Pravda.ru

Desporto

Do amor ao ódio ou muito pelo contrário

15.07.2018
 
Do amor ao ódio ou muito pelo contrário. 29132.jpeg

Do amor ao ódio ou muito pelo contrário

Em todos os tempos o futebol brasileiro teve personagens importantes e geniais e em todas as vezes eles demonstraram comportamento, digamos, diferenciado, mas é a primeira vez que um ídolo causa tanta esquizofrenia ou dubiez de sentimento para o admirador.

Jolivaldo Freitas

 Pelé foi genial em campo, mas levou uma vida para reconhecer sua filha Sandra Regina, gerada fora do casamento; e se gerou um certo mal-estar entre suas fãs, em nada mudou a sua imagem de rei do futebol. Garrincha é tido até hoje como o segundo maior gênio do futebol brasileiro. Fora do campo era protegido, pois mesmo sendo um ébrio e vivendo do apoio moral e financeiro da cantora Elza Soares, foi ela que levou a pecha de destruidoras de lar quando se encantou pelo dono da bola. Atingiu o caráter de gênio de pernas tortas que fazia mais "palhaçada" que Neymar à beira do campo.

Temos outros casos de jogadores que se doparam, se drogaram, beberam, cheiraram e nada disso deixou sua torcida irada ou frustrada. Neymar é o primeiro caso no futebol brasileiro em que é anjo e demônio ao mesmo tempo. Não é por se tratar de uma carreira feita na era da internet que sua imagem é vilipendiada. Sereia a mesma coisa em outros tempos. A torcida brasileira reconhece seu talento, sua genialidade com a bola nos pés, mas se irrita com o que convencionou-se chamar de cai, cai ou encenação. Um ator.

A Copa da Rússia serviu para colocar mais fervura no dendê. O técnico do México disse que Neymar é um péssimo exemplo para as crianças. Aí vem Lukakus, atacante da Bélgica e diz que Neymar é mágico. "Neymar não é ator", enfatizou. E garante que o rapaz foi realmente atacado pelos adversários, que chegaram para arrebentar por não saberem o que fazer com ele e o que vai acontecer no momento seguinte que ele pega a bola.

Mas Neymar irritou o mundo todo, isso até o jornal O Globo disse. Daí, do nada, vem uma das mais conceituadas revistas norte-americanas a The Atlantic que se abespinha com os críticos e sai em sua defesa. Diz com todos os verbos, pronomes e adjetivos que Neymar é um gênio chato que fez valer assistir à Copa do Mundo. E esse foi o título da reportagem e não uma oração perdida num parágrafo qualquer. Foi um verdadeiro manifesto em defesas do jogador brasileiro. A revista critica, sim, a hipocrisia da Inglaterra e dos Estados Unidos que incensam o fair-play, mas não o têm em nenhum quando em campo, numa situação estressante.

Neymar sempre levou os brasileiros à esquizofrenia, do amor ao ódio e vice-versa ou sabe-se lá. Acho que temos é de protege-lo. Como sempre se fez com Pelé e de Garrincha. Para a revista The Atlantic nosso Neymar está certo e o mundo é que está errado.

Escritor e jornalista: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Foto: Por Christopher Johnson from Tokyo, Japan - Neymar Junior the Future of Brazil, CC BY-SA 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=18875396

 


Loading. Please wait...

Fotos popular