Pravda.ru

Desporto

COPA PETROBRAS 2006

05.11.2006
 
COPA PETROBRAS 2006

Acabou de acontecer mais uma versão da Copa PETROBRAS de Tênis no Carrasco Lawn Tennis, num dos bairros mais chiques da capital uruguaia que distribue junto com o bairro Pocitos a grande maioria das Embaixadas e Consulados dos diferentes países do mundo com representação diplomática no Uruguai.

Cidade: Montevidéu

Bairro: Carrasco

Clube sede: Carrasco Lawn Tennis

Acabou de acontecer mais uma versão da Copa PETROBRAS de Tênis no Carrasco Lawn Tennis, num dos bairros mais chiques da capital uruguaia que distribue junto com o bairro Pocitos a grande maioria das Embaixadas e Consulados dos diferentes países do mundo com representação diplomática no Uruguai.

Nesse mesmo clube que um domingo 17 de julho de 1994 absolutamente lotado com arquibancadas pre-fabricadas montadas para o grande evento do tênis uruguaio da história, o Uruguai ficou na porta de passar na Zona Mundial da DAVIS tendo ganho o face to face da Argentina do Javier Frana, 3 partidas x 2.

Nessa última partida de singles o herói uruguaio acabou sendo o organizador desta PETROBRAS 2006, o Diego Pérez Burin que com 44 anos faz tempo que monta torneios de grande sucesso na América e Europa nos verões desses continentes.

O dois uruguaios que concretizaram a aquela incrível vitória que fez sofrer muito ao galão da tevê argentina e ex-DAVIS dos 70, Jorge Martínez ( hoje vovozinho e trabalhando na tevê mexicana e argentina ) foram o Diego Pérez Burin e Marcelo Filipini, que conseguiram os Nos. 30 e 27 da ATP dos 90.

É difícil encontrar uma data que não mostre a cara feliz dos brasileiros, porém é bom salientar que esse domingo 17 de Julho de 1994 foi o dia que o Brasil virou TETRA tendo ganho a Copa do Mundo de Futebol nos penalties perante a Itália nos EUA.

Voltando ao assunto tênis e tentando mostrar o histórico do Carrasco Lawn Tennis, após essa grande vitória uruguaia perante os vizinhos do Rio da Prata, colocou Uruguai no último degrau na procura do acesso á Zona Mundial da DAVIS mas deu uma batida com aquele poderoso canhoto austríaco Thomas Muster que nesses dias foi No. 3 da ATP.

A maior ilusão uruguaia desde desporto ficou sem se concretizar por causa daquele loiro que tempo depois reconheceu o “convívio“ com estimulantes, comentando que era quase impossível se manter no topo da ATP sem esse “apoio“.

Mas história já é o PETROBRAS 2006 que foi ganho pelo famoso argentino Guillermo Cañas perante o equatoriano Nicolás Lapentti de 2-6, 6-3 e 7-6 ( 3 ) que foi primeira cabeça do torneio.

O Cañas foi suspenso pelo dopping positivo voltando na PETROBRAS 2006 após 15 meses fora o circuito profissional na hora que estava numa fase ímpar da sua vida esportiva.

O argentino acabou agüentando um match point para logo vencer num tie break para o infarte dos 2500 pagantes que lotaram o CLT.ficando nas arquibancadas durante três horas quase “sem respirar”.

Porém o Cañas conseguiu caneco, uns 14.400 dólares americanos no bolso e 70 pontos na classificação ATP que neste re-lançamento do argentino é o mais importante para ele começar voltar sonhar com a possibilidade de ficar nos TOP TEN mais uma vez na vida.

Seu melhor ranking foi oitavo (214 atual), por enquanto o Nico Lapentti ( 64 atual) tinha conseguido o No. 6 da ATP.

Os torcedores uruguaios ficaram felizes da vida pelo desempenho do crédito celeste, Paulo Cuevas ( ficou fora nas Semi ), que com 20 anos é a maior promessa oriental tendo muitas possibilidades de se colocar como seus “espelhos” nacionais dos 90.

Mesmo que seu ranking ATP é 260 o futuro dele é incrível segundo seus treinadores argentinos, Hernán Suárez e Oky Rodríguez.

Na Cerimónia de Encerramento ainda na quadra No 10 ( Central ) do CLT. os dois destaques da final tinham coincidência que o alvo era continuar melhorando seu tênis sem se colocar objetivos com antecedência.

Deixar rolar até conseguir o melhor momento e voltar áquele posicionamento TOP TEN que os dois conseguiram no passado.

Mesmo assim gostariam voltar na PETROBRAS 2007 pelo carinho que receberam dos uruguaios.

O Nico Lapentti disse que grande porção deste sucesso de hoje deve-se ao trabalho do treinador uruguaio Enrique “Bebe” Pérez Cassarino e um outro treinador muito importante para ele como o Mariano Gaute.

O Guillermo Cañas confirmou que deixou um pedaço do coração em Montevidéu pois o público percebeu que estava numa fase super especial da vida sentindo o apoio até o final.

Correspondente JORNAL PRAVDA em português

ESPIN ASISTENCIA COMERCIAL

Sr. Gustavo Espiñeira

Montevidéu - Uruguai


Loading. Please wait...

Fotos popular