Pravda.ru

CPLP » Brasil

A insustentável farsa da rede de Marina ongueira

08.10.2013
 
A insustentável farsa da rede de Marina ongueira. 18964.jpeg

Fernando Soares Campos

Marina Silva nunca teve intenção de fundar um novo partido. O mau exemplo de Heloísa Helena com o PSOL é suficiente para mostrar a ela que se trata de um jogo perigoso. Voltar para o Acre e se candidatar a vereadora, como HH em Alagoas, seria muito humilhante, para ela e para seus atuais mentores. Aliás, lá ela está menos prestigiada do que em outras regiões. Essa "tentativa" de registrar um partido não passou de pura encenação. Umas duas ou três semanas na mídia está servindo para consolidar ainda mais a sua marca de vítima ("vítima do PT"; livram a cara do PV, tentáculo da direita, no qual ela foi vítima de verdade, deixou-se enredar por armações politiqueiras).

 

Muita gente fica repetindo aquilo que a mídia empresarial fez a população acreditar: que ela sofreu perseguição política nesse episódio de fundação da tal Rede Sustentabilidade, ou que começou tarde demais para conseguir organizar, angariar apoios e viabilizar o registro do "partido". Balela! Tudo foi feito exatamente com esse propósito, o de não dar certo. Ela não queria nem quer fundar partido nenhum. Quer mesmo é jogar conforme mandam seus atuais mentores e marqueteiros. Na verdade, seus donos. Ela deve saber que esses seus senhores até poderiam permitir que ela chegasse ao trono, mas com o propósito de fazer como fizeram com Collor de Mello, golpear, caso não atendesse as exigência do "consumidor", ou seja, de quem bancasse sua eleição ao Planalto. Marina sabe que é usada como possível instrumento que possa interromper a ascensão das forças progressistas em nosso país.

 

Tem gente estúpida (pretensos esquerdistas ou progressistas) dizendo que Marina não é diferente de político nenhum. Mas, ao afirmar isso, que ela é "igual a qualquer político", o sujeito pega apenas Lula como exemplo. Quer dizer, no momento em que ele diz "qualquer político", o leitor imagina os degradados, os desmascarados, ou a classe política como uma categoria desclassificada. Porém, quando cita Lula como exemplo na comparação de Marina com politiqueiros, quer apenas dizer que Lula é um canalha como outro qualquer. O indivíduo sabe que Marina será, a partir daí, colocada em escanteio, e o verdadeiro alvo de sua crítica passa a ser Lula. E tome falação.

 

Lula e Dilma não são perfeitos, como ninguém o é, mas são os atuais ícones da competência político-administrativa, espelho para o Brasil e para o mundo. Moderados, sim, reformadores com características de revolucionários. Isso é tudo de que precisamos para a transição gradual de longos períodos de governos subservientes para as verdadeiras conquistas no âmbito da justiça social. Dizer que Marina é igual a qualquer político e não apontar exemplos de políticos canalhas, apenas generalizar os políticos como canalhas e, em seguida, nominar apenas Lula como um igual a Marina, fazendo assim com que Lula, o verdadeiro alvo do idiota, seja, por tabela, equiparado aos cretinos, isso é de uma sutileza tal que nem todo capacho da direita é capaz de ser tão ardiloso.

 

Em relação aos verdadeiros canalhas corruptos, os sujeitos não apontam as similitudes de Marina com eles. E, por não poderem equiparar Marina a Lula diretamente, apenas comparam e até apontam "certas diferenças". Mas as diferenças de que eles falam são apenas de ordem estratégica, no campo das ideias e propostas, que podem ser tomadas como populismo, ou, pior, demagogia de ambos. 

 

Eles não falam do ser humano em si, das intenções nobres, da moral praticada e da ética adotada, das diretrizes estabelecidas, da esperança alimentada em bases realistas; nada disso, basta escrever umas baboseiras ao alcance dos seus pares leitores, seu público cativo, pessoas que deles esperam apenas a confirmação do que já imaginam e desejam, pessoas que esperam apenas massagens no ego, gente que tem "medo do novo". Ora, ninguém tem medo "do novo", isso é balela. A gente tem "medo" ou receio do velho com cara de novo, do recauchutado vendido como último modelo. Até apreciamos maquiagens, achamos bonita a mulher maquiada, turbinada, mas nos deslumbramos mesmo é quando vemos uma cabocla extremamente bonita ao natural. E isso Marina deixou de ser há muito tempo. Ela não soube amadurecer politicamente, deixou-se enganar e agora quer ser uma enganadora, o oprimido que quer ser opressor. Mas os mestres em enganação, maquiavélicos autênticos, se divertem com ela, que trocou a sabedoria pela esperteza e perdeu a noção da própria esperteza, de tal forma que não se lembra que "malandro demais se atrapalha". Marina e tantos outros que se deixaram levar pela mídia empresarial, em que tudo não passa de produto a ser consumido, terá sempre momentos de falso brilho, seguidos de longos períodos trevosos, sobrevivendo à base de antidepressivos; "naturais", claro!

 

Rede Sustentabilidade - um partido político ou uma ONG politiqueira?

 

No plano político-partidário, podemos sim admitir que Marina Silva prefira que seu "partido" seja assimilado pelo eleitorado como sendo uma ONG. Isso por um motivo fundamental: porque, em nosso País, o exercício das atividades essencialmente políticas vem sendo deliberadamente desmoralizado por políticos que estão há muito tempo desacreditados, desmascarados, gente que, quando já não consegue sustentar a canastrona representação  do papel de vestal, tenta fazer  a população enxergar qualquer político como um político qualquer, e uma instituição como o Congresso Nacional passa a ser vista como o "antro" em que  todos os políticos estariam comungando com as mesmas más intenções e credos profanos. Até "confraternizando-se" pela absolvição de corruptos. Apesar de ainda sustentarem a farsa de que são "menos piores", querem que acreditemos que "todos são igualmente canalhas" e até vão além disso: tentam fazer os infelizes eleitores crerem que a canalhice é um instrumento "natural", do tipo "os fins justificam os meios". 

 

Também, apesar de Marina Silva ter saído de um dos raros partidos políticos brasileiros que podem ser classificados como agremiação essencialmente político-partidária, o Partido dos Trabalhadores, este é apresentado insistentemente pela mídia como o partido dos "mensaleiros". Quer dizer, para onde ela for, estará se unindo a gente supostamente "idônea".

 

Desde que deixou o PT, Marina está sendo usada para tirar votos dos progressistas, dos petistas, lulistas-dilmistas e aliados.  Aproveitam-se do seu rancor, alimentam suas mágoas e sua inveja. Invertem o sentido de ingratidão: ingratos seriam os petistas, que não teriam reconhecido a contribuição dela para com o PT, dizem ser uma contribuição ainda mais importante do que a dos fundadores do partido. Assim, ela é quem se passa por vítima, quando as verdadeiras vítimas são aqueles que acreditaram nela, que votaram nela, que a elegeram da vereança ao senado, por ela ter-se engajado às propostas e programas do PT. Marina se vale de determinadas atitudes governamentais, projetos que necessitam de empenho político-administrativos e que não puderam ser implementados ou que o foram contrariando alguma proposta inicial da agremiação. Ela sabe as razões de essas coisas terem acontecido dessa maneira, ela sabe das dificuldades que é governar uma nação de múltiplas nações, mas o despeito, a inveja, o rancor, o ódio mesmo, por ela não ter sido atendida no seu projeto pessoal (ser candidata à Presidência da República pelo PT) turvam e dissimilam sua consciência. E Marina ainda é capaz de dizer que luta contra as forças demoníacas. Não percebe, ou finge não perceber, que está a serviço delas.

 

Certamente, e principalmente depois da internet, não dá mais para vender um Collor de saias, um caçador de corruptos endinheirados. Agora é preciso fazer de Marina uma impoluta defensora dos direitos humanos, via ambientalismo ongueiro, socialismo liberal, moral seletiva sob a regência Divina, eterno futurismo; linguajar culto, mas facilmente compreendido por semialfabetizados, de forma que possa facilitar a "trabalho sujo" dos fazedores de opinião, e estes possam fazer a cabeça das madames, das suas crias mimadas, de jovens alienados e dos capitães-do-mato, que, por sua vez, sem o poder de fogo de sindicalistas, tentarão influenciar porteiros, empregadas domésticas, encanadores, faxineiros, eletricistas, pipoqueiros, seguranças, vigias, jornaleiros, balconistas, caixas de supermercado, ambulantes, vendedores, garçons, cartomantes, passadores do jogo do bicho e tantos outros trabalhadores autônomos de baixa renda. Enfim, é preciso que se ponha em prática um pragmatismo o mais abrangente possível. Pra isso basta uma Marina Arrelique, não propriamente uma panaceia, uma salvadora da pátria, mas tão somente um arrelique, mesmo assim um arrelique eleitoral, um purgantezinho que provoque catarse na parcela idiotizada da classe média, que não é uma fatia insignificante, é bastante considerável, já foi utilizada muitas vezes com sucesso. É gente que "vive o momento", para quem o futuro é construído com uns minguados caraminguás na caderneta de poupança, pessoas apegadas a ninharias, mas sonhando com uma tal mobilidade social que venha a lhes garantir acesso à ostentação, ao fausto.  É gente individualista, egoísta, invejosa, despeitada, idiossincraticamente instável, medrosa com ares de valentia. São indivíduos confusos, de mentalidade caótica, desconexa; sujeitos complexados, complexos oscilantes (ora de superioridade, ora de inferioridade). Não são propriamente dicotômicos, pois nunca enxergam sequer as interfaces das realidades, menos ainda as nuances; são, em geral, maniqueístas: Deus é Deus e Nicuri é o diabo!

 

Saltar de galho em galho, como as raposas, os ratos e as serpentes politiqueiras fazem há muitos anos, mudando de partido como quem troca de cueca, isso Marina não queria, ou, pelo menos, não quer que a encarem como uma desesperada que se agarra a qualquer boia salva-vidas que lhe jogarem; pois, em relativamente curto espaço de tempo,  ela apanhou o suficiente para entender que essa prática só "beneficia" a ralé periférica das instituições políticas, o "baixo clero". E Marina, uma galinha que já experimentou voos de águia (de vereadora em Rio Branco a senadora da República e ministra cortejada por entidades de todo o mundo, teve até mesmo um bom desempenho eleitoral para presidente da República), hoje não passa de uma "urubua" metida a condor, ou, na verdade, uma condottiere, uma aventureira de meia tigela, que torce para que toda a imbecilidade que vem fazendo dê certo. Marina quer fazer barba, cabelo e bigode, mas, pelo andar da carruagem, vai fazer apenas os pentelhos da classe média se ouriçarem um pouco mais. Marina está destinada a ser a meia-bomba de eleitores incautos e dos assumidamente imbecilizados.

 

Depois da farsa espetacular que foi o registro da tal Rede Sustentabilidade, acaba de se filiar ao PSB, na facção de Eduardo Campos.

 

Marina não quer ser um Collor de saias nem uma Heloísa Helena domada. Eduardo Campos não quer ser um Roberto Freire cão de guarda nem um Collor recauchutado, fotocópia da fotocópia mal tirada. Mas uma coisa é não querer ser, outra é ser sem querer querendo.

 

Marina Silva e Eduardo Campos juntos a partir de agora representam um pacto da Mulher Gato com Batman, a fim de derrotarem a Mulher Maravilha. O Coringa nunca se divertiu tanto.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular