Pravda.ru

CPLP » Portugal

Portugal: A Revolução dos Cravos, 40 anos depois

25.04.2014
 
Portugal: A Revolução dos Cravos, 40 anos depois. 20223.jpeg

25/04/74. A Revolução foi anunciada pela transmissão das canções E Depois do Adeus e, em seguida, Grândola, Vila Morena, uma indicação de que um golpe militar estava em curso para derrubar o regime do Estado Novo (Estado Novo), abrindo o caminho para a mudança política. Hoje, os estrategistas podem estar satisfeitos, os idealistas, horrorizados.


É tão difícil embalar as últimas quatro décadas da história portuguesa num curto artigo de leitura fácil como é fácil cair na tentação de considerar o assunto fora do contexto e ignorar vectores sócio-econômicos, políticos e contextuais que fornecem uma compreensão mais completa e mais ampla do cenário.

Em termos gerais, a Revolução de 25 de Abril de 1974 foi um sucesso total na medida em que cumpriu os seus dois objectivos imediatos: o fim da guerra colonial que Portugal tinha vindo a travar em Moçambique, Angola e Guiné-Bissau desde 1961 e mudar um regime político repressivo que havia proibido o único partido de oposição com base em Portugal (o Partido Comunista Português, liderado por Álvaro Cunhal) e que para todos os efeitos, era um crime praticar actividade política anti-regime, sob pena de punição a ser levada a cabo pela polícia política, a PIDE - Polícia Internacional e de Defesa do Estado (1945-1969) e depois DGS - Direcção-Geral de Segurança (1969-1974) .

Em poucas palavras, a Revolução foi um grande evento português, realizado com os respectivos valores nacionais e, portanto, não é nenhuma surpresa que o derramamento de sangue era mínimo (cinco pessoas perderam a vida e 50 ficaram feridos) e em poucas palavras, a Revolução dos Cravos (assim chamado porque os soldados do Movimento das Forças Armadas, que o executaram, tinham cravos nos canos das suas armas), colocou Portugal no mapa geopolítico, tirando-o finalmente de uma fantasia anacrónica.

Essa fantasia foi a visão do Dr. António Salazar, ministro das Finanças a partir de 1928, e depois Presidente do Conselho de Ministros de 1932 até sua morte, em 1970, seguido por seu sucessor Dr. Marcello Caetano, a visão de uma autarquia (auto-suficiência econômica), em um mundo lusófono (língua portuguesa), em que Portugal foi considerado como o metrópole de um Estado pluri-continental, onde Angola, Cabo Verde, Timor Leste, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe (Brasil ganhara sua independência em 1825) não foram considerados colónias portuguesas, mas na verdade províncias do território português. Era uma visão que previa o pleno emprego, a auto-suficiência dos bens e recursos e que proporcionou uma poderosa máquina de propaganda, como cartazes gigantes que apresentaram as "províncias" da África copiadas e coladas sobre o mapa da Europa Ocidental, cobrindo a maior parte, com o slogan "Portugal não é um país pequeno".

Esta visão não levou em conta os movimentos geopolíticos dos tempos, com movimentos de independência ganhando terreno em toda a África e Ásia enquanto os poderes imperiais europeus implodiram, nem abordava a noção de que Portugal foi isolado do resto do mundo, devido à Guerra Colonial.

Militarmente, apesar de lutar contra dificuldades tremendas e poderes muito maiores do que o próprio Portugal, a situação estava sob controle nas duas frentes em Angola (Norte e Leste), as duas frentes em Moçambique (Norte e Oeste) e na Guiné-Bissau, as Forças Armadas portuguesas mantiveram a capital e o porto em operação. No entanto, após 8.827 mortes ao longo de mais de 13 anos, a população portuguesa e as Forças Armadas em si não conseguiram ver um fim ao conflito prolongado, embora militarmente, em 1974, a situação só poderia ser descrita como uma vitória.

Havia outros problemas, além da falta de liberdade política. Um deles foi o atraso do Estado Novo em comparação com o resto da Europa em termos de competitividade e em termos de Educação. Em 1974, antes da Revolução, a maioria da população tinha acesso universal somente à educação primária e na idade de onze anos, as famílias foram confrontadas com a escolha difícil, se não havia nenhuma escola média ou secundária na sua área, de suportar os custos de enviar a(s) criança(s) estudar em outro lugar ou então a criança teria de começar a trabalhar. A percentagem de indivíduos com nível universitário foi de cerca de um por cento naquela altura.

