Pravda.ru

CPLP » Portugal

Protesto em Portugal: Revolta das Gerações

13.03.2011
 

A sociedade portuguesa tomou as ruas em onze cidades na tarde de Sábado. Centenas de milhares de pessoas de todas as idades e orientações políticas se uniram para enviar uma mensagem clara para a classe política de Portugal, exigindo a implementação de políticas que criem um futuro para a juventude do país.

300.000 pessoas (pelo menos) encheram a avenida central de Lisboa, Avenida da Liberdade  gritando slogans contra ladrões (políticos), contra o Primeiro-Ministro, Sócrates e contra a precariedade de emprego, principalmente para os jovens.

A principal característica da manifestação de hoje é que foi organizada pelos jovens do país, para a juventude do país, uma grande parte do trabalho feita por organizações voluntárias da sociedade civil através de redes sociais; uma outra característica e referir foi que aqueles que participaram não foram apenas os jovens - havia manifestantes de todas as esferas da vida profissional, todas as gerações e todos os quadrantes políticos, da extrema esquerda à extrema-direita. Eles se uniram para dizer ao Governo de José Sócrates: Basta!

Mas não é só o governo atual português (socialista, só no nome) que está em jogo - é de todos os governos desde a Revolução portuguesa de 1974, que falharam rotunda e totalmente em criar um modelo que atenda aos interesses da sociedade portuguesa.

Sucessivos governos dos mesmos três partidos (PSD - sociais-democratas, CDS-PP, Democratas-Cristãos/Conservadores; PS - Partido Socialista, actualmente, um insulto à palavra socialismo) têm, desde 1974 - há quase quatro décadas - fracassado totalmente em satisfazer as aspirações mínimas do povo que os elegeu. Um dos slogans cantados hoje foi "Ó Presidente, dissolva o Parlamento!" Mas a coisa estranha em Portugal é que as pessoas no acto eleitoral zelam pelos mesmos, talvez seguindo a premissa "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura".

Embora se diz que cada povo tem o governo que merece, o povo português, hoje, tem razão. O sistema de ensino funciona, e muito bem - os alunos portugueses se comparam muito favoravelmente com os seus pares no programa Erasmus e o sistema educativo português foi classificado entre os melhores da Europa. Vê-se, quem trabalha nas Universidades portuguesas.

O que os governos desses partidos políticos têm feito foi destruir a indústria portuguesa, destruir a agricultura portuguesa, destruir a pesca portuguesa e o que foi que eles criaram em troca?

Uma situação em que pessoas reformadas recebem pensões miseráveis ​​depois de uma vida inteira de trabalho, uma situação em que os preços de supermercado são iguais ou superiores a muitos países mais ricos, uma situação em que é praticamente impossível uma pessoa jovem comprar uma casa, a menos que tenha umas economias substanciais (e como?), uma situação em que uma geração inteira foi jogada em uma lixeira coletiva de desesperança profissional: a geração de 1.000 euros na Europa, a geração de 500 euros em Portugal, para os poucos que conseguem obter um emprego - normalmente em um call center.

A situação precária em que o jovem português se encontra - estudar durante anos, para quê afinal? - e, em seguida, em muitos casos, não se empregue a tempo integral, mas a tempo parcial ou a trabalhar com recibos brancos (só em Portugal o recibo branco é verde), significa que as pessoas são incapazes de formular planos para comprar um carro, obter crédito para uma casa e começar uma família. Eles não têm direito a começar uma vida.

A alternativa é ir para o estrangeiro. Portanto, não é surpresa que a raiva sentida pela geração do Portugal de amanhã explodiu na demonstração - e como sempre, com comportamento louvável - contra os políticos, cujo colectiva inépcia e absurdez foi resumido pelo discurso ridículo do Presidente português, Silva - que defende uma abordagem liberal para a economia (uma abordagem que foi total e completamente derrotada na recente crise económica e financeira) e que mencionou a importância da família como o pilar da sociedade de amanhã (como? se o seu PSD, seu Partido, tem desempenhado uma parte igual na incapacidade de criar um futuro - e sua responsabilidade pessoal na gestão catastrófica dos fundos europeus após a adesão de Portugal à Comunidade Europeia não deve ser esquecido - ele foi primeiro-ministro durante uma década, logo após adesão de Portugal).

Para os poucos que conseguem arrumar um emprego (nos dias de hoje, principalmente aqueles com contato), eles vão encontrar um ambiente de trabalho onde eles deveriam trabalhar 35-40 horas por semana como o resto dos europeus, mas na verdade são forçados a  trabalharem muito mais, bem além do horário estipulado, quando assinaram seu contrato. Vamos ver (literalmente) como funciona a entrevista ...

Isso aconteceu durante a semana passada em um escritório em Lisboa. Uma jovem (mãe) foi para uma entrevista de emprego, que começou como segue: "Ah, você tem filhos, n' é? Bem, então você não quer trabalhar aqui, nós começamos às oito e terminamos o mais cedo possivel às nove da noite, e geralmente, muito mais, e sábados, domingos e noites ... ".

Quantas entrevistas começam assim, com a expressão "este é um posto de trabalho, e não um emprego"? E para quê? 500 Euros, uma vida de sacrifício, um padrão de vida abominável repleto de dramas e dificuldades, os sucessivos governos a pedirem mais sacrifícios e deixando seu povo cair mais para trás do resto da Europa, salários baixos e preços elevados e, em seguida, uma reforma miserável?

Não é de admirar que os portugueses tomaram as ruas no Sábado. No entanto, o leitor pode apostar que na próxima eleição, eles voltarão a votar em um governo liderado pelo PSD ou PS. Que casmurros, heim?

Timothy Bancroft-Hinchey
Diretor e Chefe de Redação

Versão portuguesa
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular