Pravda.ru

CPLP » São Tomé

Novo governador e conselho de administração do BCSTP foi impossado

11.07.2006
 
Novo governador e conselho de administração do BCSTP foi impossado

Em substituição de Maria do Carmo Silveira, demitida a semana passada foi nomeado o economista Arlindo de Carvalho que já exerceu as funções de ministro de plano e finanças no governo do Partido de Convergência Democrática em 1992. Arlindo de Carvalho tem como vice governadora do BCSTP, Edite Soares.

O Conselho de Administração compõe-se de três membros, nomeadamente Luís de Sousa, Álvaro Santiago e Elsa Pinto, estes dois últimos que exerceram também as funções de ministro da educação e cultura e da justiça e assuntos parlamentares respectivamente. Álvaro Santiago e Elsa Teixeira Pinto são do partido Acção

Democrática Independente e do MLSTP/PSD.

Arlindo de Carvalho não escondeu que uma das suas ambições profissionais sempre foi ser governador do banco central e garantiu que o BCSTP vai entrar numa fase de consolidação do sistema financeira nacional, alimentar o ambiente de coesão económica, mobilização de confiança dos agentes económicos, afirmação do banco como autoridade do sistema financeiro, reconstrução do modelo económico, bem como fortalecimento da sua função do banqueiro de estado.

O novo governador propõe transformar estes vectores em preocupação estratégica, a partir das quais o novo conselho de administração do banco central ira desenvolver as suas acções.

Arlindo de Carvalho sublinhou que o banco vai comparticipar na instrumentalização das medidas de políticas sectoriais, com a certeza de que contribuíra para o fortalecimento da capacidade de produção interna.

“Para isso saberei fazer com que o banco central esteja ao serviço de desenvolvimento sustentável a dois níveis, promovendo a relação entre os que dispõem a poupar, os que assumem a função de financiar e os que correm o risco de investir”, sublinhou, para concluir que, “em segundo, comparticipar na escolha de uma das melhores alternativas possíveis realizando um progresso de efectivo equilíbrio das contas publicas, no limite das observância do interesse publico e de uma eficiência do sistema financeiro nacional”.

O primeiro ministro Tomé Vera Cruz sublinhou, por seu lado que a nova equipa goza de confiança do executivo, acreditando que ela “irá fazer tudo o que conduza ao ponto de conclusão durante os próximos seis meses de forma a beneficiarmos do perdão da nossa divida externa”.

O chefe do executivo lembrou ao novo governador que o banco nacional deverá, em matéria da política cambial promover a manutenção dos níveis de liquidez aceitáveis na economia e a racionalização das disponibilidades externas, visando uma inflação aceitável e compatível com a estabilização macro-económica, no quadro do acordo que S. Tomé e Príncipe tem com o Fundo Monetário Internacional.

Suahills Dendê

Pravda.ru

STP


Loading. Please wait...

Fotos popular