Pravda.ru

Mundo

Ato de guerra israelense contra país da OTAN: A Aliança serve para quê?

01.06.2010
 
Ato de guerra israelense contra país da OTAN: A Aliança serve para quê?

A Carta da OTAN é absolutamente clara sobre as obrigações dos seus Estados-membros no caso de um ataque contra os navios de uma das partes signatárias. Uma vez que a OTAN está sempre pronta para fazer declarações agressivas contra a Rússia ou Irão, e a sua Carta prevê uma acção conjunta na eventualidade de um ataque, vamos ver o que vai fazer após o ato israelita de pirataria no alto mar, o resultante massacre, rapto e ilegal detenção de civis e apreensão de bens.

Para Israel, o que aconteceu na segunda-feira foi “justificado”, nas palavras do primeiro-ministro Netanyahu, que fugiu de mais uma reunião constrangedora na Casa Branca, pois “era resultado de provocação internacional”. Tanta arrogância é típica do Estado de Israel actualmente.


Se um grupo de piratas entre a bordo do seu navio em águas internacionais, você atacá-los. Ponto final. Se um grupo armado pertencente às forças armadas de um Estado entram ilegalmente num navio em águas internacionais, depois comete um massacre, em seguida, apodera-se dos navios e sequestra os ocupantes, não é só um crime sob a lei internacional, mas também um ato de guerra.


Aqui, a Carta da OTAN é cristalina:
Artigo 5 estipula:


“As Partes concordam que um ataque armado contra uma ou mais partes na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todas e, consequentemente, concordam que, se tal ataque armado se verificar, cada uma delas, no exercício do direito individual ou coletivo de auto-defesa reconhecido pelo artigo 51 da Carta das Nações Unidas, prestará assistência à Parte ou Partes assim atacadas, praticando sem demora, individualmente e em conjunto com as outras partes, as medidas que considere necessárias, incluindo o uso de força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

“Qualquer ataque armado desta natureza e todas as medidas tomadas em conseqüência, devem ser imediatamente comunicados ao Conselho de Segurança. Essas medidas devem ser encerradas quando o Conselho de Segurança tenha tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais ".


O Conselho de Segurança previsivelmente declarou que "lamenta profundamente" a perda de vidas e ferimentos resultantes da operação de Israel e pediu um inquérito "rápido, imparcial, transparente e credível". No entanto, Israel foi ainda mais longe. Não só tomou posse dos navios apreendidos ilegalmente em águas internacionais (pirataria) depois de cometer (mais um) massacre mas também raptou os membros da delegação da ajuda internacional, no exercício de fornecimento de ajuda humanitária ao povo faminto de Gaza.


Artigo 6 (1) descreve aquilo que constitui um "ataque armado", isto é, entre outras ações, “um ataque contra as forças, navios ou aeronaves de qualquer das partes” num teatro, que inclui o Mar Mediterrâneo.


Então, o quê é que a OTAN vai fazer a respeito de “Os Escolhidos”? A resposta é: absolutamente nada, além de fazer alguns ruídos. A razão é porque os Estados Unidos da América vai vetar toda e qualquer resolução do Conselho de Segurança que cria dificuldades para Israel agir como lhe agrada. Nesse caso, por quê, então, existe a OTAN e onde está a liberdade de seus membros para agir autonomamente?


Sejamos honestos. A OTAN é controlada pelos E.U.A.. A OTAN não foi eleita, no entanto, controla a política exterior dos seus Estados membros. Quanto tempo levará até que isso se torna parte de uma agenda política partidária, pois certamente, a adesão à OTAN entra em contradição com os termos das Constituições nacionais?


Se a OTAN e a comunidade internacional terão de se contentar com soundbites e não acções, os cidadãos do mundo podem agir. Os produtos com os números 729à esquerda do código de barras provêm do Israel.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular