Pravda.ru

CPLP » Brasil

As Benevolentes - uma alegoria sobre o capitalismo

29.04.2017
 
As Benevolentes - uma alegoria sobre o capitalismo. 26463.jpeg

O livro As Benevolentes - Les Bienveillantes - (edição brasileira Objetiva, 2007, 906 páginas), de Jonathan Littell, mais do que uma descrição crua e pormenorizada dos horrores dos campos de extermínio dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, é uma alegoria do que seria o sistema capitalista levado ao extremo da sua finalidade maior, a desumanização do ser humano transformado em instrumento na busca do lucro a qualquer custo.

Nos campos de concentração e extermínio de judeus, ciganos, comunistas, homossexuais, deficientes físicos e mentais, nos quais se incluíram as mais diversas nacionalidades, inclusive alemães, os nazistas aplicaram os mais modernos meios de administração em busca do grande objetivo do capitalismo: o maior lucro possível, no menor prazo de tempo e com investimentos baixos.

N a estratégia de Hitler e seus sequazes, este projeto tinha dois objetivos muito claros em relação às populações não germânicas: usá-las como força de trabalho escravo até a sua completa exaustão e eliminar aqueles considerados incapazes para o trabalho. Para isso, foram construídos grandes campos de concentração no território da Alemanha, basicamente voltados para a produção e nos territórios da Polônia e Ucrânia, destinados ao extermínio, inicialmente através de fuzilamentos e mais tarde com o uso de câmaras de gás. Dentro da Alemanha, os principais campos de trabalho forçado foram os de Sachsenhausen, em Orienenburg, próximo de Berlim, Buchewald, próximo a Weimar (onde esteve internado o escritor Jorge Semprun) e Dachau.  Na Polôni a, foi erguido o maior número de campos. Os principais foram Auschwitz- Birkenau, onde morreram mais de 1 milhão de pessoas, Lublin, Sobidor e Treblinka.

 Nos portões de ingresso dos prisioneiros nesses campos, ironicamente, um letreiro afirmava que "Arbeit Macht Frei", o trabalho liberta.

Até hoje, essa política é vista como uma perversão do espírito maligno de Hitler, mas por trás dela havia a frieza que caracteriza busca do sucesso empresarial a qualquer custo.  Para as empresas, o que seria melhor do que trabalhadores sem nenhum direito e usados como verdadeiras máquinas? Por outro lado, a estratégia de reduzir drasticamente as populações nativas da Polônia, Ucrânia e Rússia objetivava liberar grandes extensões de terras agrícolas para a produção de alimentos destinados ao consumo interno da Alemanha.

Junto a estes campos, tanto na Alemanha, inicialmente e depois nos países ocupados, com orientação de Speers, o Ministro do Armamento, se estabeleceram importantes indústrias alemãs e por incrível que possa parecer,  até mesmo filiais alemãs de empresas americanas, para usar a mão de obra escrava.

Ao lado da IG Farber, que fabricava o gás Zyklon B, usado nas câmaras de gás e que depois da guerra se tornou a Bayer, estavam a Siemens, que construiu as câmaras de gás, Hugo Boss, que desenhou e fabricou os uniformes dos nazistas, a Wolkswagen, cujo presidente Ferdinand Porsche, criou o popular Wolkswagen ( carro do povo) a pedido pessoal de Hitler e também marcas americanas  quem se beneficiaram das facilidades criadas pelo trabalho escravo durante o nazismo. A filial da Coca Cola, na Alemanha, pela falta do xarope para fabricar a sua bebida líder, criou Fanta, especialmente para os soldados alemães. Também as filiais da Kodak, IBM e GE mantiveram suas ligações com o regime nazista, principalmente na fase anterior a entrada dos Estados Unidos na guerra.

Hannah Arendt, no seu clássico livro Eichmman em Jerusalém (Eichmman in Jerusalem: A Report on the Banality of Evyl - Companhia das Letras, 2011), já havia flagrado o caráter quase burocrático da ação dos nazistas nos campos de concentração, cunhando a expressão "a banalidade do mal".

Jonathan Littell, segue na mesma linha. Sua descrição da vida na frente de batalha russa e nos campos de concentração amplia essa visão de até onde pode chegar a maldade humana livre de qualquer barreira ditada pela civilização. Para ele, não há culpados, nem vítimas, apenas aqueles que tudo podem e aqueles que nada têm, a não ser suas vidas, transformadas em mercadorias.

Jonathan Littell é filho do escritor de romances de espionagem Robert Littell, bastante popular na França e seu livro As Benevolentes (uma ironia com uma peça do grego Ésquilo) ganhou o Prêmio Goncourt em 2006 e vendeu mais de 700 mil exemplares no ano do seu lançamento.  Filho de uma família judia, nascido nos Estados Unidos, mas educado na França, Jonathan escreveu este seu primeiro livro depois de anos de pesquisa sobre as ações dos nazistas na guerra, principalmente das Schutzstaffel (tropas de proteção), as tristemente famosas SS.

Para contar a sua história, Littell criou um personagem fictício, o oficial das SS Maximilien Aué, encarregado de analisar as ações de extermínio sob o ponto de vista administrativo, usando sistemas de avaliação tirados da prática empresarial capitalista. Nessa tarefa, ele vai interagir com sinistros personagens nazistas como Himmler e Eichmman, que num organograma civil poderiam ser vistos como o diretor e o gerente operacional de uma grande empresa.

A visão do personagem é de que, embora muitas vezes desagradável, sua tarefa pessoal se dilui num grande esforço de todos os adeptos do nacional-socialismo de criar uma vida melhor para o povo alemão, ainda que a custo da desgraça de muitos outros povos.  Nessa tarefa, ele lembra que seus adversários nessa luta fizeram o mesmo no passado, ingleses e franceses nas colônias africanas e asiáticas, e os Estados Unidos, no seu próprio país, formado a partir das guerras contra os índios e os latinos.

Essa visão de um capitalismo extremado e selvagem em ação, traz a memória a advertência de Rosa de Luxemburgo, feita há quase um século atrás de que a humanidade só tem duas opções: o socialismo ou a barbárie.

Quando do seu lançamento  no Brasil, o falecido escritor Moacyr Scliar, fez uma resenha do livro para a Revista Veja, que termina assim: "Littell sugere repetidamente que os nazistas não eram uma exceção. No extermínio dos judeus, por exemplo, tinham a decidida colaboração de ucranianos. Ou seja: a humanidade tem dentro de si um componente de intolerância, de loucura mesmo, que pode ser mobilizado com resultados catastróficos. A tese é talvez controversa. Mas Littell a defende com brilho desde as primeiras páginas do livro, quando  anuncia como será sua narrativa: - É bem verdade que se trata de uma história sombria, mas também edificante, um verdadeiro conto moral, garanto a vocês"

Marino Boeira é jornalista, formado em História pela UFRGS

 


Loading. Please wait...

Fotos popular