida durante a semana. Mas se as famílias e indivíduos que permanecem nas tendas de protesto para "manter a linha" são representativos, a Grande Marcha de Retorno está longe de terminar. "A política de Israel de destruir nossa identidade é resumida em uma declaração de David Ben-Gurion, o primeiro primeiro-ministro de Israel: 'Os velhos morrerão e os jovens esquecerão'. Mas estamos aqui para dizer que o velho pode ter morrido, mas os jovens não estão esquecendo", disse Mohammed Madi, um advogado que ocupa uma das tendas.

A leste do bairro de Al-Shujeya, os manifestantes -embora muito menores em números do que os dias de lançamento- se reuniram entre a fronteira cercada e a primeira linha de casas recentemente reconstruídas após terem sido destruídas durante a guerra de Israel em Gaza em 2014.

Os visitantes do "beco", a barreira de 500 metros de profundidade encontra uma mistura de contradições e ironia. Os profissionais de marketing que trabalham com carrinhos carregados de nozes e doces e vans com frutas e sucos gritam para os transeuntes venderem suas bebidas. E no meio deles, uma ambulância e enfermeiras tentam salvar a vida de um jovem baleado por atiradores israelenses.

Não muito longe havia uma massa de manifestantes, erguendo a bandeira palestina e gritando por liberdade e pelo direito de retornar à sua terra natal. Vida e riso misturados com dor e lágrimas. Era o segundo dia da Grande Marcha de Retorno e famílias inteiras marcharam a algumas centenas de metros da barreira.

Em uma fileira de tendas, cada uma foi rotulada com o nome de uma cidade da Palestina histórica, agora Israel. Uma das tendas estava decorada com bandeiras palestinas e argelinas; na entrada, panelas com árabes ferviam em fogo.

Madi, 47, explicou: "Eu sou um cidadão de dupla nacionalidade, com passaporte palestino e argelino. Eu ergui a bandeira argelina como um símbolo de liberdade, porque é o país de um milhão de mártires, na luta para acabar com a colonização francesa. Mas escolhi ficar em minha pátria original e lutar por ela, porque a Palestina precisa de verdadeiros defensores dos direitos humanos. É verdade que todos os povos oprimidos serão libertados um dia".

Junto com sua esposa e três filhos, Madi montou a barraca de sua família dois dias antes do início da demonstração. Durante a manifestação, ele abre sua tenda aos visitantes, incentivando-os a continuar protestando. Para Madi, o sucesso da Marcha de Retorno não será medido em termos de feridos ou se a comunidade internacional realmente tenta forçar Israel a permitir que os palestinos retornem após 70 anos - poucos palestinos têm alguma ilusão sobre isso. Em vez disso, diz ele, a marcha pretende manter viva a chama da resistência entre os jovens que cresceram sem saber nada além de bloqueio e ocupação. Não é de admirar que Madi, cuja família vivia originalmente em Bait Jerja, agora Israel, tenha levado sua filha de seis anos ao protesto.

 "Qualquer um que olhe para os rostos das massas daqui verá que até os nossos jovens nunca esquecerão a sua pátria", diz Madi, que foi presa por Israel quatro vezes por dois anos cumulativos. Ele planeja ficar na manifestação todos os dias até 15 de maio.

Yusra, de cinquenta anos, originalmente de Bait Dras, perto de Ashdod (hoje Israel), ecoa Madi: "Meus pais costumavam me contar todos os dias sobre nossa casa em Bait Dras. Tínhamos cerca de 50 fazendas lá, todas plantadas com frutas", suspira com nostalgia. "Algumas pessoas pensam que nos esquecemos de nossa terra. Nós não temos e não vamos. Eu estou participando desta marcha e continuarei participando até o último dia. Eu me sinto mais ligado a terra quanto mais eu chego à barreira fronteiriça," Ela adiciona.  .

Yusra não quis compartilhar seu sobrenome devido aos temores de que Israel possa impedi-la de viajar, mas diz que veio ao protesto com seu filho de 13 anos para lembrá-lo de seu direito de voltar.

"Mamãe escreveu um livro sobre sua cidade original, em que ela descreveu tudo o que estava lá. Quanto mais eu leio, mais me apego a terra e mais estou determinado a demonstrar aqui", diz o adolescente. Seus dois irmãos mais velhos estavam entre os mais próximos da cerca da fronteira. Embora as forças israelenses estejam usando todos os meios possíveis para dispersar os manifestantes - de bombas de gás lacrimogêneo a munição viva e drones - nenhum dos entrevistados disse que iria ficar em casa. De fato, muitos, como Yusra, estão lá com seus filhos. "Eu vim com minha família sozinha, ninguém me forçou", disse Amna AbdelAl, de 9 anos. Quando seu irmão perguntou se ela estava com medo, imediatamente respondeu que não estava. "Eu vim aqui porque quero proteger nossa terra", disse ela desafiadora.

http://www.iranews.com.br/queremos-proteger-nossa-terra-o-massacre-de-israel-em-gaza-nao-detera-os-manifestantes-3/

 


Loading. Please wait...

Fotos popular