Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Comércio em alta

16.01.2007
 
Pages: 12
Brasil: Comércio em alta

Vendas vêm subindo desde agosto. Receita nominal cresceu 0,93% em novembro. Ambas as comparações são em relação a outubro, ajustadas sazonalmente. Em relação a novembro de 2005, vendas e receita cresceram 9,22% e 9,09%, respectivamente.

Em novembro de 2006, o Comércio varejista teve variação de 0,56% para o volume de vendas e de 0,93% para a receita nominal, na relação mês/mês anterior com ajuste sazonal. Nas demais comparações (das séries sem ajuste), as taxas para o volume de vendas foram de 9,22% sobre novembro de 2005, de 6,25% no acumulado do ano e de 6,10% no acumulado dos últimos 12 meses. Já a receita nominal cresceu 9,09% em relação a igual mês de 2005, variou 7,50% no acumulado do ano em relação a 2005, e 7,58% no acumulado dos últimos 12 meses, também em relação a igual período anterior.

Trata-se do quarto acréscimo consecutivo do Comércio varejista em relação ao mês anterior, com ajuste sazonal, mantendo a tendência de crescimento observada a partir de agosto, embora com certa perda de ritmo nos dois últimos meses. Na análise da série ajustada, calculada para quatro das oito atividades do setor, só houve resultados positivos: 5,74% para Tecidos, vestuário e calçados; 2,05% em Combustíveis e lubrificantes; 0,51% para Móveis e eletrodomésticos; e 0,22% em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. Na mesma comparação, o segmento de Veículos, motos, partes e peças, que faz parte do Comércio varejista ampliado, cresceu 1,01%.

Já em relação a novembro de 2005, seis das oito atividades do varejo tiveram alta no volume de vendas (por ordem de importância): 9,17% para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; 14,86% para Móveis e eletrodomésticos; 23,90% em Outros artigos de uso pessoal e doméstico; 7,01% em Tecidos, vestuário e calçados; 22,67% para Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação; 3,42% em Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos; -3,11% para Livros, jornais, revistas e papelaria; e -2,58% para Combustíveis e lubrificantes.

Em novembro/06, o segmento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo registrou alta de 9,17% no volume de vendas em relação a igual mês do ano anterior, resultado que o levou a responder por quase metade da taxa global do varejo este mês (Tabela 3). As taxas acumularam 7,64% no ano e 7,01% nos últimos 12 meses. Este desempenho reflete o aumento do poder de compra da população devido ao aumento da massa de salário e estabilidade de preços de produtos básicos.

Em novembro, o segmento de Móveis e eletrodomésticos exerceu o segundo maior impacto no resultado do Comércio varejista, com variação de 14,86% no volume de vendas em relação a novembro do ano passado. Com este resultado a atividade atinge taxas de 10,93% e de 10,74% nos acumulados do ano e dos últimos 12 meses, respectivamente, devido às condições favoráveis de crédito ao consumo, melhoria do rendimento real e do emprego e queda nos preços proporcionada pela concorrência dos importados.

A atividade de Outros artigos de uso pessoal e doméstico, com o terceiro maior impacto na formação da taxa do varejo, cresceu 23,90% em volume de vendas, em relação a outubro de 2005. Englobando segmentos como lojas de departamento, ótica, joalheira, artigos esportivos, brinquedos, etc., esta atividade tem seu desempenho influenciado também pela melhoria do quadro geral da economia, e acumulou, no ano, alta de 17,64% sobre igual período de 2005, e 17,46% nos últimos 12 meses.

A quarta maior contribuição positiva para o resultado global coube ao segmento de Tecidos, vestuário e calçados, que voltou a registrar crescimento este mês, variando o volume de vendas em 7,01% com relação a igual mês do ano anterior. Tal resultado, no entanto, pouco alterou o desempenho acumulado da atividade, que continua posicionado bem abaixo da média, com taxas de 1,95% para os onze primeiros meses do ano e de 2,94% para os últimos 12 meses.

Exercendo o quinto maior impacto positivo no resultado do varejo, Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação obteve alta no volume de vendas, em novembro, de 22,67% sobre igual mês de 2005; acumulando no ano e nos últimos 12 meses, 32,25% e de 37,32%, respectivamente.

Dentre os fatores que determinaram este desempenho, está a expressiva queda de preços dos produtos de informática, bem como sua crescente presença no consumo pessoal de duráveis. Um exemplo foi a redução de 11,5% nos preços de microcomputador, entre dezembro de 2005 em janeiro 2006, segundo o IPCA.

A atividade de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, com a sexta maior participação na taxa global do varejo, teve alta de 3,42% em relação a novembro de 2005, acumulando 3,96% no ano e 4,34% nos últimos 12 meses.

Em novembro, Livros, jornais, revistas e papelaria voltou a registrar queda no volume de vendas: -3,11% sobre o mesmo mês de 2005, depois de um bimestre positivo. As taxas de 0,94% no acumulado do ano e de 0,57% no dos últimos 12 meses conferem à atividade o menor resultado positivo setorial de 2006.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular