Pravda.ru

Mundo

Cristãos em marcha no Peru contra indulto para Fujimori

04.01.2018
 
Cristãos em marcha no Peru contra indulto para Fujimori. 27972.jpeg

Cristãos em marcha no Peru contra indulto para Fujimore

Por Paulo Barrera (*)

Se nos juntamos ao genocida Alberto Fujimori agora solto, vivo e chutando graças ao recente perdão que gerou a marcha maciça (perdão que insulte a memória das vítimas do fujimorato: 1990 a 2000); o corrupto presidente PPK cuja estabilidade hoje depende da maioria Fujimorismo no Congresso da República, o "diabólico" (enganador) Mercedes Araoz, presidente do ministro do gabinete, claramente um cúmplice direto do perdão a Fujimori; e o experiente em repressão e o novo ministro do Interior Vicente Romero, Fujimorist ao núcleo, temos, então, um verdadeiro pacote de lobos na cúpula do Estado, da qual a polícia do USO (Unidade de Serviços Especiais) Eles são apenas seus peões. Não é comum, mas também não é inédito, que um importante grupo de cristãos se manifesta com uma posição clara e um discurso transparente em uma marcha cidadã contra o ditador mais cruel da história do Peru, como fizeram em 28 de dezembro, dezenas de irmãos, católicos e evangélicos de as denominações mais diferentes, incluindo os pentecostais. 

A grande maioria eram jovens (homens e mulheres), mas também alguns "dinossauros" (como eles próprios assumem) do ecumenismo já dinâmico no Peru. Os cristãos estiveram presentes nas manifestações históricas contra o fujimorato. E nestes dias volta a nossa memória, inevitável, a grande marcha de "Los cuatro suyos" que contribuiu decisivamente para a queda e o subsequente vôo vergonhoso de Alberto Fujimori em novembro de 2000. Um importante grupo de cristãos marcou sua presença naquele momento. O século 21, no entanto, trouxe novidades no campo religioso. Destacamos um, sem dúvida, de grande importância. Há no Peru deste século uma clara endivência do discurso religioso, cristão hegemônico, que se aproxima perigosamente do fascismo. Fascismo que resumimos aqui em duas idéias básicas: considera perigoso e eliminável para todos os diferentes em qualquer campo, por exemplo, esquerdistas, não-crentes, homossexuais, etc. O fascismo, também, manifesta-se mais livre e descarado quando se aproxima do poder político. O peruano não é um fenômeno isolado. O candidato à Presidência do Brasil (eleições de 2018) Jair Bolsonaro, evangélico e ex-militar, declara-se abertamente da extrema direita, homofóbico, não admite igualdade entre homens e mulheres, É contrário aos direitos humanos e afirma que a ditadura militar dos anos 60 cometeu um grave erro ao não eliminar todos os comunistas. Escusado será dizer que ele é um admirador aberto e confessado de Donald Trump.

No Peru hoje, os líderes religiosos mais notórios estão indo naquela direção fascista. É neste cenário que a participação de "Cristian @ s for Democracy" na última marcha deve ser avaliada. Se as gerações anteriores de cristãos não se sentiram desafiadas por esse fato, é porque já morreram espiritualmente. Eles nem se tornam uma lâmpada escondida ou sal insípido. Onde está a esquerda cristã da rica história política militante da segunda metade do século passado? É um grande mistério. Em qualquer caso, a força do direito cristão, na mídia, no espaço público e no campo político, dá a aparência de apagá-los do mapa. Outra opção, também plausível, é que a maioria dos cristãos sente Fujimorist ou Aprista; isto é, estão ao lado do inimigo comum da pátria:

A participação dos cristãos na recente marcha mostra claramente que eles não são um grupo de pessoas desorientadas. Eles estavam muito bem organizados, com seus próprios megafones, bandeiras com sua própria identidade, cartazes com mensagens politicamente muito maduras. Tudo de produção própria, artesão, sem imposição de qualquer líder, nada de alienação ou improvisação. Não houve diretrizes impostas de qualquer hierarquia. Não eram papagaios repetindo coisas que não entendiam. Durante a marcha, a imprensa amarela (ou laranja como Fujimorismo) tentou surpreender os jovens cristãos com perguntas questionando. Eles não encontraram distraídos e tiveram que correr antes da contundência das respostas. Eu sei. Na cena religiosa peruana contemporânea, esse setor de cristãos é a contrapartida política teológica do movimento fascista para conservar CMHNTM ("Con mis hijos no te metas"). Mas, é claro, que seu horizonte de ação política transcende toda a mesquinha conservadora que caracteriza o CMHNTM. A imprensa ainda não prestou atenção neles. Koreaban em marcha, ao mesmo ritmo que o mar de cidadania que inundou as ruas de Lima: "FORA DE PPK", "O INDULDÃO É UM INSULTO", "VICENTE ROMERO, NENHUM TEMOR" E ESCUTA ESCUTA, JUNTE-SE À LUTA ", entre outros.

