Pravda.ru

Desporto

Libertadores : Balanço da primeira fase

27.04.2008
 
Pages: 12
Libertadores : Balanço da primeira fase

Historicamente, a Libertadores é um torneio mais equilibrado do que muita gente pensa. Ainda que Brasil e Argentina dominem os títulos nas últimas duas décadas, as fases classificatórias (e até mesmo o mata-mata) sempre é cheio de surpresas. A fase de grupos de 2008, não foi tão diferente, só que, na hora H, os favoritos prevaleceram.

Não dá para negar o equilíbrio de uma competição em que todos os líderes de grupos ficaram entre 11 e 13 pontos (ou seja, não houve nenhum time que sobrou, com 15, 16 ou 18 pontos, algo comum na Liga dos Campeões). No entanto, também é sintomático que, dos 16 sobreviventes, 10 sejam brasileiros ou argentinos.

Isso projeta um mata-mata concentrado nas duas potências sul-americanas. Enquanto ela não ocorre, vamos dar uma olhada no que já aconceceu.

Grupo 1

O primeiro turno garantiu o Cruzeiro. Com duas vitórias em casa e um empate fora contra o principal concorrente, os mineiros ficaram em condição de administrar a vantagem nas três últimas partidas. Os destaques foram Ramires e Marcelo Moreno (esse último, artilheiro da Libertadores até o momento).

A briga ficou mesmo entre Caracas e San Lorenzo. Um duelo igual, mas que teve uma diferença: os argentinos ganharam do Real Potosí na Bolívia. O jogo foi o marco para a recuperação depois de um início de campanha bastante fraco. Do mesmo modo, esses três pontos acabaram fazendo a diferença entre as duas equipes. Aliás, uma derrota do Ciclón naquela partida daria a classificação aos bolivianos, que foram peso morto durante a competição.

Grupo 2

Chave equilibrada, como se imaginava. Ainda assim, os argentinos Estudiantes e Lanús confirmaram o favoritismo. Os Granate são os únicos invictos da Libertadores e mostraram muita consistência. No entanto, esperava-se mais do atual campeão argentino. Empatar as duas partidas contra o Deportivo Cuenca e desperdiçar uma vitória em casa (com 2 a 0 a favor e, depois, com um homem a mais) contra o Estudiantes é preocupante.

Mais convincente foi o time de La Plata. Com Verón liderando em campo e muita disposição para se entregar nos jogos em casa, os pinchas se recuperaram após um início ruim e deixaram boa impressão para o mata-mata.

Cuenca e Danubio ficaram à margem. As duas equipes tinham condições apenas de criar dificuldades e se manter na luta por um bom tempo. Isso foi confirmado. O que poderia ser dito é que esperava-se mais dos equatorianos quando jogassem na altitude e os uruguaios sofreram demais pelo desmanche ocorrido no ano passado.

Grupo 3

Muito equilíbrio entre Atlas, Boca Juniors e Colo-Colo. Os mexicanos têm um time muito equilibrado e consistente. O Boca prima pelo modo como sabe usar o peso de sua tradição no jogo, sobretudo em La Bombonera. Os chilenos são rápidos e surpreendentes, apesar da defesa pouco confiável.

Pela falta de concentração fora de casa, o Boca Juniors esteve muito perto de ser eliminado. Mas, aí, os nervos no lugar fizeram diferença. Não para a vitória decisiva sobre o Unión Maracaibo, mas pelo empate do Colo-Colo com o Atlas em Santiago. Depois de sofrer o gol de empate, o Cacique morreu psicologicamente. Tenso ao extremo, não conseguiu articular jogadas e desperdiçou a oportunidade de eliminar os xeneizes.

Grupo 4

Na hora de a qualidade técnica decidir, Flamengo e Nacional se impuseram. As surpresas do turno, com Cienciano batendo os bolsos e Coronel Bolognesi segurando o empate com os rubro-negros, mantiveram o equilíbrio da classificação. Até houve uma possibilidade de zebra caso o Cienciano vencesse o Fla em Cuzco, mas, com um futebol focado nas limitações criadas pela altitude, o time carioca mostrou que era tecnicamente superior.

De qualquer modo, as dificuldades iniciais foram interessantes para todos. Os peruanos recuperaram um pouco a auto-estima, enquanto que Fla e Nacional puderam se aclimatar melhor à competição.

Grupo 5

Nenhum empate. O grupo caminhou de três em três pontos e teve até algum equilíbrio, sobretudo pela má fase do América-MEX. O River Plate estreou muito mal, com derrota para o Deportivo San Martín. Depois disso, o time cresceu e só deixou de ganhar o duelo contra o América no estádio Azteca. Uma derrota compreensível em uma campanha crescente.

Quem embolou a chave foi o América. Com um futebol oscilante, seguindo a tendência de quem é lanterna em seu campeonato nacional, os mexicanos mantiveram San Martín e Universidad Católica vivos até a última rodada. O time chileno até teve alguns méritos para isso, mas a equipe peruana deve se dar por satisfeita por sair da competição com uma campanha digna.

Grupo 6

Tecnicamente, o melhor time é o Chivas, que foi eliminado. Tudo porque, em uma chave equilibrada, perder em casa num confronto direto pode ser fatal. Como foi para o Rebaño cair diante do Cúcuta em Guadalajara. Um jogo em que os tapatíos dominaram desde o início, mas perderam a concentração por acharem que venceriam na hora que quisessem e acabaram perdendo.

Sorte dos colombianos e do Santos. O Cúcuta teve uma defesa muito forte e uma dupla ofensiva perigosíssima, com Torres na armação e Urbano na finalização de jogadas. O modo como os rubro-negros cadenciam a partida para quebrar o ritmo doadversário deve ser respeitado.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular