Pravda.ru

Mundo

Observando o 'Observatório da Imprensa': E a Regulação da Mídia?

03.11.2016
 
Observando o 'Observatório da Imprensa': E a Regulação da Mídia?. 25387.jpeg

Em um país com alicerces democráticos frágeis, para dizer o mínimo, um auto-denominado Observatório da Imprensa (OI) não poderia ser dirigido por alguém que retrata perfeitamente a "democracia" tupiniquim: Alberto Dines, declarado sionista que promoveu o golpe cívico-militar-midiático-empresarial de 1964 (isto, ele não confessa, mas é documentado). E não poderia ser sustentado por outra organização, senão a tal de Ford Foundation, bem-conhecida ONG de fachada da CIA.

por Edu Montesanti

Semanalmente publicando no sítio do OI, este autor praticava contra-informação em relação à mídia oligárquica e se diferenciava de Dines por apontar diversos desvios midiáticos como defesa dos interesses dos que a sustentam, isto é, o alto empresariado, e não como meros "equívocos jornalísticos" por inaptidão ou afã de publicar, padrão mantido precariamente pelo "observador midiático do Brasil", amigo íntimo e admirador de personagens como Roberto Civita, proprietário da editora Abril, já falecido.

Em meados de 2013 no OI, este autor ousou "observar o observador" alegando que ninguém estava acima do bem, do mal e nem da crítica: se observávamos semanalmente a tudo e a todos, por que não sermos também observados? Poisa observação crítica deu-se quando Dines, tentando desviar a atenção da gravidade da espionagem globalmente descomedida do regime de Washington revelada por Edward Snowden, especialmente contra o Brasil, alegou que a indignação de determinados setores nacionais (incluindo a deste autor) devia-se a ressentimento contra os Estados Unidos. 

Obviamente, a intolerância crônica contra demagogia e puxa-saquismo sofrida por este autor acabou gerando mal-estar naquele meio que não preza nem nunca prezou pela liberdade de expressão e pela verdade dos fatos. Alguns meses depois, acabou insustentável a permanência ali.

A publicação do dia 29/10 a ser brevemente observada aqui não é de Dines, mas retrata a hipocrisia que marca aquele meio, a mesma covardia intelectual que faz Dines desconversar quando questionado se promoveu o golpe de 64 (na última vez, o mestre da rotulagem mais baixa e do jogo de palavras saiu pela tangente qualificando o escritor que publicou livro sobre sua fundamental participação no golpe de "cão raivoso"). Marca também a própria posição do OI sobre o assunto.

Plínio Lopes, estudante de Jornalismo, analisou (muito bem) a forma sensacionalista do "jornalismo" policial que muitas vezes fere gravemente a garantia constitucional da presunção da inocência, expõe inocentes ou suspeitos ainda não julgados, gerando assim mais ódio e violência. 

Tudo isso é correto até que Lopes conclui que o "jornalismo" policial precisa se reinventar. O que as medíocres faculdades de Jornalismo - elitistas e formadoras de idiotas por excelência - e Dines jamais colocam em questão, seguidos pelo discípulo de turno, é que o jornalismo brasileiro em geral precisa, como em qualquer Estado democrático ao redor do mundo, de regulação, isto é, obedecer leis que no País inexistem.

Não se deve ingenuamente esperar que, no sistema capitalista que visa o lucro, as empresas de mídia voluntária e altruisticamente se reinventarão, movidas pelo amor à vida. Sem regulação da mídia, nunca colocada em discussão no país e distorcida pelos meios de desinformação em massa, não haverá jornalismo minimamente ético no Brasil, e sem essa discussão as mais diversas análises terminarão, na essência, vazias, efêmeras.

A presidente Dilma foi derrubada de maneira baixa, sem espaço para apresentar sua versão dos fatos na mídia que sempre se recusou a regular sob pífio e oportunista argumento de que a sociedade possui controle remoto (como se houvesse pluralidade; tanto não há que ela caiu, sem poder fazer sua voz chegar à maioria da sociedade), e o sítio que se intitula fiscal da Imprensa, jamais contraria os interesses mesquinhos, justamente, da mídia oligárquica.

 

Pobre Brasil.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular