Pravda.ru

Mundo

Estamos todos com MV Rachel Corrie

02.06.2010
 
Estamos todos com MV Rachel Corrie

Israel vai cometer outro massacre? Haverá um ato de pirataria no alto mar? Tel Aviv vai torpedear o navio MV Rachel Corrie, um navio irlandês que viaja para Gaza, sob a égide do Direito Internacional das Nações Unidas (Resolução 1860)?

Para que os que governam Israel saibam, as resoluções da ONU são juridicamente vinculativas nos termos do direito internacional e porque Israel, como Estado signatário da ONU, se recusa a cumpri-las e além disso, massacra aqueles que tentam respeitá-las, o quê fazer? O resultado lógico deve ser a expulsão de Israel da Organização das Nações Unidas, porque para ser um membro da comunidade internacional, você tem que agir como tal.


Visto que o primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu (não conhecido por ser o mais brilhante em termos intelectuais) parece não compreender os termos da Resolução 1860 da ONU, vamos soletrar aqui alto e de viva voz: aqui está.

Foi aprovada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas em 2009 e possui 9 (nove) cláusulas.


Cláusula 2 (dois) afirma claramente: "O Conselho de Segurança apela à livre prestação e distribuição em toda Gaza e distribuição de assistência humanitária, incluindo alimentação, combustível e assistência médica"


Cláusula 4 (quatro) afirma: "O Conselho de Segurança exorta os Estados membros a apoiarem os esforços internacionais para aliviar a situação humanitária e económica na Faixa de Gaza, inclusive através de uma necessidade urgente de contribuições adicionais para UNWRA e através do Ad Hoc Liaison Committee".


Estamos todos vigiando Israel, todos nós estamos observando o MV Rachel Corrie, um navio construído na Alemanha em 1967 e pertence ao braço irlandês do Free Gaza Movement. O MV Rachel Corrie está levando equipamentos médicos, cadeiras de rodas, material escolar e cimento para Gaza.
Michael Martin, o ministro dos Negócios Estrangeiros irlandês, disse ao Parlamento do seu país que "Nós vamos prestar muita atenção a esta situação - como, aliás, o resto do mundo - e é imperativo que Israel evite qualquer ação que leva a mais derramamento de sangue".


A questão é se alguém se surpreenderia se Israel torpedeasse o navio, e depois alegasse "Eles não deveriam ter estado lá" (desculpa dada depois de metralhar um cortejo fúnebre no Líbano)? Será que ninguém se surpreenderia se Israel disparasse contra a proa do navio em águas internacionais (Acto de Guerra)? Será que ninguém se surpreenderia se comandos israelenses embarcassem no navio em águas internacionais (ato de pirataria)?


Vamos fazer o dever colectivo da comunidade internacional para continuar as missões de ajuda humanitária - pacificamente - em Gaza ou em qualquer outro lugar do mundo onde o Conselho de Segurança das Nações Unidas nos dá o direito de entregá-la, ao abrigo do direito internacional e enquanto Israel continua a desprezar isso, vamos boicotar produtos israelenses (número do código de barras, os três primeiros números da esquerda 729) e pedir a retirada de Israel da comunidade internacional.


a reivindicação de Israel de que suas ações eram justificadas, a bordo do Freedom Flotilha porque as suas tropas foram atacadas primeiro, são tão risíveis como estúpidas: se o seu navio é abordado por piratas, você luta.


Assim como aviões israelenses e torpedos afundaram o navio de investigação USS Liberty, em 1967, matando 34 soldados americanos e ferindo outras 171, parece que a história se repete.


A comunidade internacional entende a história de Israel e a história do seu povo, compreende as suas preocupações e medos em relação ao terrorismo. O que não compreende ou aceita é a violação flagrante do direito internacional, massacres, seqüestros, furtos, roubos de terras além das fronteiras de 1948… e seus actos de crueldade.


Israel tem que entender que para ser um membro respeitado da comunidade internacional, você tem que se comportar como tal, e não como um estado terrorista e um pária.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular