Pravda.ru

Mundo

47 anos de batalhas pela Paz da Colômbia desde a Resistência armada.

01.06.2011
 

Colombianas e colombianos, irmãs e irmãos de Latinoamérica:

 

47 anos de batalhas pela Paz da Colômbia desde a Resistência armada.. 15091.jpegNo presente mês de maio completamos 47 anos de barbárie imposta a nossa pátria, 47 anos de morte, perseguição implacável, encarceramentos injustos, negação dos direitos fundamentais dos colombianos, de despojo das terrinhas e moradias dos camponeses, de deslocamentos violentos, de enriquecimentos ilícitos e de empobrecimento tão violento como a pobreza mesma, causados pelos diversos governos que têm exercido o poder só para uma opulenta minoria.

 

47 anos de violência partindo desde o dia em que o bipartidismo liberal-conservador personificado no excludente, corrupto e infame pacto de alternância presidencial da Frente Nacional, no governo de Guillermo León Valencia, tomou a decisão de enveredar o curso histórico da pátria pelos tenebrosos caminhos da barbárie, lançando a mais grande ofensiva militar que até o momento se conhecesse em Latinoamérica, com mais de 16.000 efetivos da força armada governamental e orientada pela Casa Branca, em sua estratégia de controle geopolítico do Continente e conter os ventos de dignidade e independência que sopravam desde a revolução cubana, articulado no Plano LASO (Latin American Security Operation) para aniquilar os camponeses de Marquetalia. É que a violência e o fato de permanecer de joelhos ante o amo ianque, tem sido por excelência a conduta política da oligarquia governante na Colombia

 

Há verdades que incomodam as classes que detêm o poder e seus porta-vozes, como aquela de que "a violência é a característica principal de sua conduta política". E por isso, utilizando seus grandes meios de comunicação desde sempre têm feito de suas armadilhas e mentiras "verdades oficiais", tais como aquela da justificativa para agredir militarmente os camponeses da região agrária de Marquetalia, consistente em que ai existia "uma república independente". Nessa ocasião, a quadrilha da sem-razão no Congresso da República, encabeçada pelo senador ultra-conservador, Álvaro Gómez Hurtado, argumentou o terror que tomaria conta do país se não fosse eliminado com sangue e fogo o foco rebelde formado pelos camponeses marquetalianos. Foi inútil o clamor nacional e até internacional pela solução pacífica através do diálogo. Por isso, essa agressão militar da oligarquia é a responsável pelo surgimento da luta guerrilheira encarnada nas FARC-EP, e que cresce mais e mais, acompanhada pelo amor, as esperanças, iniciativas e, também, as críticas. dos colombianos.

 

Desde Marquetalia até hoje, nas FARC-EP jamais temos renunciado à solução política do conflito social e armado, conflito que a oligarquia colombiana incrementa em cada período governamental, porque a busca da Paz com Justiça Social é parte da nossa gêneses e razão da nossa luta, ademais, temos a certeza de que é com a participação do povo com suas ações e iniciativas como a construiremos. É com ele na luta pela Reforma Agrária, por efetivas políticas de saúde nas quais estejam primeiro o homem e a mulher, e não as contas bancárias dos empórios econômicos da corrupção, uma luta por estratégias sociais que priorizem moradias dignas em campos e cidades, por educação para todos, democracia plena para a convivência nacional e o exercício pleno da política de defesa. Só a mobilização de todos os setores da sociedade colombiana conquistará a solução política do conflito, que pode se iniciar com o Acordo Humanitário que libere todos os presos políticos que estão nos cárceres do regime e os prisioneiros de guerra em poder da Insurgência.

 

Antes do governo ordenar o ataque contra Marquetalia, os camponeses fizeram ouvir sua voz por saídas de paz e de melhor-estar, mas, a ambição bipartidista da Frente Nacional desatou a guerra que desde então ensangüenta o país. Todas as forças foram lançadas contra a resistência dirigida pelos legendários Comandantes Manuel Marulanda Vélez, Jacobo Arenas, Isaías Pardo, Hernando González Acosta, Joselo Lozada, Ciro Trujillo, Miguel Pascuas, Fernando Bustos, Jaime Guaracas, Miriam Narváez e os 46 combatentes da fecunda gesta Marquetaliana e da insurgência que hoje representamos as FARC-EP.

 

E prometeram que em poucas semanas se daria seu aniquilamento físico e com ele o fim da resistência. Desde então, as ameaças e o "foi tombado em combate", "fugiu gravemente ferido", ou "lhe estamos respirando no seu pescoço", "em cinco meses dos derrotaremos", ou "necessito outros quatro anos para derrotá-los", ou "este é o fim do fim" tem sido o argumento para justificar o exponencial gasto militar, que tem disparado a força pública armadas a mais de 500 mil efetivos e que consumirá a quinta parte do orçamento nacional do próximo ano. E que, ademais, recebeu quase todos os dez mil milhões de dólares da ajuda norteamericana do fracassado Plano Colombia, ratificando a falácia da tese governamental do "pós-conflito" e aprofundando as desigualdades que hoje deixam mais de 30 milhões de pobres.

 

No quase meio século de confrontação armada, temos posto todas nossas energias na busca da solução política do conflito, mas os setores do poder, que enriquecem mais e mais, ao amparo dos privilégios da guerra, têm disparado seus arsenais para que essa solução no seja possível. Os Acordos de La Uribe, assinados há 27 anos e que foram esperança de paz e de prosperidade para a nação, foram afogados em sangue com o assassinato de mais de cinco mil integrantes da UP (Movimento político União Patriótica), o maior genocídio contra um partido de oposição na América Latina. Em Caracas e Tlaxcala foi colocado todo o nosso entusiasmo pela retomada dos caminhos da solução política, mas o guerrerismo da classe dirigente, ostentado na guerra integral do governo neoliberal de César Gaviria, lhe apostou ao jogo da derrota militar da guerrilha, e, no econômico, à chamada abertura, que levou à falência centenas de meias e pequenas empresas, elevando assim os níveis de pobreza.

 

Aos Diálogos do Caguán chegamos carregando nas mochilas as esperanças de reconciliação do povo, mas a estratégia da classe dirigente, orientada desde Washington, não era de paz, mas para ganhar tempo e assim rever as estruturas de sua força armada, golpeada duramente pelo acionar das FARC-EP e, desenvolver os planes de guerra através do Plano Colombia e pôr o território a disposição das forças de ocupação ianques e, cabeça de praia para a agressão contra os povos irmãos de América Latina que constroem soberania e democracia.

 

A violência nunca tem sido nossa razão de ser, a violência nos foi imposta pela oligarquia e é a característica principal de um regime decadente que se beneficia dela, assassina opositores para monopolizar o poder político e aumentar as contas bancárias dos corruptos ou para alcançar reconhecimento dentro da estratificação da morte que estabeleceu o ministério da defesa para recompensar os crimes de Estado e que para ocultar sua responsabilidade denominou esses crimes como "falsos positivos". Essa violência oficial tem enxotado mais de 5 milhões de compatriotas de suas terras e desaparecido mais de 19 mil colombianos, somente nos 8 anos do governo de Uribe Vélez, com o fim de enriquecer mais ainda, industriais, agro-industriais, grandes pecuaristas, narco-latifundiários e militares.

 

Nossa razão de ser é a paz da moradia digna, o desenvolvimento humano equilibrado, a educação gratuita para todos, a saúde preventiva para toda a população, a Reforma Agrária Integral que beneficie as comunidades camponesas, indígenas e afro-descendentes; a paz do salário justo e o emprego garantido, a proteção integral do meio ambiente, as garantias políticas para o debate e a participação nos órgãos do poder político, a garante do exercício pleno dos direitos humanos integrais; a paz do respeito e garantias às comunidades LGTV, o reconhecimento pleno dos direitos de gênero, o reconhecimento do aborto como parte substancial de uma sociedade que deve crescer em direitos e a paz do direito à protesta e a mobilização social. E à busca dessa paz temos dedicado todos nossos esforços, até a vida mesma, como tem sido referendado com generosidade centenas de combatentes guerrilheiros, entre os que destacamos, com compromisso indeclinável, os inesquecíveis Comandantes Guerrilheiros Manuel Marulanda Vélez, Jacobo Arenas, Efraín Gusmán, Raúl Reyes, Iván Ríos, Jorge Briceño, Mariana Páez e todos nossos heróis farianos.

