Pravda.ru

CPLP » Brasil

Trump e o Brasil

11.03.2017
 
Trump e o Brasil. 26163.jpeg

SÃO PAULO - A se levar em conta declarações e atitudes do novo presidente dos EUA, Donald Trump, o mundo caminha para um ambiente de protecionismo exacerbado, do tipo em que quem pode mais chora menos. A princípio, o Brasil não terá muito a ganhar nesse tipo de ambiente, mas, se o seu governo souber aproveitar as oportunidades, com certeza, o País poderá aumentar o seu intercâmbio comercial com os demais países e blocos.

Milton Lourenço (*)

Com o esvaziamento da Parceria Transpacífico (TPP), depois da saída dos EUA a 23 de janeiro de 2017, o Brasil só tem a ganhar, até porque estava fora do acordo e, para fazer negócio com um de seus sócios, teria de se submeter às regras que seriam impostas pelos signatários do tratado. Formada também por Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã, a parceria TPP estava destinada a ser o maior bloco econômico do mundo e haveria de impor regras de comércio a todo o planeta.

Com a saída dos EUA, não se sabe o que o futuro reserva para a TPP, mas o Brasil, por meio do Mercosul, não agiria mal se procurasse se aproximar comercialmente dos parceiros que continuam a fazer parte do acordo. Aliás, com México, Chile e Peru, que com a Colômbia formam a Aliança do Pacífico, o Mercosul já vem procurando estabelecer pontes para um intercâmbio mais intenso, superando os anos de desconfiança entre os dois blocos que marcaram a presença dos Kirchner à frente do governo argentino e do chamado Partido dos Trabalhadores (PT) do governo brasileiro.

De fato, com o México, o Brasil pode se aproveitar do espaço deixado pelos EUA, em especial na área do agronegócio. Como se sabe, o México é um grande importador de milho e carne dos EUA, mas, se as relações entre os dois países continuarem a se deteriorar, o Brasil pode aparecer como a principal opção para o fornecimento daqueles dois importantes itens.

Se houver uma política norte-americana hostil em relação à China, com o aumento do protecionismo aos produtos dos EUA, o Brasil, da maneira transversal, também pode se beneficiar dessa política, aumentando suas exportações para aquele país. Como se sabe, a China constitui hoje um grande parceiro do Brasil no agronegócio

 Embora se saiba que Trump pessoalmente exale um desconhecimento assombroso a respeito do Brasil, o governo brasileiro não pode deixar de fazer esforços para aumentar o intercâmbio com os EUA. Afinal, hoje, os EUA são o segundo maior parceiro comercial do Brasil, ficando atrás apenas da China, com comércio bilateral de US$ 46 bilhões em 2016.

            No ano passado, o déficit comercial do Brasil com os EUA baixou quase quatro vezes em comparação com 2015, caindo para US$ 646 milhões. Mas não há muito a se comemorar com essa redução do déficit, pois foi provocada pela queda de importações por parte do Brasil, em razão da crise econômica e política que o País atravessou em 2016. Como se sabe que a prioridade dos EUA agora é aumentar as exportações, reduzindo as importações, como se conclui do lema "America first" de Trump, é preciso cautela nesse relacionamento, pois, do contrário, o déficit brasileiro poderá crescer assustadoramente.

_________________________

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br

 


Loading. Please wait...

Fotos popular