Pravda.ru

Mundo

Não culpem a Al Qaeda, culpem Musharraf

03.01.2008
 
Pages: 12
Não culpem a Al Qaeda, culpem Musharraf

por Robert Fisk

Que estranho, não é verdade? A forma como rapidamente nos apresentam o conto de Benazir Bhutto: a valorosa líder do Partido Popular do Paquistão (PPP) assassinada em Rawalpindi, lugar próximo à capital, Islamabad, onde vive o ex-general Pervez Musharraf. E George W. Bush nos diz que seus assassinos eram "extremistas" e "terroristas". Bem, isso não se pode contestar.


Mas a insinuação do comentário de Bush era que islamitas estavam por trás do assassinato. Teriam sido novamente os loucos talibans, essa aranha da Al Qaeda que atacou esta mulher só e valente que se atreveu a pedir a democracia para o seu país.


Naturalmente, dada a cobertura infantil desta tragédia atroz, e independentemente de quão corrupta possa ter sido a senhora Bhutto, não tenhamos ilusões de que essa valente dama é com certeza uma verdadeira mártir. Não é surpresa que o velho cavalinho de batalha do "bem contra o mal" seja utilizado novamente para explicar a carnificina em Rawalpindi.


A julgar pelo que informaram quinta-feira a BBC e a CNN, quem teria imaginado que os dois irmãos da ex-primeira-ministra, Murtaza e Shahawaz, sequestraram um avião comercial paquistanês em 1981 e levaram-no até Cabul, onde Murtaza exigiu a libertação de prisioneiros políticos do Paquistão. No episódio, um oficial militar a bordo da nave foi assassinado. Havia estado-unidenses entre os passageiros, o que provavelmente explica porque todos os prisioneiros foram libertados.

Há apenas uns poucos dias, num dos mais notáveis pronunciamentos do ano (e que, como é típico, foi ignorado), Tariq Ali dissecou de forma brilhante a corrupção no Paquistão (incluindo o governo de Bhutto) na revista London Revies of Books. Deu ênfase a Benazir e chamou-a no título "A filha do Ocidente". De facto, o artigo estava no meu gabinete, pronto para ser fotocopiado, quando a sua protagonista era assassinada em Rawalpindi.


No fim desta análise, Tariq Ali pormenorizou amplamente o assassnato de Murtaza Bhutto às mãos da polícia, próximo à sua residência, quando Benazir era primeira-ministra e estava furiosa com Murtaza porque este exigia o regresso aos valores tradicionais do PPP e criticava-a por haver nomeado o seu próprio marido como ministro da Indústria, um posto altamente lucrativo.


Numa passagem da análise, que continua válida mesmo depois do assassinato e suas consequências, afirma-se: "A bala fatal foi disparada a curta distância. A armadilha foi estendida, como é costume no Paquistão, com uma grosseira, relatórios falsos na repartições policiais, evidências perdidas, testemunhas que foram detidas e intimidadas, um polícia assassinado por se temer que falasse. Tudo isto evidencia o facto de que executar o irmão da primeira-ministra foi uma decisão tomada a muito alto nível".


Quando Fátima, a filha de 14 anos de Murtaza, telefonou à sua tia para perguntar-lhe porque estavam a deter as testemunhas e não os assassinos do seu pai, ela afirma que Benazir lhe explicou: "Olhe, é demasiado jovem. Não entendes as coisas", ou pelo menos isso nos diz Tariq Ali na sua exposição.


Sobre tudo isto, entretanto, paira o assombroso poder dos serviços secretos do Paquistão (ISI). Esta vasta, corrupta e brutal instituição trabalha para Musharraf.

Mas também trabalhou e ainda trabalha para os talibans. Também trabalha para os Estados Unidos. De facto, trabalha para todo o mundo. Mas é a chave que Musharraf pode utilizar para abrir conversações com os inimigos de Washington quando ele se sente ameaçado ou quer pressionar o Afeganistão, ou então aplacar os "extremistas" e "terroristas" que tanto preocupam o presidente Bush.
Recordemos a propósito que Daniel Pearl, o repórter do Wall Street Journal decapitado pelos seus sequestradores islamitas em Carachi, combinou o seu encontro fatal com os seus futuros assassinos no gabinete do comandante dos ISI.


O livro "Taliban", de Ahmed Rashid, contem provas fascinantes da rede de corrupção e violência dos ISI. Leiam-no, e verão que tudo o que disse faz muito mais sentido.


Mas voltando à narrativa oficial, George W. Bush anunciou na quinta-feira anterior que "esperava" falar com o seu velho amigo Musharraf. Naturalmente, falarão de Benazir. Seguramente não conversarão sobre o facto de que Musharraf continua a proteger o seu velho conhecido, um certo senhor Khan, o qual proporcionou segredos nucleares paquistaneses à Líbia e ao Irão. Não, mas é melhor não levantarmos esse pequeno assunto do "eixo do mal".


Naturalmente, pediram-nos mais uma vez para nos concentrarmos nesses "extremistas" e "terroristas", e que nos afastemos da lógica de questionar aquilo que muitos paquistaneses sentiram após os assassinato de Benazir.


Não é preciso ser um perito para compreender que as odiadas eleições legislativas que assombravam Musharraf seriam adiadas indefinidamente se o seu principal opositor político fosse liquidado antes do dia das eleições.


Analisemos esta lógica tal como o faria o inspector Ian Blair, no seu caderno, antes de se converter no mais importante polícia de Londres.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular