Pravda.ru

CPLP » Brasil

Depois de editorial e manchete, petroleiras compram 16 páginas de publicidade no Globo

27.09.2018
 
Depois de editorial e manchete, petroleiras compram 16 páginas de publicidade no Globo. 29594.jpeg

Depois de editorial e manchete, petroleiras compram 16 páginas de publicidade no Globo

Um dia depois de dois jornais da família Marinho terem feito defesa aberta da entrega do pré-sal às petroleiras internacionais, elas compraram nada menos que 16 páginas de anúncios em ambos os veículos. Na quinta, O Globo publicou editorial sob o título "Mudar regulação do pré-sal é repetir erro já cometido". A regulação a que o editorial se refere é a mudança feita na legislação como primeira medida do golpe de Estado contra Dilma. A manchete do Valor Econômico, no mesmo dia, foi: "Leilão do pré-sal deve atrair investidor, mas incerteza política pesa". Hoje, sexta (21), os dois jornais publicaram um encarte pago pelas petroleiras internacionais com o título: "Adiar exploração das riquezas do pré-sal comprometeria desenvolvimento do país". Tanto os títulos como os textos do material editorial como do encarte publicitário são coincidentes no tom, no espírito e até no estilo redacional.

O encarte foi pago pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), organização das petroleiras internacionais cuja principal função é defender o interesse das gigantes multinacionais do petróleo, numa operação que movimenta milhões de reais em lobby, eventos e iniciativas editoriais e publicitárias, entre outras.

Leia o texto a seguir: "durante os dois anos de governo Michel Temer, uma série de mudanças regulatórias - como a flexibilização da política de conteúdo local e o fim da operação única da Petrobrás no pré-sal - ajudou a criar um clima de negócios mais favorável para as petroleiras. Tanto que, desde 2017, elas já desembolsaram R$ 21 bilhões nos leilões, para aquisição de ativos". Ele foi publicado no editorial de O Globo, na reportagem do Valor ou no encarte publicitário pago pelo IBP? O tom laudatório parece indicar que foi no encarte pago. Mas, não. É um trecho da reportagem do Valor Econômico. Leia reportagem do 247 sobre o editorial e a reportagem, postada ontem (20), aqui.

No começo desta semana, a presidente da ExxonMobil no Brasil, Carla Lacerda, já havia declarado ao jornal que as mudanças regulatórias promovidas por Temer animaram multinacional a voltar aos leilões, em outra reportagem laudatória. Quem vem a ser Carla Lacerda, além de presidente da ExxonMobil? Ninguém menos que a presidente do Conselho de Administração do IBP.

A composição do Conselho do IBP é um clube das petroleiras estrangeiras. O vice de Carla Lacerda, presidente no Brasil da americana ExxonMobil é Leonardo Junqueira, que preside a seção brasileira da Repsol Sinopec (hispano-chinesa). Os outros conselheiros são Adriano Bastos, da BP (inglesa), André Araújo, da Shell (anglo-holandesa), João Clark Filho, da Ecopetrol (Colômbia), Maxime Rabilloud, da Total (francesa), Miguel Pereira e da Petrogal (portuguesa). A Petrobras tem apenas uma pessoa no Conselho, Solange Guedes, mas ela se sente "em casa", porque é uma executiva totalmente alinhada com o pensamento entreguista do ex-presidente da companhia Pedro Parente.

Fonte: Brasil 247

Extraído do site da AEPET - Associação dos Engenheiros da Petrobras 

 


Loading. Please wait...

Fotos popular