Pravda.ru

Mundo

Svizzera, minaretes, Unter Uns e Chez Eux

03.12.2009
 
Svizzera, minaretes, Unter Uns e Chez Eux

O título desta peça propositadamente usa três das quatro línguas faladas oficialmente na Suíça, faltando apenas o Romanche da Svizra Confederaziun. Em que medida o caso minarete foi totalmente mal compreendido por um mundo à procura de pedras para jogar em vez de pontes para construir?


Há uma série de pontos importantes levantados pelo referendo suíço na semana passada, em que 57,5% da população votaram contra a construção de mais minaretes em mesquitas, o que provocou uma multiplicidade de reacções automáticas oriundas dos quatro cantos da Terra. No entanto, num momento em que a globalização é uma realidade e sociedades multi-culturais uma bênção para as nossas gerações, é importante que os termos orgulho nacional, nacionalismo e xenofobia, racismo e fascismo sejam claramente delineados e compreendidos.


Para começar, os suíços têm referendos sobre questões de importância nacional. Talvez a União Europeia poderia copiar uma folha deste livro, porque o único organismo na EU que é democraticamente eleito, tem poder executivo limitado (o Parlamento) e os organismos que têm poder não são eleitos. Se a Suíça estivesse na UE, os suíços seriam obrigados a repetir o referendo (dado que se atreveu a realizá-lo) ad nauseam com subtil mudança de formulação até Bruxelas estivesse satisfeito. Os suiços, então, provavelmente seriam forçados a dar um cantão aos albaneses (que por sinal foi solicitada).


Em segundo lugar, o voto contra a construção de minaretes novos não tem que ser uma expressão do fascismo, racismo ou xenofobia, porque não é necessário ser um racista ou um não-racista para ser racional. Ao invés de refletir sentimento anti-muçulmano, não foi mais uma decisão de querer manter as linhas e fachadas únicas e exclusivas à Suíça? Ao invés de ser anti-Islamico, o voto não foi mais uma mobilização significativa dos grupos de direitos de mulheres que têm um problema com a maneira como as mulheres são tratadas em certas sociedades?


Em terceiro lugar, para aqueles que começaram a acusar os suíços de serem nazistas, uma mesquita não precisa de um minarete para ser uma mesquita. Ela precisa sim de ser limpa e deve ser apontanda para Meca.


Certamente, uma vez que a Suíça tem sido independente desde 1291, e desde a Constituição Suíça dá o direito a Suíça para decidir o que acontece no seu país, o referendo do último fim-de-semana deve ser respeitado. Afinal, cabe aos suiços para decidirem e a mais ninguém.


Não há nada errado com o nacionalismo de uma forma em que ele reflete o orgulho para a nação e sua cultura, história e instituições, especialmente em um mundo onde há tanta falta de respeito e irreverência, frequentemente da parte de quem tem oferecido nada às suas sociedades.


Afinal, o que acontece com um cavalheiro ocidental que decide caminhar pelas ruas da Arábia Saudita a beber de uma garrafa de vodka na mão? O que acontece com uma mulher ocidental que decide andar em torno de Riade, sem um véu?


Isso não quer dizer que o suíço é errado afirmar que não quer que seus (belos) horizontes alpinas sejam salpicados de minaretes, isso não é julgar os sauditas por impor a sua (maravilhosa) cultura islâmica no seu próprio país, não é colocar em questão a decisão de uma autoridade (sensata) municipal de não permitir que um McDonald's seja construído ao lado de um catedral medieval.


No mundo multicultural de hoje, temos de ser prudentes, mas também respeitosos e conscientes. O povo dos Estados Unidos da América deu um exemplo maravilhoso em eleger Presidente Obama, não porque ele é negro (ele é afinal tanto branco como ele é negro), mas porque ele é inteligente, articulado e apresenta uma figura de quem todos os americanos podem se orgulhar, tanto mais após oito anos de auto-justificação idiota do regime de câmara-de-tortura de Bush. A Federação da Rússia compreende a questão do multiculturalismo muito bem e muito profundamente: o que é a Rússia, se não uma mistura fantástica e uma miríade de povos e raças e credos e cores e culturas e religiões e gastronomias, tornando-se o lugar maravilhoso que é?


A votação suíça não tinha a ver com xenofobia ou racismo. Esses conceitos não têm nenhum lugar no mundo de hoje, porque vivemos numa Terra em que a globalização do conhecimento e o acesso à educação estão felizmente tornando-se um direito de nascença, e o racismo e é meramente um reflexo de espírito mesquinho, prova de ignorância e uma demonstração de uma mente intelectualmente desafiada.


Então, não vamos confundir nacionalismo com o Nacional Socialismo (Nazismo), não vamos confundir orgulho na nossa cultura com a xenofobia e não vamos confundir o zelo para proteger o patrimônio nacional com o racismo. Ninguém precisa ser chez eux (em sua própria casa). Unter uns (entre nós), todo mundo tem o direito de ser eles mesmos, mas a liberdade de um homem termina onde ela afeta a do próximo. Pois, como afirmou Ortega e Gasset, "Yo soy yo y mi circunstancia" (Eu sou eu e aquilo que me rodeia). Eu sou, ou seja, devo ser…


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular