Pravda.ru

Mundo

Mulher e Gay pode governar um país?

03.02.2009
 
Mulher e Gay pode governar um país?

Por: Valdeck Almeida de Jesus

Num mundo machista, sexista, preconceituoso e discriminatório como o nosso, infelizmente, uma mulher lésbica jamais poderia ocupar um cargo tão importante. Mas as coisas mudam, o tempo passa e os muros caem.

Johanna Sigurdardottir, lésbica, 66 anos de idade, chefia a Islândia, desde 26 de janeiro de 2009, depois de ser ministra da ação social desde 1987. Não é por ser mulher e por ser gay que uma pessoa tem mais ou tem menos capacidade de dirigir uma nação. Espera-se que ela cumpra o que determina as leis daquele país, e que realize um governo de coalizão, de prosperidade e que trabalhe pelo social. Não é por ser um país de primeiro mundo, europeu, que as coisas seriam diferentes. O preconceito também há, talvez em menor escala, mas existe.

Discriminação contra a mulher, contra as minorias também há na Europa. Com a Sigurdardottir talvez não seja diferente, mesmo ela sendo assumida e casada com a jornalista e roteirista Jonina Leosdottir desde 2002. A responsabilidade é bem maior quando se trata de um gay, a cobrança é grande, mas o apoio da população pode ajudar a esta mulher guerreira e corajosa. Ela teve um casamento heterossexual, do qual tem dois filhos. Ela é mãe, mais um atributo, mais uma qualidade da mulher. Agora é esperar e torcer para que tudo dê certo.

Outros homossexuais já ocupam cargos importantes em outros países como Bertrand Delanoë, prefeito de Paris e Klaus Wowereit, de Berlim. Johanna Sigurdardottir é a primeira a ser chefe de estado. O mundo deve abraçá-la, apoiá-la, a fim de demonstrar que realmente todos estão em luta para acabar com o preconceito. Afinal, somos todos iguais, sejam gays, sejam heterossexuais, negros, índios, brancos ou albinos. Os Direitos Humanos devem ser respeitados.

Fonte:

http://www.galinhapulando.com/visualizar.php?idt=1419637

http://www.portalvilas.com.br/?pg=noticia&id=4591


Loading. Please wait...

Fotos popular