Pravda.ru

Desporto

Torcedor anda descontente com o rendimento da seleção

20.11.2007
 
Torcedor anda descontente com o rendimento da seleção

Anda descontente o torcedor com o rendimento da seleção brasileira e sonha com alterações no time na esperança de que o futebol melhore pode desistir. O técnico Dunga pelo menos não por questões táticas ou técnicas, não vai mexer na equipe. A exceção, claro, fica por conta das “obrigatoriedades’’, como contusão ou suspensão de algum atleta. É por estar suspenso (dois cartões amarelos) que Lúcio não joga amanhã contra o Uruguai, no Morumbi. Alex deve ser o substituto.

Dunga acredita que, após várias experiências, encontrou a equipe ideal e está convicto de que mudar não é o caminho mais indicado para fazer a seleção jogar um futebol melhor. “Não é porque o jogador tem rendimento ruim numa partida que eu vou tirar. Senão tira a confiança’’, justifica. “E em qualquer profissão, confiança é fundamental.’’
O treinador até acena com uma mudança de posição. Num prazo bem longo, porém. “É lógico que, se o jogador não vai bem em cinco, seis partidas, aí é hora de trocar.’’
Por enquanto, a seleção continua com está. O quase sempre apagado Vágner Love, por exemplo, segue como titular. Luís Fabiano fica no banco, assim como o lateral-esquerdo Kléber, apesar das atuações pouco convincentes de Gilberto.

O que Dunga quer em relação à pálida atuação no empate por 1 a 1 com o Peru, domingo, é que os jogadores se movimentem mais, procurem explorar as “beiradas’’ do campo e sejam mais efetivos na conclusão das jogadas. Uma maior participação no apoio dos laterais Maicon e Gilberto também ajudaria. “Na quarta-feira (amanhã) vamos buscar um equilíbrio maior, com um melhor aproveitamento das oportunidades.’’

A falta de um armador clássico, um jogador que organize o time, outra clara deficiência da seleção, é encarada por Dunga até com resignação. Sinal dos tempos, entende. “Hoje, quando um jogador se destaca um pouco, já é colocado como meia-atacante’’, observa o treinador. “Se não formar (o armador) nas divisões de base, fica difícil.’’
O fato de o Brasil estar em terceiro lugar nas Eliminatórias, com cinco pontos em três partidas (uma vitória em casa e dois empates fora), não incomoda Dunga. “É normal, Eliminatórias são sempre difíceis, o importante é a classificação.’’ No entanto, como após a partida contra o Uruguai a seleção só voltará a jogar pelo torneio em meados do próximo ano (14 ou 15 de junho, contra o Paraguai), um tropeço no Morumbi pode criar uma pressão desnecessária sobre a comissão técnica.

O problema é que o jogo contra a irregular seleção uruguaia não vai ser fácil, prevê o treinador. “O próximo adversário é sempre mais difícil. Até porque, hoje, não é só o jogador brasileiro que vai novo para o exterior’’, disse. “Os de outros países também. Assim, adquirem rapidamente experiência e disciplina tática. Temos de achar uma forma de superá-los.’’
TODOS POR UM

Para Dunga, também não é justo que a responsabilidade de decidir as partidas recaia sempre nas costas de Kaká, Ronaldinho Gaúcho e Robinho, as estrelas da seleção. 'Todos os jogadores têm, quando estamos com a bola, liberdade para atacar. Não são só os três (que têm de decidir). Vamos resolver nossos problemas juntos, escreve Estado de Sao Paulo.


Loading. Please wait...

Fotos popular