Pravda.ru

Mundo

Um perigoso circo ali, ao lado, no Médio Oriente

02.07.2019
 
Um perigoso circo ali, ao lado, no Médio Oriente. 31278.jpeg

Um perigoso circo ali, ao lado, no Médio Oriente

O perigo maior é que os estados decadentes, tendem a não aceitar essa decadência e provocam desastres, não optando preferencialmente pelo hara-kiri.

Apresentação dos palhaços

Há mais de 2000 anos formou-se o primeiro triunvirato em Roma, com Júlio César, Pompeu (o Grande) e um tal Crasso que tinha como fixação conquistar o império parto acabando por morrer nessa guerra. Roma nunca conseguiu essa conquista, sendo o culto imperador Adriano a estabelecer a paz, muito mais tarde, depois de ter feito uma análise custo-benefício dessa contínua guerra. 

No decadente império americano de hoje também domina um triunvirato[1], de pechisbeque, com um outro Pompeu (grande e gordo), um Bolton que cumpre bem o papel de Crasso, pela insensatez que o fez estar na prateleira muitos anos e, deixando o pior para o fim, Trump está a anos-luz de ser um Júlio César. O perigo é que os estados decadentes, tendem a não aceitar essa decadência e provocam desastres, não optando preferencialmente pelo hara-kiri.

Um debicar errante, caótico

Nos altos e baixos da já crónica crise política no Golfo Pérsico, há vários campos em confronto, com menos ou mais moderação política, com vários níveis de integração e de contributos para essa crise. O Médio Oriente está agora na montra, depois das sanções à China e de uma tentativa de venda em saldo de um tal Guaidó, numa ação em que a uma ameaça qualquer se seguirá uma qualquer ameaça. Um percevejo, saltita sedento de sangue.

Os EUA constituem, apesar da sua distância geográfica e cultural face aos povos do Médio Oriente, a única presença[2]massiva, a peça mais relevante no xadrez político e, sobretudo militar, global, numa atuação frenética iniciada em 1990. 

Isso resulta em termos históricos da tara salvítica dos EUA quando se entenderam livres e acima das barafundas europeias do seculo XVIII que, no entanto, não compreendia qualquer respeito pelos nativos americanos, chacinados ou, pelos negros, escravizados. Daí resulta parcialmente o facto de os EUA de hoje continuarem a assumir um alegado direito de intervir nos problemas que existem ou vão surgindo na região do Golfo, como no Mar da China, preparando-se mesmo para colocar uma base militar num santuário da vida selvagem chamado Ilhas Galápagos, para prevenir que as iguanas possam prejudicar os interesses dos EUA e do "mundo livre"

Na sequência da II Guerra Mundial beneficiaram, numa fase inicial, do fim dos impérios coloniais europeus, do recuo estratégico das principais potências europeias, da implantação do modelo neoliberal, do desmembramento do Bloco de Leste, das tecnologias que desenvolveram a globalização dos mercados, mormente financeiros, bem como da tradicional subalternidade do "quintal" latino-americano, que hoje se vem reconstituindo. Como revezes, refira-se a derrota no Vietnam, como no resto da Indochina, a humilhação iraniana em 1979, o surgimento em força da China, como potência desafiante, a maior autonomia dos países asiáticos, o caos provocado pelas intervenções militares no Médio Oriente ou no Mediterrâneo, para além do retorno da Rússia, como potência também desafiante, para mais numa estreita relação estratégica com a China; e que para azar do messianismo dos EUA, veio coincidir com o descalabro do sistema financeiro, em 2008, baseado em pirâmides de Ponzi. 

Como símbolos adequados dessa decadência podem considerar-se G W Bush ou Trump - cujas riquezas materiais contrastam com a impreparação intelectual, como se tem visto recentemente, na sucessão de ameaças e sorrisos de Trump, face à Coreia do Norte, à China, à UE, à Venezuela, ao México... às iguanas, como se disse atrás... Essa procura de retoma de hegemonia, é frequentemente desastrada, cada vez mais difícil e, crescentemente contestada, baseando-se em certos vetores:

  • O controlo político da produção e distribuição de hidrocarbonetos no Médio Oriente e na Venezuela, cujas transações, maioritariamente em dólares, constituem uma forma de manutenção de uma elevada dívida externa por parte dos EUA e dar viabilidade à exportação de petróleo de xistomade in USA;
  • O Médio Oriente, mormente as monarquias árabes são, com os países da NATO, os grandes compradores da produção da indústria de armamento dos EUA; uma "boa" guerra ou uma mera ameaça de guerra, incentiva os sultões a encomendar armas[3];
  • A tentativa de afetar ou condicionar o abastecimento de hidrocarbonetos à China, à Índia e todo o Extremo Oriente ou, boicotar a importação de petróleo venezuelano, congelando capitais desse país ou boicotando o seu abastecimento de bens essenciais à sua população;
  • A impotência face à integração energética euroasiática, bem como face ao canal de integração comercial com o mesmo âmbito geográfico (e incluindo a África), conhecido como Rota da Seda. A queda dos regimes latino-americanos de "esquerda" surge como uma forma dos EUA compensarem dificuldades em outras geografias e, restabelecerem a sua ordem no "quintal".

Golfo Pérsico - muitos agressores para um alvo

Voltando ao Médio Oriente, os EUA ostentam as suas dificuldades de afirmação estratégica, depois dos desaires do Afeganistão, do Iraque, da Síria, do impasse iemenita e de assistirem à Turquia - o segundo mais populoso membro da NATO - comprar armas à rival Rússia. Neste contexto e, açulados pela sua fortaleza sionista, em estado de pânico, os EUA intentam atacar o país mais populoso da região, o Irão - uma das três mais antigas e consolidadas entidades políticas do planeta, em conjunto com o Egipto e a China.

Ler na íntegra e o original:

https://grazia-tanta.blogspot.com/2019/06/um-perigoso-circo-ali-ao-lado-no-medio.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular