Pravda.ru

CPLP » Brasil

Sex Shop: 68% são mulheres

06.03.2014
 
Sex Shop: 68% são mulheres. 19924.jpeg

RIO DE JANEIRO/BRASIL - Frequentar um sex shop não é mais motivo de vergonha e nem algo imoral para muitas mulheres. Elas perderam a timidez na hora de comprar artigos eróticos! Tanto é verdade que uma pesquisa divulgada em 2012 e realizada pela Sophia Mind revelou que 19% das mulheres frequentam um sex shop, e 52% já entrou alguma vez num estabelecimento erótico. Para 51% delas, os principais motivos de frequentar esse tipo de estabelecimento são surpreender o parceiro e sair da rotina.

Por ANTONIO CARLOS LACERDA

PRAVDA.RU

 A pesquisa, realizada com 512 mulheres internautas de todo o Brasil com idade entre 18 e 60 anos, apontou algo que especialistas em sexualidade concordam: dar uma passadinha num sex shop pode melhorar o relacionamento. Não apenas na vida sexual, mas também nos quesitos intimidade e confiança na relação. Além disso, as mulheres são as principais consumidoras do mercado de produtos eróticos.

 

A informação é confirmada com base numa outra pesquisa divulgada em abril de 2012 pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme). O público feminino representa 68% do setor de artigos eróticos. Além do mais, 45% são casadas ou estão numa união estável, 39% namoram, 10% são solteiras, 4% são separadas e 2% não responderam.

 

Para a psicóloga especialista em sexualidade, Juliana Bonetti, uma ida a um sex shop vai exercitar sua curiosidade a respeito de assuntos ligados à sexualidade e ainda colocar você em contato com uma atmosfera mais sensual. "Vai fazer ainda você entrar em contato com suas fantasias, desejos e aspectos sexuais mais íntimos que são, às vezes, até desconhecidos. E por ser algo novo na vida de muitas mulheres, essa ida pode mobilizar ansiedade, mas não há o que temer", aconselha a psicóloga.

 

Se você é 'marinheira de primeira viagem', não tema: a coaching de produtos eróticos e educadora sexual, Neusa Pandolfo, deu algumas dicas para você não ficar tímida e se sentir à vontade nesse universo de prazer. Para as tímidas de plantão, a dica da coaching é olhar sempre o perfil da sex shop, optando até mesmo pelas boutiques eróticas, que costumam ter um atendimento mais diferenciado e produtos mais delicados.

 

"Se a pessoa é tímida, não adianta entrar num lugar cheio de pênis e vaginas penduradas, por exemplo. Ela tem de ir a um lugar aonde ela vá se familiarizando aos poucos com os produtos eróticos", diz Neusa.

 

A especialista em sensualidade, Fernanda Pauliv, que dá cursos e palestras nas áreas de sensualidade e autoestima para mulheres, explica que ser criativa na hora da sedução ajuda a espantar a rotina. Embora isso não seja nenhuma novidade, nem sempre é fácil ficar 'tirando coelhos da cartola' e ter, a todo o momento, uma ideia para seduzir. 'Utilizar alguns produtos vendidos em sex shop já é, por si só, uma forma de variar o cardápio e apimentar a relação sexual. Então, para quem gosta de ter sempre um tempero extra, ter alguns produtos guardados numa nécessaire íntima pode ser a saída perfeita para os dias menos inspirados', recomenda Fernanda.

 

Ir com o parceiro junto a uma loja também é uma ótima forma de descobrir as suas fantasias mais secretas. A dica da expert em sensualidade, Fernanda Pauliv, é deixá-lo passear livremente e observar por quais itens ele demonstra mais interesse. Além, claro, dos que ele passa reto e, logicamente, quais são aqueles que fazem os olhos dele brilhar e o sorriso aparecer no canto da boca. As reações 'instintivas' e não planejadas quando vemos algumas coisas são as mais verdadeiras a respeito de como nos sentimos em relação as elas. Desse jeito, fica mais fácil 'ler' o que se passa na cabeça do outro e acertar na escolha dos produtos nessa e em futuras compras', recomenda.

 

Como o perfil das lojas mudou muito e não são mais locais 'proibidos', a maioria das mulheres já se sente confortável em frequentá-las. Isso é maravilhoso, pois, cada vez mais elas estão se permitindo investir no próprio prazer e também no bem estar da relação. Com isso temos mais casais felizes e tendo muito mais prazer juntos. 'Sem falar que desaparece aquele sentimento desconfortável da mulher de achar que ela é a única do mundo que curte ese tipo de coisa', conta Fernanda Pauliv.

 

A indústria de produtos sensuais é uma fonte inesgotável de lançamentos. Mesmo quando você acha que já viu de tudo, eles aparecem com novidades. Seja um sabor novo para um gel que já é sucesso na sua cama ou até produtos que prometem aumentar a libido. É praticamente impossível entrar numa loja e sair dela sem uma sacolinha repleta de novidades eróticas. Existem opções que atendem desde as mais tímidas até as experts no assunto.

 

Numa pesquisa realizada pelo site de relacionamentos casuais C-Date, 94% das pessoas ainda não realizou sua fantasia secreta. Na lista de fantasias preferidas pelos usuários estão a enfermeira (42%), professora (28%), policial (20%) e bombeiro (11%). Fantasias sexuais, adereços, uniformes sensuais, etc, a variedade num sex shop é enorme para quem quer realizar seus desejos. Claro, a fantasia deve ser realizada sempre quando o parceiro concorda e se sente à vontade.

 

'Trabalho muito com terapeutas de casais, ginecologistas, médicos, psicólogos, e muitos desses produtos são recomendados por esses especialistas na ajuda do autoconhecimento da mulher. E as que usam os brinquedos eróticos, sozinhas, têm um desenvolvimento infinitamente melhor com seu parceiro', explica a educadora sexual Neusa Pandolfo. Uma dica: quando for o momento de levar algum brinquedo erótico para a relação a dois, a dica é que você compre o produto para, inicialmente, experimentar em si mesma.

 

Escolha o sex shop onde a atendente explique como usar o produto. 'É primordial o atendimento nestes lugares porque o mercado erótico não tem regulamentação e os produtos não vem com bula, por assim dizer. Um gel de massagem corporal, por exemplo. Ele não é para usar no corpo, é um gel para sexo oral. Ou seja, se não tiver atendimento apropriado a pessoa vai utilizar o produto errado e aí estraga tudo', explica Neusa.

 

A dica da colunista de amor e sexo do Tempo de Mulher, Regina Racco, que é professora de ginástica íntima, é para as tímidas e envergonhadas. Segundo ela, as mulheres com esse tipo de perfil podem optar por fazer uma visita a um sex shop online. 'Nesses sites é possível explorar as possibilidades com brinquedinhos, objetos de sadomasoquismo, óleos quentes etc. Faça uma compra (não precisa ser cara), e selecione apenas alguns objetos para apimentar o sexo. Neste caso, a 'pimentinha' nem é a compra em si e, sim, o casal faz uma busca na loja virtual e visualizar objetos que remetam ao prazer e às brincadeiras eróticas', recomenda Regina.

 

A dica da psicóloga especialista em sexualidade, Juliana Bonetti, é ir a um sex shop junto com as amigas. 'A atmosfera pode mobilizar uma conversa feminina em que as mulheres poderão se expressar, compartilhar, dividir, escutar experiências, dificuldades, situações sexuais inusitadas etc. E isso tudo de maneira descontraída e leve. Umas poderão até encorajar as outras que nunca tiveram coragem de ir a um sex shop', explica Juliana.

 

Esta vivência acolhedora, completa a psicóloga, pode trazer benefícios para a vida sexual individual de cada uma. Pois mexe com alguns complexos psíquicos, quebra ideias conservadoras a partir de experiências relatadas e traz suavidade para alguma situação difícil que se viveu sexualmente e que foi possível ser dividida ali, entre as amigas.

 

'Atualmente existem vários tipos de vibradores e a mulher pode se beneficiar do uso dessas 'tecnologias' para se dar prazer. Isso porque ela começa a usufruir destes aparelhos, tendo experiências de autoerotismo intensificadas e orgasmos potencializados', ressalta Juliana Bonetti.

 

ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU

 


Loading. Please wait...

Fotos popular