Pravda.ru

Mundo

O fundamentalismo dos EUA e o Exército Islâmico

05.09.2015
 
O fundamentalismo dos EUA e o Exército Islâmico. 22866.jpeg

David Petraeus, general aposentado e ex-diretor da CIA, deu nesta terça-feira (01/09), segundo a Agência France Press, mais uma daquelas ideias que mostram como o pensamento dos Estados Unidos continuam a entender o mundo - e muito especificamente o Oriente Médio -como um lugar onde se faz manipulações, acordos com grupos militares e com fanáticos sem outro critério que não o de fazer prevalecer situações que lhes convenham.

Por Fernando Brito

"Ex-chefe da CIA propõe utilizar Al-Qaeda contra Estado Islâmico", noticia a agência, explicando que Petraeus sugere cooptar integrantes de uma das facções do grupo para enfrentar os soldados do Isis.

O Isis, por sua vez, desfila com os potentes veículos e armamentos que recebeu do Ocidente quando interessava para derrubar o presidente sírio Bashir Al-Assad.

Como, afinal, foi com a cooptação do próprio Osama Bin Laden para lutar contra os russos no Afeganistão.

Os EUA vão colhendo, assim, um problema de cada "solução" que encontram para o "mundo livre".

E vão tornando a luta política nos países do Terceiro Mundo quase que sinônimo de radicalismo e, não raro, de guerra civil.

Conseguiram, estimulado o conflito sírio, provocar uma onda de migração que já passou de 4 milhões de pessoas, além dos cerca de 10 milhões de refugiados que saíram de suas casas e estão abrigados em áreas menos conflituosas do país.

Avalie isso sabendo que a população total da Síria é (ou era) de 23 milhões de habitantes.

É como se, no Brasil, quase um de cada cinco brasileiros tivesse fugido para o exterior e quase 100 milhões estivessem refugiados em outras cidades e estados.

No famoso desenho Asterix, de Uderzo, o personagem Obelix, volta e meia falava: "são loucos, estes romanos".

Parece que o mesmo se aplica aos romanos contemporâneos do Tio Sam.

Fonte


Loading. Please wait...

Fotos popular