 

Compatriotas, a paz é um direito que temos que fazer realidade na nossa pátria. A barbárie não pode seguir fazendo parte de nosso destino por mais 47 anos e, menos agora que com a mobilização podemos construir um futuro certo e civilizado, agora que o terror e o medo perdem terreno diantge a luta contra o modelo de Estado mafioso que implantou Uribe Vélez, modelo patrocinador da corrupção ocultada pela "segurança democrática", a parapolítica, a Yidis-política, os "falsos positivos" os encarceramentos massivos, a covas comuns, o roubo dos recursos destinados para os camponeses, mediante o programa "Agro-ingresso seguro" para enriquecimento dos aliados do regime, as zonas francas para benefício da família do ex-presidente, os seguimentos ilegais do DAS, a extradição de seus aliados narco-paramilitares para garantir sua impunidade, as mansões dentro das Bases Militares para oficiais condenados por crimes de guerra e de Estado.

 

Todo isso, já não atemoriza nosso povo que a cada dia se mobiliza mais e mais ao calor do clamor por Justiça Social que reclama a nação contra o continuidade do Uribismo que representa a "Unidade Nacional" do presidente Santos, seu neoliberalismo que ofereça garantias às multinacionais mineiro-energéticas, que aumentará a crise humanitária e do meio ambiente em cada câmbio de estação, de recorte e repressão das liberdades públicas, de aumento do conflito social e armado justificado em uma concepção de segurança nacional imposta desde Washington e que fundamenta todas as modalidades de crimes de Estado que se aplicam na Colombia, de impunidade da corrupção presente em todo o Estado.

 

Será a mobilização e a unidade de todos, de todas as organizações e expressões da luta como será possível alcançar a reconciliação e a reconstrução da nação. Os esforços de todas e todos os combatentes farianos estará a disposição dessa patriótica empresa. Derrotaremos a barbárie oligárquica com a solução civilizada do conflito, com o poder da mobilização popular. Convidamos a todas as colombianas e colombianos e suas organizações para que reunamos todas nossas esperanças de paz com justiça social que palpitam no coração da Pátria, realizando atividades culturais, exposições de arte, música, dança e poesia, com encontros esportivos, marchas ecológicas, encontros literários, grupos de estudo, foros, encontros, talheres, para que a tocha da paz se ascenda desde já e ilumine a esperança de paz do povo colombiano. Também saudamos nossas irmãs e irmãos de Latinoamérica que têm acompanhado o povo colombiano nessa empreitada.

 

Convocamos todo o povo à ação e à mobilização para colocar a nação no caminho da solução política e dialogada, criando regras fiscais com o propósito de apoiar os mais desprotegidos, mas também, que estabeleçam impostos maiores para os que mais acumulam riquezas. Que a mobilização, também, seja por uma política educacional que redima e eleve os níveis de investigação científica e não as contas dos monopólios privada do ensino; por uma Lei das vítimas, para que a impunidade e os crimes de Estado no continuem sendo a norma; por uma profunda e verdadeira Reforma Agrária e não a pretendida política do presidente Santos de entregar terras improdutivas aos camponeses enquanto entrega as férteis para os empresários agroindustriais e latifundiários. Mobilizarmos pela proteção dos recursos naturais da exploração das multinacionais que acaba com a mineração artesanal e as pequenas empresas mineradoras e destroem o meio ambiente; pela derrota da continuidade da chamada "segurança democrática", hoje camada de "unidade nacional" e, que persiste na militarização da nação e na criminalização da protesta social, suas organizações e dirigentes. Lutemos por uma reforma profundo do infame regime de pensões e das lesivas normas trabalhistas que exploram o trabalhador e favorecendo o patrão.

 

Em nosso 47 aniversário de batalhas pela paz da Colombia desde a resistência armada, nos ratificamos no empenho pela reconstrução e reconciliação da Colombia bolivariana, a Pátria Grande e o Socialismo, iluminados pelo pensamento unitário do Libertador Simón Bolívar. Porque a unidade e a paz são possíveis.

 

Compatriotas.

 

Estado Maior Central das FARC-EP.

Maio 27 de 2011


Loading. Please wait...

Fotos popular