Pravda.ru

Mundo

Jornalistas polacos expulsos do Sahara Ocidental ocupado por autoridades marroquinas

08.05.2016
 
Jornalistas polacos expulsos do Sahara Ocidental ocupado por autoridades marroquinas. 24301.jpeg

Jornalistas polacos expulsos do Sahara Ocidental ocupado por autoridades marroquinas

As autoridades marroquinas expulsaram ilegalmente dois jornalistas polacos da cidade de El Aaiun, no Sahara Ocidental ocupado. Tal acto constitui uma violação das obrigações internacionais de direitos humanos de Marrocos, incluindo os direitos à liberdade de expressão e livre circulação.

Agadir (Marrocos), 7 de maio de 2016.

Anna Olczak e Dominik Sipinski foram expulsos da cidade de El Aaiun, a capital do Sahara Ocidental ocupado, na manhã do dia 6 de maio. A polícia não deu quaisquer fundamentos legais para tal ação, nem produziu quaisquer documentos que justifiquem este acto.

"Esta atitude excessiva constitui uma clara violação dos nossos direitos humanos básicos, incluindo a liberdade de expressão, liberdade de circulação e do direito à informação legal e um julgamento justo. Nós não violamos quaisquer leis locais e durante a expulsão forçada a polícia não nos deu qualquer informação sobre as razões ", diz Dominik Sipinski, um jornalista experiente de 27 anos de idade, que no passado realizou reportagens internacionais para, entre outros, Polityka.pl e "Krytyka Polityczna" na Polónia e na "New Internationalist", "CNN Travel" e "Join Magazine abroad".

Anna Olczak e Dominik Sipinski viajaram juntos para a cidade de Dahkla, no sul do Sahara Ocidental ocupado e fizeram uma paragem intermedia em El Aaiun. Os jornalistas visitaram o Sahara Ocidental ocupado com o objectivo de produzir um documentário sobre as controvérsias políticas na região, bem como apresentar a cultura local e a natureza.

Os jornalistas entraram El Aaiun legalmente às cerca  9 horas da manhã de 6 de maio e foram com amigos locais para sua casa. Após uma hora, a polícia e as autoridades locais cercaram o prédio. A polícia bateu na porta e sem qualquer mandado,  nem fundamentos legais exigiu ver os passaportes dos jornalistas polacos e depois falar com eles. Esta ação foi realizada por dezenas de policias, incluindo oficiais uniformizados e à civil. Alguns deles comportaram-se de forma agressiva com Dominik, empurrando-o de um lado para o outro na escada.

Em seguida, os jornalistas foram levados num carro sem identificação e detidos durante duas horas num posto da policia nos arredores de El Aaiun. Nenhuma razão foi dada para esta detenção e as autoridades negaram quaisquer direitos a Anna e Dominik. Alguns dos policias disseram aos jornalistas que eles não estavam autorizados a ir para Dahkla e que eles precisam de autorização prévia para se encontrar com alguém na cidade de El Aaiun. A polícia recusou-se a produzir quaisquer documentos comprovativos dessas leis e essas regras nunca foram aplicadas antes.

Eventualmente, os jornalistas foram colocados num táxi de longa distância com outros três homens locais, desconhecidos, e conduzidos a Agadir, cerca de 700 quilômetros ao norte de El Aaiun. Durante a viagem nenhuma informação foi dada a Anna e Dominik e eles foram submetidos a uma série de controlos policiais detalhados nos postos de controle. Os jornalistas foram deixados na cidade de Ajt Melloul, cerca de 10 quilômetros de distância de Agadir, pouco antes da meia-noite. De lá, eles foram seguidos por um carro sem identificação que  mais tarde ficou estacionado em frente da entrada do hotel.

"Estes eventos mostram que Marrocos está a recusar o acesso ao Sahara Ocidental ocupado por artistas e jornalistas interessados ​​na cultura local, paisagens e pessoas. Nós sentimos que fomos tratados injustamente, sem qualquer causa ", diz Anna Olczak, 24 anos, jornalista freelance, artista e designer gráfico.

"Estou profundamente preocupado e infeliz quando tais ações ocorrem. Marrocos não parece respeitar as leis internacionais e locais. Eles expulsam os nossos hóspedes que vêm em paz e querem ficar a conhecer-nos e ver por si mesmos como sobrevivemos nestas condições. Os meus convidados de hoje foram expulsos e isso deixou uma cicatriz no meu coração como nós, saharauis, somos conhecidos pela nossa hospitalidade e Marrocos não nos permite dar essa hospitalidade aos nossos hóspedes ", acrescenta Abdelkrim Mbairkat, um ativista saharaui local que albergou os jornalistas polacos em El Aaiun.

Sahara Ocidental é conhecida como a última colónia Africana. O território pouco habitado mais ou menos do tamanho do Reino Unido tem sido um assunto de disputa de soberania desde os anos 1970. Em 1975, Espanha, o colonizador anterior desta terra, retirou-se e dividiu o Sahara Ocidental entre Marrocos e a Mauritânia, apesar dos apelos internacionais para um referendo para a independência. Os nativos  saharauis, lançaram uma guerra de independência e declaram um Estado, a República Árabe Saharaui Democrática (RASD).

A guerra terminou com o cessar-fogo em 1991. A ONU criou uma missão, a MINURSO,  que foi encarregada de organizar o referendo. Até agora, nenhum progresso foi alcançado. Alguns dos saharauis vivem em cinco campos de refugiados na Argélia ocidental; o resto da população nos territórios ocupados, onde estão sujeitos à repressão brutal por parte do regime marroquino. A RASD também controla cerca de 30 por cento do território do Sahara Ocidental ao longo das fronteiras com a Argélia e Mauritânia.

Marrocos controla atualmente todos os recursos naturais do Sahara Ocidental, incluindo pescado e fosfatos, e está a supervisionar a prospecção de petróleo em águas territoriais saharauis. A missão da MINURSO é a única operação de manutenção da paz de pós-Guerra Fria da ONU, sem mandato de supervisão dos direitos humanos. Nos últimos meses Marrocos expulsou o pessoal civil da MINURSO após Ban Ki-Moon, Secretário-Geral da ONU, ter dito que a presença marroquina no Sahara Ocidental  é "uma ocupação".

Marrocos limita severamente o acesso ao Sahara Ocidental para estrangeiros - jornalistas e ativistas enfrentam a expulsão e perseguição. Só este ano quase uma centena de ativistas já foram expulsos.

Isabel Lourenço

 


Loading. Please wait...

Fotos popular