Pravda.ru

CPLP » Brasil

Relatório da reunião da Secretaria Executiva Nacional da Conlutas

13.03.2009
 
Pages: 123
Relatório da reunião da Secretaria Executiva Nacional da Conlutas

São Paulo, 9 de março de 2.009

1. Conjuntura e atividades


A reunião fez uma avaliação de conjuntura e dos encaminhamentos de preparação do dia nacional de luta em 1.° de abril. Há ainda uma desigualdade muito grande no encaminhamento das atividades.


Luta contra as demissões
Em algumas categorias o debate e a mobilização contra as demissões começam a ganhar corpo. O destaque são as mobilizações envolvendo a luta contra as demissões na Embraer, em São José dos Campos, encabeçada pelo Sindicato dos Metalúrgicos local, filiado à Conlutas.


A luta dos metalúrgicos da Embraer virou pauta rotineira na imprensa. O Jornal “O Globo” do dia 9 de março publicou dois editoriais, um do próprio jornal defendendo as posições da empresa e outro com a posição da Conlutas, externada pelos companheiros Zé Maria, da Secretaria Executiva e Índio, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos.


A campanha em defesa do emprego e pela reestatização da Embraer deve ganhar corpo em todas as entidades, em particular nos sindicatos, dirigidos pela Conlutas. Um ato político está marcado para o dia 11 de março, às 16 horas, na Câmara dos Vereadores de São José. Confirmaram presença a OAB, CGTB, CTB, MST e Intersindical. As demissões seguem suspensas por uma liminar do TRT de Campinas. O julgamento ainda não tem data marcada, mas, deve ocorrer na próxima semana. Essa mobilização está colocando a Conlutas num papel destacado na luta contra a crise e as demissões.


A Conlutas vai encaminhar junto ao Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos a proposta de confecção de um adesivo para ser usado pelos ativistas em todo o país, de forma a divulgar amplamente a campanha.


Além da luta da Embraer, em outras categorias começam a se esboçar reações aos planos patronais de diminuição de direitos e salários. São os casos da Siderúrgica Valinhos, em Divinópolis/MG e da Arteb, em São Bernardo do Campo/SP, cujos trabalhadores rejeitaram, mesmo sob forte pressão, as investidas patronais.


Preparação do dia nacional de luta
Editamos 500.000 jornais pela Conlutas Nacional, mas em várias regiões os pedidos foram muito pequenos frente às bases sindicais e movimentos populares que já se organizam na Conlutas.


Apesar disso, já foram enviados mais de 420.000 jornais para todo o país e as atividades de panfletagem e agitação estão se iniciando.

As primeiras plenárias começam a ser organizadas nos estados. Minas Gerais e Rio já realizaram suas plenárias. São Paulo marcou para o dia 14 de março.


No Rio Grande do Sul, o CPERS (Sindicato que representa os trabalhadores em educação) assumiu a convocação de atividades da categoria no dia 1.° de abril.


O Sintusp e a Fentect (que representa os trabalhadores dos correios) tem paralisações convocadas na data. O ANDES/SN tirou uma semana de mobilização que incorpora o dia 1.° de abril.
Já as entidades dos servidores públicos federais e a CNESF tiraram um calendário de mobilização e estão discutindo o engajamento no dia 1.° de abril.


Além do movimento sindical, em outros setores começa a organização das atividades do dia nacional de luta.
A Frente dos Movimentos Populares Urbanos programa atividades pelos menos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Ceará.


O Movimento estudantil prepara mobilizações tendo como motes a defesa da meia entrada e a luta contra os cortes de verbas para a educação nas escolas públicas. O governo federal já anunciou um corte de R$ 2 bilhões para as IFES e o governo Serra em SP também anunciou corte de verbas nas universidades estaduais paulistas.


A CTB – Central dos Trabalhadores do Brasil – em sua página na internet está convocando atividades no dia 1.° de abril como parte de uma jornada continental de luta.


A CUT, numa tentativa de confusão e de divisão do movimento, está convocando mobilizações no dia 27 de março. Devemos buscar, nas bases e assembléias das categorias dirigidas pela CUT exigir a unidade na luta contra as demissões e propor a participação no dia nacional de luta em 1.° de abril.


A Conlutas, a partir do chamado à resistência na Embraer, está tentando puxar todas as demais centrais para que se incorporem ao 1.° de abril.


Apesar de seguirmos sob o forte impacto da campanha do governo e da mídia, os indícios de que a crise chegou e que os trabalhadores já estão sendo penalizados começam a ser sentidos amplamente. Precisamos intensificar as atividades da Conlutas e entidades filiadas, disputando a consciência dos trabalhadores para a necessidade de ir à luta em defesa dos direitos, do emprego e contra as demissões. Na esteira dessa luta devemos agitar o programa discutido em nossa última reunião de Coordenação Nacional e que está estampado no jornal especial da Conlutas.


Sobre o caráter do Dia Nacional de Luta
Na preparação das atividades do dia 1.º de abril devemos apostar na construção de um dia com mobilizações nas bases das categorias e outros segmentos sociais (desempregados, movimentos populares urbanos e rurais, juventude etc.).
Isso não significa deixar de realizar atos e passeatas nas capitais e principais cidades do país, masrealizar atividades coladas à base, nos locais de trabalho, estudo e moradia, bloqueios de estrada, greves, paralisações parciais ou atrasos de entrada aonde for possível, indo além da agitação e distribuição de materiais.

Pages: 123

Loading. Please wait...

Fotos popular