Pravda.ru

Mundo

Guerra da Coreia foi tentativa de domínio dos EUA na Península Coreana

04.04.2017
 
Guerra da Coreia foi tentativa de domínio dos EUA na Península Coreana. 26313.jpeg

Documentos apontam que governo norte-coreano era popular no Sul, mesmo durante a guerra, pois era o único regime legítimo na Coreia

Eduardo Vasco, Pravda.Ru

Arquivos revelados ao grande público em novembro do ano passado pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) relatam que a Coreia do Sul planejava invadir o Norte um ano antes do início da Guerra da Coreia, em junho de 1950.

O relatório, de 7 de julho de 1949, é intitulado "Desejo de oficiais do alto-escalão do exército coreano de uma invasão da Coreia do Norte". Nele, afirma-se que "em uma recente discussão sobre a defesa da República da Coreia [Coreia do Sul]", o chefe do Estado-Maior do Exército, Chae Pyung-tuk, declarou que "seu interesse principal é um ataque à Coreia do Norte logo que for possível".

O objetivo de muitos oficiais do Estado-Maior, segundo o documento, era "estabelecer um exército suficientemente forte para invadir a Coreia do Norte antes que o reforço da Manchúria e da China servisse de apoio" às forças armadas de Pyongyang.

Outro informe, de maio de 1950, relata a prisão de opositores que planejavam executar membros do governo norte-coreano. Eles haviam se reunido para ouvir transmissões de rádio clandestinas vindas do Sul, que assinalavam a intenção do exército da Coreia do Sul de conquistar o Norte naquele ano.

Ainda em dezembro de 1949, a revista sul-coreana Ibuk T'ongsin publicava um artigo que esboçava uma hipotética invasão por parte da Coreia do Sul, alegando que "a única forma de apagar a divisão do paralelo 38 [fronteira entre os dois territórios] é o uso da força".

O plano consistia de três etapas: a primeira era a ocupação da capital norte-coreana, que deveria ser executada em no máximo três dias. Ela incluía o bombardeio de quartéis generais e mesmo da residência oficial do presidente norte-coreano, Kim Il-sung.

A segunda etapa seria mais difícil, segundo a revista, porque haveria que lutar contra a resistência nas montanhas, que teria apoio da China. Mas acabaria por se retirar para a província de Hamgyong, no nordeste do país. A terceira etapa seria ocupar esta última parcela da Península e unir o país territorial e politicamente.

Entretanto, não foi até junho de 1950 que essa guerra chegou à Península Coreana. A versão da história contada no Ocidente, que é a versão da Coreia do Sul e dos EUA, diz que a guerra foi iniciada pela Coreia do Norte.

Um só país, um só povo

Mas a Coreia constituía um único país, que havia sido ocupado pelo Japão até o fim da Segunda Guerra Mundial. Em 1945, o Japão teve que se retirar da Península por ser um dos perdedores da guerra, mas também porque a resistência coreana o expulsou do país.

Nessa época já existiam organizações populares e de massa por todo o território coreano, tanto no Norte como no Sul. Fortemente influenciados pelas ideias socialistas e patrióticas, os comitês populares formavam na prática um governo nacional.

Após derrotarem o Japão na Segunda Guerra, os Estados Unidos entraram no Sul da Península Coreana, enquanto a União Soviética, que ajudou a libertação em relação ao Japão, já tinha suas tropas no Norte e apoiou o governo de Kim Il-sung.

No Sul, os EUA impuseram um governo contra a vontade do povo coreano, após fecharem sindicatos e partidos de esquerda, reprimirem manifestações, sufocarem a resistência e desmantelarem os comitês populares. Esse fato é reconhecido por pesquisadores, como o intelectual Noam Chomsky, e diplomatas, como o primeiro embaixador brasileiro na Coreia do Norte, Arnaldo Carrilho.

Segundo o historiador e cientista político Diego Grossi, estudioso da história norte-coreana, o legítimo Estado Coreano, entre os dois que existem hoje, é a Coreia do Norte, justamente por ter sua origem em um governo constituído a partir dos comitês populares na luta contra o Japão e por não ter sido invadida e subjugada a um governo imposto por um país estrangeiro.

"A URSS sai rapidamente do Norte. No Sul, os EUA não só continuam a ocupação como ainda sufocam esses comitês e colocam no poder seus aliados, inclusive como presidente Syngman Rhee, que viveu durante décadas nos EUA", conta à Pravda.Ru.

Praticamente metade da vida de Rhee tomou lugar nos Estados Unidos, onde reuniu-se até mesmo com presidentes norte-americanos. Ele foi empossado na prática pelo governo militar de ocupação dos EUA em 1945, voando da América para Tóquio e depois para Seul em aviões militares estadunidenses, inclusive um particular do general Douglas MacArthur.

Em 1948, a URSS retirou suas tropas do Norte, cumprindo os acordos da Conferência de Moscou, que determinou a desocupação da Península pelas duas potências. Porém, os Estados Unidos não fizeram o mesmo no Sul, onde mantêm soldados até os dias atuais. "É a ocupação ianque que divide o país até hoje", ressalta Grossi.

Apoio popular à Coreia do Norte em Seul

Em 25 de junho de 1950, forças militares norte-coreanas ultrapassaram o paralelo 38 - escolhido pelo Ocidente para dividir a península -, e a Guerra começou oficialmente. No dia seguinte, a embaixada estadunidense em Moscou demonstrou preocupação com os interesses dos EUA na Coreia, conforme relatado por outro documento da CIA disponibilizado recentemente.

"A Embaixada aponta que a derrota da República da Coreia teria sérias e desfavoráveis repercussões para a posição dos EUA no Japão, no Sudeste da Ásia e também em outras áreas", destaca o relatório.

A ocupação do Sul pelo Norte, que controlou Seul e chegou até o extremo sul da península, durou cerca de três meses. Durante esse período, o governo comunista recebeu forte apoio de parte da população da capital sul-coreana. De acordo com um relatório de julho de 1950, 60% dos estudantes da cidade ajudavam "ativamente" os norte-coreanos, que também eram prestigiados pela classe operária da capital. Além disso, quase todos os partidos políticos da Coreia do Sul apoiavam a Coreia do Norte, com exceção do partido extremista de direita do então presidente Syngman Rhee.

Os EUA lideraram as forças da ONU, aproveitando-se da neutralidade soviética, e iniciaram a intervenção de mais de uma dezena de países em auxílio militar à Coreia do Sul. Conseguiram fazer as tropas norte-coreanas recuarem e invadiram o Norte. Segundo outro relatório da agência, de outubro de 1950, Rhee procurava incorporar a Coreia do Norte à Coreia do Sul, proposta que foi apoiada pelos EUA especialmente na área econômica, ao incentivarem a anexação monetária do Norte a partir do uso de notas do Banco da Coreia em toda a península.

Quando da invasão da Coreia do Norte, o general MacArthur sugeriu ao presidente Harry Truman o uso de armas nucleares para vencer a guerra com mais rapidez. No entanto, foi exonerado.

A URSS e a China intervieram no conflito, que terminou apenas em julho de 1953. Por volta de 2,5 milhões de coreanos morreram nos três anos de guerra. Contudo, o país continua dividido no mesmo paralelo 38 até hoje, já que não houve vencedor e oficialmente a guerra não foi concluída. Os EUA foram considerados derrotados moralmente.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular