Pravda.ru

Mundo

O último herói americano

01.01.2019
 
O último herói americano. 30174.jpeg

O último herói americano

O Centro de Estudos Marxistas editou, organizado por Robert Ponge, o livro 1968 - ano de muitas primaveras, uma antologia que comenta o que aconteceu inicialmente na França e suas repercussões no mundo da política e das artes. 


O artigo sobre cinema é assinado pelo meu amigo Jefferson Barros, precocemente falecido (1942/ 2000) e que leva o título de Cinema: uma questão de travelling. 


Entre os filmes que ele comenta está Corrida contra o Destino, Wanishing Point, dirigido por Richard Serafian em 1971, com Barry Newman (não confundir com a versão para a tv com Virgo Mortesen). 

Kowalski (Newman), um ex-fuzileiro e herói da Guerra do Vietnã condecorado com a Medalha de Honra, ex-piloto de corridas e ex-policial demitido da corporação depois de evitar uma tentativa de estupro feita por um colega policial, dedica-se a transportar carros para um pequena oficina.


Em um desses trabalhos ele deve levar um Dodge Challenger '70 de Denver, no Colorado, para São Francisco, na Califórnia. Kowalski faz uma aposta de entregar o carro em um dia e meio e para isso terá que cobrir mais de 1800 km de estrada, mas uma pequena infração por alta velocidade no percurso se transforma em uma perseguição pela polícia rodoviária de três estados americanos, onde ganha notoriedade e é transformado em ídolo e chamado de a "última alma livre" e o "último heroi americano" pelo DJ cego Super Soul (Little), que descobre a caçada a Kowalski interceptando o rádio da polícia. 


Jefferson termina assim seu comentário sobre o filme: "Como um monge budista na Saigon ainda americana de 1970, Kowalski explode em ato próprio e solitário. Assim o espírito de 68, que começou na nouvelle vague francesa com um roubo de carro e um tiro (refere-se ao filme O Acossado - À bout de souffle, de Jean-Luc Goddard), tem o seu obituário magnificamente escrito, com áspera ternura e indizível comoção num filme quase perdido na amazônica produção industrial e Hollywood"


Marino Boeira é jornalista, formado em História pela UFRGS

 


Fotos popular