Pravda.ru

CPLP » Brasil

Oi Siricoté: os quilombolas de Barreirinha

06.05.2018
 
Oi Siricoté: os quilombolas de Barreirinha. 28716.jpeg

Oi Siricoté: os quilombolas de Barreirinha

 

por José Ribamar Bessa Freire(*)

 

Para Thiago e Aurélio, dois poetas do Andirá

 

Barreirinha era, então, um pequeno povoado molhado pelas águas verdes e ainda não poluídas do Andirá - o rio dos índios Mawé, onde dona Maria, a mãe de Thiago de Mello, muitos anos antes, lhe dera o primeiro banho. Tinha menos de mil moradores, uma igrejinha, o grupo escolar, a sede da prefeitura e duas únicas vias. A "Rua da Frente" contemplava o rio. A "Rua Detrás" olhava a floresta e a campina com suas palmeiras de tucumã-piranga e capins altos que dançavam um balé verde-amarelo farfalhando ao sabor do vento.

 

Foi esta "Princesinha do Andirá" que viveu dias de glória em agosto de 1961 na festa solene da padroeira Nossa Senhora do Bom Socorro, quando recebeu a visita pastoral de Dom Arcângelo Cerqua, um napolitano de 44 anos, guloso, com barba farta, recém-nomeado bispo prelado de Parintins, cuja fama de cantor, compositor e poeta se espalhara pelo baixo Amazonas. Esse Pavarotti de igarapé, enquanto se ensaboava no banheiro da Prelazia, costumava cantar "O Sole Mio", com sua voz estrondosa que despertava a inveja dos puxadores de toada do Garantido e do Caprichoso.

 

- Temos que receber o bispo com dança memorável e comida opípara - decretou o prefeito de Barreirinha, Aurélio Andrade, em reunião da comissão organizadora para definir a programação oficial e o menú. Convinha paparicar o prelado, porque Barreirinha havia dado o seu grito do Ipiranga, digo, do Andirá, emancipando-se de Parintins politicamente, mas não eclesiasticamente.

 

- "Teatro" - sugeriu dona Alice, a primeira dama, propondo a encenação de uma peça contando a história da cidade, cuja origem é a Missão de Andirá, fundada em meados do séc. XIX pelo capuchinho Pedro de Ceriana, que "tratava os índios com o despotismo de um régulo" e retornou podre de rico para a Itália,"carregado de avultado pecúlio", segundo fofocou Frei Bernardino de Souza em suas "Lembranças e Curiosidades do Amazonas" (1873). Na peça haveria, padres, comerciantes, índios e negros.

 

As três pretinhas

 

Um dilema: quem interpretaria o índio Crispim de Leão, que se rebelou, incendiou a Missão e morreu assassinado? Em toda Barreirinha, apenas dois atores tinham o physique du rôle: um era Thiago de Mello, que já havia embarcado de mala e cuia para o Rio de Janeiro. Sobrava Cordeiro, irmão do prefeito, mas foi descartado por sua atuação desastrosa em peça sobre a guerra civil espanhola que quase acaba em tragédia. Ele representou Satanás na luta contra o Anjo e, ao soltar chamas pela boca cheia de querosene, tocou fogo na própria roupa e teve de sair correndo, iluminado, para se atirar no Andirá, cujas águas apagaram o incêndio do homem-bomba. Não era capaz de brincar com fogo.  

 

Foi aí que dona Alice teve uma ideia genial para solucionar a falta de atores:

 

- Vamos encenar o Siricoté, a dança das três pretinhas da Guiné.

 

Seria fácil encontrar as pequenas atrizes. Quem interpretaria as crianças negras? Buscaram em Matupiri, no Andirá, onde se refugiou no séc. XIX o angolano escravizado Benedito Rodrigues da Costa. Mas a comunidade, desconfiada, recusou o convite, porque conhecia versão racista do Siricoté, cuja letra dizia que "as três pretinhas da Guine encontraram o amigo chimpanzé". Aurélio lhes explicou pacientemente que a variante de sua proposta era outra: combatia o racismo e denunciava os maus tratos dispensados aos negros escravizados. De nada adiantou.

 

O prefeito respeitou a recusa e diante do impasse escolheu suas próprias filhas para representarem as pretinhas da Guiné: Fátima (11 anos), Magela (10) e Bernadete (8). Na regra três, Paula Frassinete (7). A melodia era a mesma que recebera tratamento violonístico do maestro Guerra Peixe, numa versão que fala de Peixinhos da Guiné, registrada por Guilherme Neves em Cachoeiro de Itapemirim (ES). A letra, embora lamente "a perda do que era bom na África, é cantada, porém, com muita animação", como assinala Maria Inês Almeida, que pesquisou o véu da invisibilidade da negritude. A direção do espetáculo era do próprio Aurélio e o figurino da dona Alice.

 

O bispo e a capivara

 

Chegou, enfim, o grande dia. Sentados na primeira fila os convidados de honra: o bispo, o padre Santis, a irmã Antonieta e a professora Jeny do Grupo Escolar Padre Seixas, as autoridades civis, eclesiásticas e até militares - um sargento da PM. As três meninas subiram ao palco com o corpo inteirinho pintado de carvão, trajando vestidos de organdi-bangu, com botões de várias cores, debruns com viés coloridos, costurados por dona Alice na sua máquina Singer. Modelitos de papel celofane e enormes laços na cabeça completavam o figurino, que dava realce aos olhos. Com passinhos saltitantes, começaram a dançar e cantar:

 

Eu lá na minha terra, vivia como rainha. 

Aqui na terra dos brancos, eu só vivo na cozinha.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné.

II

Eu lá na minha terra, dormia num colchão 

Aqui na terra dos brancos, passei a dormir no chão.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné

III

Eu lá na minha terra, comia tanta galinha.

Aqui na terra dos brancos, passei só a comer farinha.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné

 

Ninguém jamais foi tão ovacionado em Barreirinha. Os aplausos ecoaram pelo Andirá e Paraná do Ramos. "É como se eu estivesse" - exagerou o bispo - "no Teatro Scalla de Milão e não na casa do prefeito". Disse isso durante o almoço, quando convidou as "três pretinhas" a se apresentarem em Parintins, enquanto devorava avidamente a "pièce de résistance" -  um bife de capivara com arroz branco e polenta temperado com pimenta do reino, cominho, colorau e cebola, que só dona Alice sabia fazer, além, é claro, de deter o segredo para tirar o cheiro desagradável do bicho.

 

Com fama de glutão e de raspa-tacho, o bispo se atracou com a capivara, comeu metade dela e ainda papou quatro vezes a sobremesa imbatível de cupuaçu, cujo creme salpicou sua barba de arame-farpado, numa imagem que não foi registrada devido à inexistência de máquina fotográfica em Barreirinha e de não coincidir com a passagem do regatão que tirava foto e a vendia num monóculo.

 

Alma negra

 

Aurélio não está mais entre nós, mas ele e Alice deixaram sementinhas da flor da solidariedade plantadas nos corações das filhas. As suas pretinhas da Guiné saíram vida afora dançando o siricoté, duas delas já na outra dimensão. O carvão nunca mais saiu da pele delas. Magela que, com os anos enegreceu sua alma, mergulhou fundo nas comunidades quilombolas do Andirá como pesquisadora do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, talvez o projeto mais sério de toda a Amazônia nesse campo, coordenado por Alfredo Wagner de Almeida, que orientou sua tese de doutorado.

 

Quilombolas do Rio Andirá é uma publicação organizada por eles dois dentro do Projeto Mapeamento Social como instrumento de gestão territorial contra o desmatamento e a devastação, destinado à capacitação de povos e comunidades tradicionais. A essa publicação se somou o livro com relatos de Maria Amélia dos Santos Castro, líder da Federação dos Quilombos do Andirá, cinco dos quais já reconhecidos pela Fundação Palmares.

 

Por causa desse reconhecimento que lhes garante a terra, Maria Amélia, bisneta de escravo, está sofrendo ameaças de pistoleiros do agronegócio, na medida em que o Rio Andirá, pelo potencial de recursos naturais, se tornou grande atrativo para madereiros e pecuaristas, que criaram conflitos no momento em que foram notificados pelo Incra sobre a retirada do território quilombola. Ela completa 58 anos no próximo dia 13 de maio. É uma mulher de fibra. Mãe de oito filhos, morou um tempo em Manaus, vendendo doces nas ruas e adornando porta-guardanapos com tampinhas de garrafa pet.  Concluiu o curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e retornou ao caminho da roça.

 

- Ser quilombola é questão de orgulho... Ninguém mais se envergonha de ser negro - ela disse.

 

A parte sadia do Amazonas não pode permitir que ataquem a nossa pretinha angolana do Andirá. Oi Siricotá! Oi Siricotá! Somos todos pretinhas do Andirá. 

 

P.S. Bibliografia:

  

1) Ranciaro, Maria Magela Mafra de Andrade. Os cadeados não se abriram de primeira: processos de construção identitária e configuração do território de comunidades quilombolas - Município de Barreira/Am. Tese de Doutorado. UFAM. 2016

2) Amélia, Maria: Trilhas percorridas por uma militante quilombola: vida, luta e resistência! Rio. Casa 8, 2016. 

3) Almeida, Alfredo W. e Ranciaro, Magela (orgs) - Quilombolas do Rio Andirá.Manaus. UEA. 2014

4) Dados sobre Guerra Peixe e o Siricoté encontrados em Corradi Jr, Cláudio José:César Guerra-Peixe: suas obras para violão. Dissertação de Mestrado. ECA-USP. 2006 Dados sobre o Siricoté podem ser encontrados também na dissertação de Maria Inês Almeida defendida em 2014 na Universidade Federal do Ceará.

 

(*)José Ribamar Bessa Freire, doutor em Letras, é professor da Pós-Graduação em Memória Social da UNIRIO e coordenador do Programa de Estudos dos Povos Indígenas da UERJ. Foi professor em universidades peruanas e em cursos para professores indígenas. Publicou livros e artigos no Brasil e no exterior.   

 


Loading. Please wait...

Fotos popular