Pravda.ru

Mundo

O delírio capitalista e a deriva climática - 1

03.02.2019
 
O delírio capitalista e a deriva climática - 1. 30378.jpeg

O delírio capitalista e a deriva climática - 1

Em meados do século XIX, Feuerbach dizia que os filósofos até então se tinham esforçado na compreensão do mundo; e que era chegada a hora de o transformar. Dezassete décadas depois, essa ideia grita aos nossos ouvidos.

Dito de outra maneira: não há solução para os problemas ambientais dentro do modelo capitalista

1 - Introdução

A Humanidade, desde os seus mais remotos tempos, deixou marcas no planeta. Porém, nunca na escala e com a profundidade dos tempos atuais. E os efeitos dessa intervenção mostram-se hoje, desastrosos e extremamente perigosos.

Abundam estudos sobre a matéria e, nas várias sociedades surgem há décadas, grupos e instituições que apontam para os danos provocados pelo capitalismo, embora na sua maioria, tomando o capitalismo como um dado, como algo exterior e compatível com a deriva ambiental. Aliás, mesmo que não houvesse a consciência da deriva ambiental, como aconteceu até há uns cinquenta anos, são muitas as razões para promovermos a extinção do capitalismo e o combate às suas pseudo-alternativas. 

Como a imagem abaixo demonstra, o bem conhecido capitalismo neoliberal, o capitalismo "socialmente responsável" - só credível por questões de propaganda ou fé - o capitalismo sustentável ou o capitalismo com rosto humano, têm a mesma face, o mesmo cheiro e muita capacidade e paciência para convencer quem tiver a mente de criança com menos de cinco anos. Em Davos, recentemente, juntaram-se os próceres do capital, sempre abertos a usar qualquer mixórdia ideológica para que tudo siga como dantes. 

O capitalismo corresponde à acumulação de capital, crescente e imparável, caminhando de crise em crise, de guerra em guerra, de destruição em construção ou de construção para destruir; com o grau necessário de destruição de vidas humanas. 

Para acelerar essa acumulação - insuficiente se apenas baseada na produção de bens e serviços - o sistema capitalista desenvolveu os artifícios financeiros que, através de múltiplas e encadeadas operações especulativas sobre mercadorias essenciais à Humanidade, bem como de fantasias numéricas, permitam gerar vultuosos ganhos de capital. Essas operações que beneficiam dos apoios necessários das classes políticas globalizadas ou dos estados-nação geram uma dinâmica frágil, cuja paragem conduz a inversões de marcha ruinosas, para o próprio capital financeiro, para as empresas que produzem bens e serviços e nomeadamente para a base, onde se situam os seres humanos, na sua esmagadora maioria, trabalhadores, ex-trabalhadores ou desempregados. Estes últimos constituem a tal maioria dos 99% da Humanidade[1] que, do outro lado, contém os nefastos 1%, de banqueiros e especuladores, os titulares de grande riqueza e os estratos mais elevados das classes políticas.

  

Nesse delírio, as pessoas valem pouco e são descartáveis, do trabalho ou da vida, quer sejam anticapitalistas, neutras ou ignorantes do que é o capitalismo; são e serão as vítimas sempre que essa situação for favorável à marcha da acumulação; e o mesmo se passa com a ecúmena como com a atmosfera ou os oceanos. 

  

Nenhuma área da vida humana deixa de estar condicionada ou conduzida pelo capitalismo; nada nem ninguém, hoje, poderá escapar à sua demente deriva. Daí que haja um enorme perigo para a Humanidade (os atuais 7200 milhões de seres humanos) uma vez que as dificuldades, a pobreza, as desconstruções sociais e os conflitos são imensos; desastres que não irão diminuir se a população humana atingir 9600 milhões de pessoas dentro de trinta anos. E isso, embora se saiba, perante as tecnologias de hoje, que o planeta pode garantir condições condignas de vida, para 12000 milhões, segundo cálculos da Unesco em 1999. Simbolicamente, a questão é: a Bolsa ou a vida.

  

Neste contexto, todas as abordagens parcelares, segmentadas da realidade são curtas, como se disse recentemente, sendo necessária a sua integração, a geração de sinergias, colocando de fora, como inimigos declarados, os capitalistas e as classes políticas, gestoras - em acto ou em potência - dos aparelhos de Estado, cujas funções são as de aplanarem o terreno para a consecução da acumulação de capital e a vigilância ou a repressão desapiedada para submeter a multidão. 

  

2 - A gestão ambiental dos capitalistas e dos seus funcionários

  

A acumulação de capital provoca danos colaterais como a produção de lixos mais ou menos tóxicos, oriundos das residências, das fábricas ou dos hospitais; mas sempre em quantidades crescentes e de gestão mais complicada e cara. Os letais resíduos provenientes das centrais nucleares são suscetíveis de demorar 10000 anos a desaparecer; entretanto, andam por aí, empurrados, deslocalizados para países desestruturados e pobres. Os  gases tóxicos, circulam livremente, produzidos em centrais elétricas que queimam petróleo ou carvão ou pelos motores de automóveis, camiões, barcos ou aviões, instrumentos da produção segmentada inerente às deslocalizações, vitais para gerar maiores taxas de lucro, para além do turismo. A integração de produtos químicos na alimentação de humanos, animais e plantas, tem implicações mal estudadas ou menosprezadas mas, aumentam a rendabilidade dos negócios. Os resíduos abandonados das minas contaminam águas e solos. As cadeias logísticas essenciais para a circulação de bens, de toda a parte para toda a parte, alimentam negócios, rebaixam salários, condições de vida e de trabalho, para darem resposta a um consumismo induzido para gerar lucros e um fugaz bem-estar freneticamente comprado a crédito. Os impactos que daí resultam nos aquíferos, nos rios e nos mares são evidentes. Tudo isto e muito mais, em função de uma suprema fixação no crescimento abstrato (do PIB) que, mais técnica e politicamente, se traduz por acumulação de capital, a ser objeto de posterior redistribuição. 

  

Mais mediáticas do que a poluição - embora esta seja mais palpável, visível, melhor conhecida e, claramente com origens na descuidada atuação humana - são as alterações climáticas, com uma abrangência global, mais imunes a atuações espacialmente estritas ou à atuação isolada de grupos de pessoas, instituições estatais, nacionais, regionais ou locais; e, sobretudo, não havendo um acervo consensualizado no capítulo das relações causa-efeito.

  

Essa realidade global, tende a ser monitorada por governos ou em fora internacionais, onde se cruzam técnicos, cientistas, ONG, políticos, membros ou consultores contratados pelas grandes multinacionais. A interferência de Estados e multinacionais garante situações de abastardamento e enviesamento das experiências e conclusões retiradas de trabalhos científicos; tendo por detrás, razões que se prendem com  estúpidos nacionalismos, a fixação na subordinação à lógica da rendabilidade, da criação de valor, da apresentação de lucros, para gáudio dos acionistas. 

  

Dessa promiscuidade surge um caldo de cultura pouco agressivo e mesmo colaborante com a ação daqueles Estados e multinacionais. Dentro da lógica do capitalismo e armados com a crença absurda de que os Estados e as classes políticas existem para ajudar os povos, há grupos que se focam numa tara inerente ao capitalismo - o crescimento - como que admitindo que curada a doença o mundo viverá a paz e a bem-aventurança eterna... em capitalismo.

  

3 - As alterações climáticas - causas e efeitos

  

Há uma grande diversidade de opiniões quanto às alterações climáticas, às suas causas e os seus ritmos de concretização. O IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change aponta as causas humanas como as mais importantes mas, há investigadores que consideram sobretudo, as causas de ordem natural. Tudo indica que haverá a considerar, um cruzamento entre causas humanas, por um lado, com outras, próprias do planeta e do seu enquadramento no espaço circundante.

  

Entre os cientistas sente-se a necessidade de colmatar as deficiências nos métodos da aferição utilizados e/ou as insuficiências quanto aos dados recolhidos. E daí que se venha apostando na compilação de dados sobre o clima para mais longos períodos, no sentido de tornar o modelo de circulação global (GCM) mais robusto, com a procura  de maior consistência dos resultados obtidos nas simulações.

