Pravda.ru

Mundo

No Equador há uma ruptura constitucional, afirma Rafael Correa

02.12.2017
 
No Equador há uma ruptura constitucional, afirma Rafael Correa. 27774.jpeg

No Equador há uma ruptura constitucional, afirma Rafael Correa

Quito, (Prensa Latina) O ex-presidente do Equador Rafael Correa afirmou hoje que neste país sul-americano está em andamento uma ruptura constitucional, ao querer convocar diretamente uma Consulta Popular.

Segundo explicou em coletiva de imprensa, a Corte Constitucional ainda está a tempo de tomar sua decisão sobre o conteúdo da Consulta promovida pelo chefe de estado, Lenin Moreno; no entanto, o executivo decidiu enviar decretos ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para convocar o referendo, com o argumento de que o prazo passou.

Depois de garantir que o período ainda continua vigente, pois se apresentaram recursos de Amicus Curiae, que concedem novos termos, Correa alertou sobre a existência de um complô.

'O presidente pode convocar, a mentira é que não se cumpriu o prazo. Ninguém está discutindo a atribuição que o presidente tem para chamar a Consulta Popular. Eu o fiz quatro vezes', agregou.

Lembrou que a Corte citou, para 5 de dezembro, juízes a uma sessão para analisarem a reforma constitucional compreendida no texto e criticou sua postura, ao não emitir nenhum pronunciamiento depois da decisão de Moreno.

Nesse sentido, considerou que o presidente da instituição, Alfredo Ruiz, é cúmplice da situação.

Ao mesmo tempo, disse que farão uso de todos os recursos legais possíveis para enfrentar o que denominou, além de ruptura da ordem constitucional, um verdadeiro 'golpe de estado'.

Como em outras ocasiões desde sua chegada ao país em 25 de novembro, o ex-chefe de estado descreveu como ilegais e inconstitucionais as perguntas 2 e 3 da Consulta, vinculadas à eliminação da reeleição indefinida e ao encerramento de funções dos atuais membros do Conselho de Participação Cidadã.

'Levaram-nos a 20 anos atrás. Entendamos o que está passando: está sendo rasgada a Constituição da república', afirmou e considerou que a briga atual não é contra a razão, mas contra a força.

Pesar de ter considerado que os tempos são difíceis, manifestou confiança 'no pouco que resta do estado de direito e nas instituições judiciais do país, para parar essa barbaridade'.

'A situação é extremamente grave', reiterou.

O principal objetivo do retorno de Correa é participar da VII Convenção do oficialista Movimento Aliança PAIS, em sua condição de presidente vitalício da organização, mas durante estes dias tem se reunido com filiados do partido, seguidores e defensores da Revolução Cidadã, impulsionada por ele por mais de 10 anos, bem como com a imprensa.

in

 


Loading. Please wait...

Fotos popular