Pravda.ru

CPLP » Brasil

Do coronel Kurtz ao capitão Bolsonaro

24.11.2018
 
Do coronel Kurtz ao capitão Bolsonaro. 29945.jpeg

Do coronel Kurtz ao capitão Bolsonaro

Daqui alguns anos, quando uma maior distância dos fatos nos permitir examinar com mais  isenção os acontecimentos políticos de hoje no Brasil, a figura de Jair Bolsonaro poderá ser vista com toda a sua dimensão de um pobre fanfarrão que, mesmo assim, foi capaz de representar um tipo de comportamento de uma grande parte da população.

Em seu livro Siempre nos quedará Paris (título original) o filósofo argentino Jose Pablo Feinmann analisa o comportamento humano a partir de uma série de importantes filmes americanos.

Quando trata do filme Apocalypse Now, que Francis Ford Coppola fez em 1979, ele examina as razões que levam o enlouquecido coronel Walter Kurtz (Marlon Brando) a  se internar nas selvas do Vietnam, onde reproduz em escala menor, tudo que os soldados americanos - teoricamente ainda não enlouquecidos - praticavam na guerra "oficial" contra os vietnamitas.

Diz Feinmann que não se pode fazer uma guerra racionalmente e que o filme é importante porque nos mostra a guerra como uma forma de loucura , onde seus partucipantes acabam assumindo por sua própria loucura que trazem latentes dentro de si e que a guerra, apenas faz aflorar.

Quando o coronel Kurtz, se defronta com o capitão Benjamin Willard (Martin Sheen) enviado pelo exército para encontrá-lo e matá-lo ele diz: "Vocês fazem a guerra igual a mim, em vocês está a barbárie do mesmo jeito que eu a exerço. Sou mais autêntico porque assumo a guerra com toda a atrocidade que a guerra implica.

Mesmo que a violência pregada pelo Bolsonaro, ao contrário do coronel Kurtz, se exerça num plano mais teórico  - afinal, o Brasil ainda não vive numa guerra - ele apenas verbaliza um tipo de proposta com a qual comunga, ainda que não queira confessar isso, uma boa parte da população.

O exército americano realizou uma guerra extremamente selvagem no Vietnam bombardeando populações civis e destruindo a infraestrutura do país, mas seus generais sempre falaram que estavam lutando pela democracia.

O  coronel Kurtz fazia o mesmo, sem qualquer tipo de desculpas.

Durante os governos militares no Brasil, os generais presidentes usaram da violência contra a população, mas raramente admitiam que a faziam . Ao contrário, diziam que estavam defendendo o país da subversão comunista.

O capitão Bolsonaro pretende usar toda essa violência, mas não esconde essa intenção, a exemplo do coronel enlouquecido do filme do Coppola.

O que nos deve deixar horrorizado é que personagens  como Bolsonaro  só são possíveis porque as pessoas carregam esse sentimento de violência  que ele externa, escondido dentro de si e que raramente admitem sua existência..

Bolsonaro funciona como uma catarse coletiva, permitindo que milhões de pessoas - seus eleitores - possam extravasar esses sentimentos menos nobres e continuarem convivendo na sociedade como pessoas aparentemente civilizadas.

Bolsonaro diz o que elas pensam, inclusive na forma tosca da linguagem que costuma usar, permitindo que elas possam continuar se comportando de uma forma normal em seus relacionamentos.

No filme analisado por Feinmann,  o capitão Willard percebe que ao se aproximar do coronel Kurtz se aproxima da loucura que está dentro dele também, porque sabe que "o coração das trevas a que se dirige, é uma viagem ao seu próprio interior, até suas próprias trevas".

Os eleitores do Bolsonaro recusam ase aproximar das razões que os levaram a esse voto insano, porque sabem que isso os levará também a assumir a condição de pessoas violentas e irracionais.

Marino Boeira é jornalista, formado em História pela UFRGS

 


Loading. Please wait...

Fotos popular