É muito insuficiente e incerto o actual conhecimento sobre o clima[2]. Os principais fatores usados para o efeito baseiam-se em ciclos de 3.36 anos e de 22.6 anos, tomados independentemente e que, sendo muito curtos, admitem variações proporcionalmente grandes. 

  

O primeiro daqueles ciclos está relacionado com o ENSO - El Niño-Southern Oscillation, que se baseia na irregular variação nos ventos e na temperatura à superfície do Pacífico oriental, que afeta o clima, principalmente nas áreas tropicais e subtropicais, provocando ali altas pressões atmosféricas em paralelo com baixas pressões na Indonésia. Essas altas pressões e o aquecimento através do El Niño revezam-se com o arrefecimento que acompanha La Niña, chamando-se ao conjunto, a circulação de Walker.

  

O segundo ciclo prende-se com o Hale sunspot cycle, isto é, com as variações registadas nas manchas solares, que se associam a fortes campos magnéticos e cujos ciclos são irregulares, com uma muito difícil possibilidade de previsão e de relacionamento com a temperatura da Terra. Embora se saiba que o campo magnético da Terra desvia parte substancial da radiação vinda do Sol.

  

Podem-se ainda considerar os efeitos de um ciclo milenar resultante da conjunção entre o Sol, Júpiter e Saturno e da influência específica que, além do Sol, enormes massas planetárias - como as daqueles dois planetas - se exercem sobre os mais pequenos, como a Terra.

  

Sabe-se ainda que a Terra tem um leve movimento oscilatório face ao Sol, parcialmente compensado pela atração da Lua e que essa oscilação provoca alterações na temperatura, num ciclo calculado em 41000 anos.

  

As erupções vulcânicas (ver mais adiante) libertam CO2 para a atmosfera mas aquele tende a ser absorvido pelas rochas e reenviado para a crosta terrestre; e, num lapso de tempo de milhões de anos, é fundido no magma do interior da terra de onde retorna à atmosfera através de erupções vulcânicas. E, neste caso, é evidente a negativa interferência humana, com a acelerada desflorestação e a emissão de CO2 através, nomeadamente, das atividades industriais e dos transportes, para além do irracional uso do automóvel.

  

Os que apontam para a preponderância de causas não humanas podem constituir três tipos de razões para o efeito:

  

Ø  Cálculos científicos incontestáveis sendo alguns, efetivamente atendíveis, como atrás se referiu;

Ø  Como instrumentos de países em processo acelerado de desenvolvimento capitalista, ansiosos de recuperar o seu atraso histórico nesse processo, mormente a China e a Índia (ver adiante os consumos de energia), encobrindo as suas responsabilidades por detrás de causas não humanas;

Ø  E um terceiro caso, composto pela articulação entre as grandes multinacionais da energia que, associadas às classes políticas dos seus países, procuram ocultar as suas responsabilidades atrás de inelutáveis alterações emanadas do próprio planeta e do seu enquadramento no sistema solar. Esta situação é, portanto, em tudo semelhante á enunciada no ponto anterior.

  

a)     Casos de inelutável ausência de interferência humana

  

·        Em 939/40 o vulcão islandês Eldgja teve a maior erupção conhecida nos dois últimos milénios e provocou no hemisfério norte um verão particularmente frio; e foi aproveitada na Islândia, para o enterro dos "ineficazes" deuses pagãos favorecendo a adopção do cristianismo[3]. As suas emissões do venenoso dióxido de enxofre foram equivalentes a 33/78 milhões de toneladas e calcula-se que tenha provocado no hemisfério norte um arrefecimento de 0.7/1.5o, constituindo, então, o segundo verão mais frio em 1500 anos. 

  

Relatos da época, alemães, irlandeses, árabes e chineses, referem invernos muito frios com rios e lagos gelados, na época que se seguiu à erupção do Eldgja; o Nilo apresentou um anormal baixo caudal, como resposta ao efeito aerossol; houve quebras na produção agrícola derivadas do frio, com fugas de soldados e camponeses esfomeados registadas na Sicília, na Itália, o mesmo acontecendo no atual Benelux, na Alemanha e em partes de França e Suíça, como ainda em Bagdad e no Magreb. Na China, a muito maus anos agrícolas sucederam-se inundações motivadas pelo degelo qie se seguiu a extraordinárias quedas de neve, a montante. A seca na primavera/verão nos anos seguintes foi particularmente grave no Atlas, no norte do Alpes e na China oriental, onde é conhecido terem havido muitos milhares de mortos (este tema está tecnicamente desenvolvido aqui).

  

·        Mais grave do que a do Eldgja foi a erupção do Toba, em Samatra, há uns 70000 anos - a mais violenta num intervalo de dois milhões de anos - que provocou sucessivos e frios invernos (quedas de 10o na temperatura) e a quase extinção da espécie humana.

  

·        A chamada Pequena Idade do Gelo terá durado entre os séculos XIII e XVII embora ainda houvesse picos de frio em 1650, 1770 e 1850, ao que parece como resultado de uma quebra das tempestades solares. Nesse período, o Tamisa congelou em 1607 (a primeira vez) e 1814 (a última); em 1780 o gelo permitiu a passagem a pé entre as ilhas de Manhattan e Staten, em Nova York; e a Islândia esteve rodeada de gelo em 1695. No século XV, deixa de haver escandinavos na Groenlândia sendo uma das causas a migração dos inuit para sul, acossados pelo arrefecimento. Em todo esse período dificilmente se poderá encontrar, com algum significado, causas humanas. Em 1783/4, outro vulcão islandês - o Laki - provocou um arrefecimento de 1-2 o.

  

·        Em 1883 a brutal erupção do Krakatoa provocou abaixamento da temperatura (cerca de 1o) durante anos, na sequência das poeiras e cinzas  que rodearam o planeta; e, no momento imediato, gerou 36000 mortos, com o ruído da explosão a ser ouvido a 5000 km de distância. Passado algum tempo (muito pouco em termos geológicos), os seus efeitos dissiparam-se e hoje, passado mais de um século, resta a memória.

  

·        Em 2014 o vulcão Bandarbunga, na Islândia, iniciou um período de seis meses de atividade e emitiu mais gases poluentes - dióxido de enxofre - do que toda a Europa durante três anos. Já em 2010 o Eyjafjallajökull havia provocado o fecho do espaço aéreo de vinte países europeus durante uma semana, devido à emissão de cinzas; e por isso teve mais atenção mediática, uma vez que afetou a marcha dos negócios... em plena crise dos mercados financeiros. 

  

·      Nos exemplos até aqui referidos há sempre uma demonstrável causa para os efeitos que se conhecem; quando não há elementos tão conspícuos, as coisas são bem mais complicadas. Atualmente. os cálculos apontam para ciclos de 140 anos de grande atividade vulcânica na Islândia, com a emanação e gases tóxicos que, certamente têm impacto na temperatura do planeta.

  

·      Cumprindo-se ou não a regularidade dos ciclos de 140 anos na atividade vulcânica, a verdade é que os vulcões tem sido os grandes agentes ativos na configuração do clima, provocando aquecimento com a emanação de CO2 e outros gases com efeito de estufa; ou, causando arrefecimento com o envio para a atmosfera de cinzas e gotas de aerossóis que refletem os raios solares, impedindo-os de atingir a superfície do planeta.

  

Estes factos mostram um plano de causas-efeitos que até agora vêm conduzindo a um retorno aproximado à situação já anteriormente conhecida; aliás, nunca houve uma variação homogénea da temperatura para o planeta. Qualquer medida sintética das alterações no clima baseia-se em dados dispersos no espaço geográfico e no tempo, com a introdução de médias e desvios em modelos estatísticos de previsão. Ora, qualquer síntese desses dados localizados, cruzados e ponderados entre si, com margens elevadas de aleatoriedade cada um deles, desemboca numa outra variável que, sendo global, reproduzirá um intervalo maior, onde situará o parâmetro escolhido como indicador dessa síntese. Essa falibilidade conduziu, por exemplo, a que se não tenham cumprido as predições catastróficas de especialistas como Lovelock, anos atrás.

Ler o original e na íntegra

http://grazia-tanta.blogspot.com/2019/01/o-delirio-capitalista-e-deriva.html

 


Fotos popular