Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Pesquisa Anual de Serviços

20.09.2006
 
Pages: 123
Brasil: Pesquisa Anual de Serviços

Base: Ano de 2004 IBGE

A PAS (Pesquisa Anual de Serviços) estimou em 885.266 o número de empresas de serviços não-financeiros operando no Brasil em 2004. Elas geraram R$ 381,0 bilhões de receita operacional líquida, ocupando aproximadamente 7,093 milhões de pessoas, cujos salários e outras remunerações somaram R$ 72,22 bilhões. Em relação a 2003, houve aumentos de 4,8% no número de empresas (eram 844.444); de 11,0% na receita (foi de R$ 343,06 bilhões); e de 9,5% no total de ocupados (eram 6,478 milhões de pessoas). Entre 1998 e 2004, a região Sudeste perdeu participação nacional nos totais de receita bruta (de 68,1% para 65,7%); salários, retiradas e outras remunerações (de 67,1% para 66,3%); e pessoal ocupado (de 60,6% para 59,2%). Apesar disso, ainda se mantém na liderança em todas as variáveis pesquisadas. No mesmo intervalo de tempo, entre as unidades da federação, o Rio de Janeiro teve a maior queda de participação na receita bruta dos serviços no país (-1,5 ponto percentual), enquanto Santa Catarina teve o maior aumento (0,6 ponto percentual).

Como já havia ocorrido em 2003, em 2004 as atividades de Serviços de Informação (telecomunicações, informática, audiovisual, jornalismo e agências de notícias) foram responsáveis pela maior parte da receita operacional líquida do setor (31,6% ou R$ 120,4 bilhões), seguidas pelas de Transportes, Serviços Auxiliares e Correio (30,6% ou R$ 116,4 bilhões). Em relação aos salários e ao número de pessoas ocupadas, as atividades de Serviços Prestados às Empresas1 ficaram com as maiores parcelas (33,1% e 35,7% respectivamente) em 2004 – também repetindo o cenário de 2003. Já em termos do número de empresas pesquisadas, a maior representação, em ambos os anos, foi dos Serviços Prestados às Famílias (31,8%).

Serviços Prestados às Famílias têm menor remuneração e produtividade mais baixa

O grupo de Serviços Prestados às Famílias ocupou, em 2004, uma média de seis pessoas por empresa e gerou uma receita líquida operacional por empresa de R$ 121,0 mil. Apresentou, porém, a menor remuneração média mensal, 1,7 salário mínimo (contra uma média geral de 3,1 salários mínimos) e a mais baixa produtividade média (R$ 21,0 mil). A atividade de maior importância nesse grupo foi a de serviços de alimentação, com R$ 21,6 bilhões de receita (63,4%); 57,8% da massa salarial paga; 63,0% das pessoas ocupadas; e 68,7% do total das 281.629 empresas.

Telecomunicações e informática são destaques entre Serviços de Informação

O grupo de Serviços de Informações apresentou, em 2004, uma das menores participações no número de empresas (58.065 ou 6,6%) e no de pessoas ocupadas (6,3%). As atividades que compõem esse segmento pagaram R$ 11,1 bilhões em salários e outras remunerações (15,4% do total). O grupamento se destacou com receita operacional líquida média de R$ 2,073 milhões por empresa, produtividade de R$ 270,2 mil (bem acima da média, de R$ 53,7 mil) e salário de 7,6 salários mínimos, duas vezes maior do que a média.

As atividades de telecomunicações geraram R$ 79,8 bilhões de receita operacional líquida, 66,3% do total do grupamento. Foram responsáveis ainda por 31,5% da massa salarial, 18,9% das pessoas ocupadas e 2,9% do número de empresas. Tiveram a maior produtividade (R$ 945,7 mil em média), a remuneração mensal mais alta (12,6 salários mínimos) e a maior média de pessoal ocupado por empresa (49 pessoas) do grupo.

O segmento de informática, responsável por 20,3% da receita gerada pelos Serviços de Informação, vem se expandindo rapidamente desde a década passada e obteve a maior participação no total de pessoas ocupadas (59,4%), nos salários e outras remunerações (49,5%) e no número de empresas (82,7%).

Mão-de-obra temporária e serviços de vigilância empregam muito, mas pagam pouco

Em 2004, o grupo de Serviços Prestados às Empresas tinha a segunda maior participação em termos de número de empresas (24,5%); remuneração média de 2,9 salários mínimos; e ocupava 12 pessoas por empresa. A receita média era de R$ 338,8 mil, e a produtividade, R$ 29,1 mil.

Os serviços técnico-profissionais geraram R$ 33,2 bilhões de receita operacional líquida (45,1% do total) e tiveram a maior participação na massa salarial (38,2%). Apesar de a média de pessoas empregadas por empresa ser menor nessas atividades (5 pessoas), a produtividade (R$ 63,9 mil) foi a maior do segmento. Já as empresas de locação de mão-de-obra temporária e as que prestavam serviços de vigilância apresentaram porte médio relativamente alto, mas se caracterizaram por uma mão-de-obra de baixa escolaridade e apresentaram remuneração abaixo da média.

Transporte ferroviário tem empresas de maior porte no setor de serviços

As atividades de Transporte e de Correio geraram 30,6% da receita operacional líquida do setor de serviços (R$ 116,4 bilhões), reuniram 101.310 empresas (11,4% do total) e 1,568 milhão de pessoas (22,1%). Com uma receita de R$ 1,149 milhão, empregaram em média 15 pessoas por empresa.

Pages: 123

Loading. Please wait...

Fotos popular