O isolamento de Portugal, a falta de liberdade política, a repressão, a Guerra Colonial, o atraso institucionalizado e desajuste de visão política para o mundo em que o Estado Novo se inseria, deu origem a tensões crescentes que explodiram no golpe militar de 25 de Abril e os desenvolvimentos políticos e económicos que se seguiram.

Até que ponto foi alcançado o idealismo dos revolucionários, ou até que ponto as suas legítimas esperanças foram frustradas, é discutível, mas certamente aqueles que realizaram a Revolução Cravos esperavam, 40 anos em diante, muito mais do que aquilo que vemos hoje.

E o que vemos? Sem se envolver em atritos políticos, quatro décadas de governo do CDS-PP (conservador), PSD- PPD (social-democratas, direita) e PS (Partido Socialista, centro-direita) , viram Portugal se afastar da sua identidade cultural e património linguístico (CPLP), e depois efectuar uma viragem de 180 graus e tentar recuperar o espaço, mas sem qualquer vantagem prática para ninguém.

As últimas quatro décadas viram Portugal entrar no clube europeu, mas à custa de ter de arcar com uma dívida enorme, após vários resgates e à custa de ver seus sectores de agricultura, indústria e pescas financiados para auto-destruirem-se, enquanto Lisboa acenava obedientemente com a cabeça recebendo em troca tapinhas na cabeça e sendo rotulado de "bom aluno".

Os salários continuam a ser risíveis (o salário médio é de , no máximo, e usando os cálculos mais favoráveis, ​​cerca de 1.000 euros), num país onde o custo de serviços de utilidades públicas foram autorizados a subir a níveis insustentáveis ​​para muitas famílias, onde os aluguéis subiram a um nível superior às hipotecas para habitação, que por sua vez são extremamente difíceis de obter. E eis a cereja em cima do bolo, o poder de compra do salário mínimo hoje é menor do que era em 1974.

As últimas quatro décadas viram os direitos dos trabalhadores, gradualmente, lascados, na medida em que os horários são mais frequentemente não cumpridas do que ao contrário (se um trabalhador se atreve a ir para casa, digamos, às 18h00, como diz no seu contrato, levantam-se as sobrancelhas e vem a pergunta, dita ou não "Onde você pensa que vai ?") e a noção geral é que você tem a sorte de conseguir um emprego, por isso aqui estão 500 Euros, cale-se e seja feliz.

As últimas quatro décadas viram a instalação de uma má gestão política maciça, a ausência de um plano nacional sustentável, políticas infantis praticadas por meninos crescidos que pertencem mais ao ambiente enclaustrado de instituições académicas e não fora destas no mundo real, o crescente controlo dos lobbies que regem praticamente tudo em Portugal e que ditam a política a um crescimento e extensão assustadora em algumas áreas e graus de influência política dos partidos que impedem o funcionamento do serviço público e neutralizam qualquer tentativa de implementar um plano nacional sustentável.

As últimas quatro décadas viram o crescimento de uma nova geração de portugueses, os "nem- nem", nomeadamente os jovens que nem trabalham, nem estudam,  que numeram cerca de 400.000 em uma população de dez milhões, e não estamos falando do 16+ por cento de desempregados, de acordo com estimativas optimistas, que caso contrário, empregando métodos de cálculo reais providenciaria um valor muito maior. E quando os nem-nems conseguirem arranjar um emprego, provavelmente será para ganhar cerca de 500 euros, o que significa que vão viver com os pais durante o resto das suas vidas. Ou emigrar.

O optimismo nas ruas, nas tertúlias, em Portugal durante e logo após a Revolução, em que as ideias novas e inovadoras eram compartilhadas, em que uma onda de entusiasmo para experimentar novas ideias de governação era tangível, foi gradualmente umedecido e tapado pelo mesmo grau de má administração política existente durante o Estado Novo.

É verdade, em meados do século XVIII, quando as quantidades de ouro e prata entrando em Portugal oriundas do Brasil e da colónia de Sacramento foram as mais elevadas, a receita fiscal que veio à coroa estava em seu ponto mais baixo. Portugal, afinal, é e sempre foi um ponto de interrogação, insondável para aqueles que não sabem ou não entendem Portugal ou a língua e cultura portuguesa.

É por isso que dói tanto ver o país mal administrado até ao ponto em que hoje é governado por estrangeiros e suas políticas são ditadas por forasteiros, que não têm entendimento do que seja a realidade da vida quotidiana dos cidadãos de Portugal. Pensando bem sobre isso, nem a classe governante de Portugal tem. Certamente, isso não é o que os revolucionários em 1974 tinham previsto para o futuro do seu país 40 anos depois.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular