Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Produção nacional cresce

06.09.2006
 
Pages: 12

No indicador acumulado janeiro-julho frente a igual período de 2005, o crescimento de 2,7% reflete o aumento em vinte e uma atividades. A fabricação de máquinas para escritório e equipamentos de informática (56,8%) mantém a liderança em termos de impacto sobre o índice geral, com destaque para os itens computadores e monitores. Outras contribuições positivas relevantes vieram da indústria extrativa (8,1%), sobretudo em função da expansão na produção de minérios de ferro e petróleo, e do setor de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (14,3%) devido, principalmente, ao aumento no item transformadores. Em sentido oposto, entre as seis atividades em queda, destacam-se: outros produtos químicos (-3,0%), madeira (-8,7%) e vestuário (-7,4%).

Por categorias de uso, ainda no indicador acumulado no ano, o perfil de crescimento ao longo de 2006 confirma o maior dinamismo observado na produção de bens finais: bens de consumo duráveis (6,6%), bens de capital (5,5%) e bens de consumo semi e não duráveis (2,8%) avançam a um ritmo acima da média global (2,7%). Por outro lado, a produção de bens intermediários (1,9%) mostra desempenho mais moderado, ao mesmo tempo em que, segundo dados da FUNCEX, o volume (quantum) das importações de bens intermediários atinge 13,0% de crescimento nos sete primeiros meses de 2006.

Em síntese, o avanço de 0,6% da produção industrial em julho último sobre o mês anterior, leva o índice de média móvel trimestral a manter suave trajetória de crescimento. Desde abril passado esse índice apresenta discreto aumento frente ao mês anterior, tendo acumulado nestes quatro meses taxa de 0,8%. Segundo essa mesma comparação, no corte por categorias de uso, o setor de bens intermediários mostra avanço de 1,4%, sendo a única categoria com ritmo acima da média da indústria. Bens de capital (0,6%) e bens de consumo semi e não duráveis (0,4%) também registram saldo positivo nessa comparação, enquanto bens de consumo duráveis (-2,1%) aponta clara desaceleração.

Prof. Dr. Ricardo Bergamini
ricoberga@terra.com.br
rbfln@terra.com.br

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular