Pravda.ru

Mundo

A Cimeira lança a NATO no Espaço, custos até às estrelas

03.12.2019
 
A Cimeira lança a NATO no Espaço, custos até às estrelas. 32217.jpeg

A Cimeira lança a NATO no Espaço, custos até às estrelas

Manlio Dinucci

 Realiza-se em Londres, em 4 de Dezembro, o Conselho Atlântico Norte dos Chefes de Estado e de Governo, que celebra o 70º aniversário da NATO, definida pelo Secretário Geral, Jens Stoltenberg, como "a aliança mais bem sucedida da História".

Um "sucesso" inegável. Desde a demolição através da guerra, da Federação Jugoslava, em 1999, a NATO alargou de 16 para 29 países (30 se agora incluir a Macedónia do Norte), expandindo-se para Leste, muito próxima da Rússia. "Pela primeira vez na nossa História - sublinha Stoltenberg - temos tropas prontas para combate no Leste da nossa Aliança". Mas a Organização do Tratado do Atlântico Norte foi além, estendendo as suas operações bélicas desde as montanhas afegãs e através dos desertos africanos e do Médio Oriente.

Agora a Grande Aliança ambiciona mais. Na Cimeira de Londres - anuncia, antecipadamente,  Stoltenberg - os dirigentes dos 29 países membros "reconhecerão o Espaço como nosso quinto campo operativo", que se junta ao terrestre, ao marítimo, ao aéreo e ao ciberespaço. "O Espaço é essencial para o sucesso das nossas operações", sublinha o Secretário Geral, dixando perceber que a NATO desenvolverá um programa espacial militar. Obviamente, não fornece detalhes, mas informa que a NATO assinou um primeiro contrato de 1 bilião de dólares para modernizar os seus 14 aviões AWACS. Eles não são simples aviões radares, mas centros de comando voadores, produzidos pela Boeing americana, para a gestão da batalha através de sistemas espaciais.

Certamente quase nenhum dos líderes europeus (para a Itália, o Primeiro Ministro Conte) que, em 4 de Dezembro, "reconhecerão o Espaço como o  nosso quinto campo de operativo", conhece o programa espacial militar da NATO, preparado pelo Pentágono e pelos altos comandos militares europeus subordinados, juntamente com as principais indústrias aeroespaciais. Muito menos sabem os Parlamentos, como o italiano, que aceitam qualquer decisão da NATO, sob comando USA, sem se preocupar com suas implicações político-militares e económicas.

A NATO é lançada no Espaço no prosseguimento do novo Comando Espacial criado pelo Pentágono, em Agosto passado, com o objectivo, declarado pelo Presidente Trump, de "garantir que o domínio americano do Espaço nunca seja ameaçado". Trump então anunciou o estabelecimento subsequente da Força Espacial dos Estados Unidos, com a tarefa de "defender os interesses vitais americanos no Espaço, o próximo campo de batalha da guerra". A Rússia e a China acusam os EUA de abrir o caminho para a militarização do Espaço, alertando que têm capacidade para responder. Tudo isso aumenta o perigo de guerra nuclear.

Mesmo que o programa espacial militar da NATO ainda não seja conhecido, uma coisa é certa: será extremamente caro. Na Cimeira, Trump pressionará os aliados europeus para que aumentem as suas despesas militares para 2% ou mais, do PIB. Até agora, fizeram-no oito países: Bulgária (que elevou para 3,25%, um pouco abaixo de 3,42%, dos EUA), Grécia, Grã-Bretanha, Estónia, Roménia, Lituânia, Letónia e Polónia. Os outros, apesar de permanecerem abaixo de 2%, estão empenhados em aumentá-la. Impulsionada pela enorme despesa USA - 730 biliões de dólares em 2019, 10 vezes superior à da Rússia - a despesa militar anual da NATO, segundo dados oficiais, ultrapassa 1 trilião de dólares. Na realidade, é superior à indicado pela NATO, pois que não inclui vários elementos de natureza militar: por exemplo, o das armas nucleares dos EUA, inscrita no orçamento, não do Pentágono, mas do Departamento de Energia.

A despesa militar italiana, que subiu de 13º para 11º lugar no mundo, importa, em termos reais, em cerca de 25 biliões de euros por ano, sempre a aumentar. Em Junho passado, o Governo Conte I adicionou 7,2 biliões de euros, também fornecidos pelo Ministério do Desenvolvimento Económico para a compra de sistemas de armas. Em Outubro, na reunião com o Secretário Geral da NATO, o governo do Conte II prometeu aumentá-la constantemente em cerca de 7 biliões de euros por ano a partir de 2020 (La Stampa, 11de Outubro de 2019).

Na Cimeira de Londres, serão pedidos à Itália mais biliões do dinheiro público, para financiar as operações militares da NATO no Espaço, enquanto não há dinheiro para manterem segurança e reconstruir os viadutos que desabam


Il manifesto, 3 Dezembro 2019

https://nowarnonato.blogspot.com/2019/12/pt-manlio-dinucci-cimeira-lanca-nato-no.html

 


Fotos popular