No grupo havia pastores, pastores, sacerdotes e muitos leigos. Sem dúvida, são uma minoria. Quatro gatos, você pode dizer, com o motivo calculado, a multidão indiferente, adicionada aos seguidores do outro pacote, o "espiritual": Julio Rosas, Rodolfo Gonzales, Alberto Santana, etc. Todos eles líderes de CMHNTM. Mas é precisamente esse um elemento importante da mensagem profética. Sua legitimidade política e teológica não resulta do número. Do peso do rebanho. Acontece estar em sintonia com a verdade do cidadão que busca a justiça social negada, adiada e agora revertida (com perdão) às vítimas do governo de Alberto Fujimori pelas elites sociais representadas pela FUJIAPRISMO. Verdade que está a caminho do meio de lobos vorazes, políticos e religiosos, que agem de forma coordenada. Quem não se lembra da mostra de mídia do Pastor Alberto Santana e Keiko Fujimori no Coliseu de Amauta, com um grupo de pastores interpretando o candidato "Diabolic" (Diabolos) durante sua última campanha para a Presidência da República ( 2016)? Campanha que perdeu pela segunda vez. Quem não se lembra das sinistras palavras de Rodolfo Gonzales rezando por Keiko? Ou as chamadas do púlpito, desse mesmo caráter escuro, para matar homossexuais. Quem não se lembra das mensagens do Cardeal Cipriani em defesa do assassino Fujimori durante e depois do seu governo? Os cristãos precisam de alguma outra prova de que Deus não ouve as orações desses lobos disfarçados de pastores? com um grupo de pastores fazendo o jogo para o candidato "diabolico" (de diabolos) durante sua última campanha para a presidência da república (2016)? Campanha que perdeu pela segunda vez. Quem não se lembra das sinistras palavras de Rodolfo Gonzales rezando por Keiko? Ou as chamadas do púlpito, desse mesmo caráter escuro, para matar homossexuais. Quem não se lembra das mensagens do Cardeal Cipriani em defesa do assassino Fujimori durante e depois do seu governo? Os cristãos precisam de alguma outra prova de que Deus não ouve as orações desses lobos disfarçados de pastores? com um grupo de pastores fazendo o jogo para o candidato "diabolico" (de diabolos) durante sua última campanha para a presidência da república (2016)? Campanha que perdeu pela segunda vez. Quem não se lembra das palavras sinistras de Rodolfo Gonzáles rezando por Keiko? Ou as chamadas do púlpito, desse mesmo caráter escuro, para matar homossexuais. Quem não se lembra das mensagens do Cardeal Cipriani em defesa do assassino Fujimori durante e depois do seu governo? Os cristãos precisam de alguma outra prova de que Deus não ouve as orações desses lobos disfarçados de pastores? para matar homossexuais. Quem não se lembra das mensagens do Cardeal Cipriani em defesa do assassino Fujimori durante e depois do seu governo? Os cristãos precisam de alguma outra prova de que Deus não ouve as orações desses lobos disfarçados de pastores? para matar homossexuais. Quem não se lembra das mensagens do Cardeal Cipriani em defesa do assassino Fujimori durante e depois do seu governo? Os cristãos precisam de alguma outra prova de que Deus não ouve as orações desses lobos disfarçados de pastores?

O movimento "Cristian @ s for Democracy", como eles foram chamados na marcha, mostra ter superado os limites que as igrejas e denominações, pastores, bispos e apóstolos (depois teremos querubins e semideuses) imporão seus paroquianos com mais mensagens Fujimoristas do que bíblico Ele também mostra o movimento, compreensão clara de que o inimigo estratégico não é CMHNTM, nem o "o que nossos irmãos dirão". É claro para o movimento que o inimigo é constituído por "principados e poderes" do ranking de Fujiapismo agora aliado ao governo PPK com pés de barro. Nenhum messianismo no movimento, diferente, portanto, para algumas ênfases da Teologia da Libertação das décadas passadas. Desânimo também com esquerdas divididas, incapaz de lavar roupa suja em casa. Não falamos sobre alternativas, porque não há nenhuma. A marcha também foi, como um todo, um imenso clamor para repensar projetos políticos alternativos. As pessoas estão atentas às pequenas vanguardismos, aos androcentrismos que permanecem, aos oportunistas de sempre. A esquerda dividida não pode continuar jogando o jogo dos lobos predatórios que saqueiam o país. O movimento de protesto terá que se tornar um movimento de proposta.

Além de cartazes e convicções firmes, o grupo de cristãos carregava sua água e vinagre. Para aqueles que não sabem e querem se juntar à luta, a água e o vinagre são eficazes para resistir ao efeito do gás lacrimogêneo. "Astucias como serpentes", bem como "simples como pombas", como diz o Evangelho. Eles sabem bem onde estão e onde o compromisso cristão os enviou. Estou certo de que nem Aldo Mariátegui (desviante descendente e indigno do ilustre pensador José Carlos Mariátegui) nem Rodolfo Gonzáles, os dois operadores de mídia simples do Fujiapismo, nunca poderão enganá-los. (Pensando Américas)

(*) Doutor em Ciências da Religião e Professor de pós-doutorado na Universidade Metodista de São Paulo, Brasil. Ele é um contribuinte para a Pensando Américas.

dariopbr@terra.com.br

in

 


Loading. Please wait...

Fotos popular