Pravda.ru

CPLP » Brasil

Os golpistas não dão trégua

04.12.2014
 
Os golpistas não dão trégua. 21248.jpeg

Impeachment, de Lula a Dilma: os golpistas procuram pelo em casca de ovo para encobrir rombos bilionários e assassinatos.

O primeiro grande golpe contra o governo Lula, pelo menos o golpe aberto ao conhecimento da Nação, ocorreu em meados de 2005, com o chamado escândalo de "mensalão". Hoje falam que, naquela ocasião, o golpe do impeachment não se consumou porque o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso teria preferido fazer o presidente Lula "sangrar", ou seja, Lula teria sido poupado, naquele momento, apenas para que FHC tivesse oportunidade de extravasar seu sádico instinto, ou desfrutasse do seu doentio prazer de vingança.

Fernando Soares Campos 

Mas... vingança contra o quê?

Vingança contra a ousadia de um "analfabeto", um "jeca", um "baiano", um "peão", que se aproveitou de um momento de descuido das elites abastadas e não cumpriu o ritual dos miseráveis que se arriscam em "aventuras" políticas.

Entretanto a verdade é outra. FHC et caterva amarelaram, botaram o rabo entre as pernas e mudaram de plano. Essa história de "deixar sangrar" é balela.

Como assim, "ritual dos miseráveis que se arriscam em 'aventuras' políticas"? Amarelaram por quê?

Gente da laia de FHC acredita que indivíduos da classe trabalhadora devem fazer política como os militares das classes subalternas fazem suas carreiras.

Nas Forças Armadas, o indivíduo que iniciar carreira pelas classes subalternas não têm o direito de alcançar postos de comando nem de chegar aos mais altos postos da hierarquia militar.

Se um brasileiro for admitido em qualquer das corporações das Forças Armadas como recruta ou sargento, está ele destinado a alcançar, no máximo, o coronelato. Raríssimos chegam aí. A grande maioria encerra a carreira como sargento, alguns como suboficial. E de nada adianta estudar para se tornar um general, almirante ou brigadeiro. A não ser que o subalterno dê baixa ainda muito jovem, preste exames para uma das academias militares, seja aprovado e inicie nova carreira militar (o que ficou para trás conta apenas como tempo de serviço para efeitos de aposentadoria/reforma).

Mas o que isso tem a ver com política?

Os golpistas estão acostumados a lidar com gente não apenas subordinada, mas submissa, capachos, inclusive pseudo-esquerdistas que fazem o jogo político, conscientes de estarem fazendo o papel de rato para o gato, de empregado para o patrão, de serviçal para o senhor de suas vontades. São indivíduos que aceitam comer pelas beiras, servem para ordenhar as vacas gordas e magras do Estado e, quando muito, se elegem para cargos legislativos nos âmbitos municipal e estadual, ou, com muita sorte e subserviência, conquistam uma vaga numa das casas do Congresso.

O jogo sempre foi esse, até que ocorreu a ascensão de candidatos do Partido dos Trabalhadores a importantes prefeituras de capitais e cidades de grande porte. O PT cresceu, ganhou inicialmente aquilo que precisava para chegar à Presidência da República e a governanças estaduais: o apoio da classe média; em seguida vieram os trabalhadores da base da pirâmide social.

Se fôssemos teorizar aqui sobre as razões que fizeram Lula chegar à Presidência da República, teríamos que nos estender em laudas e mais laudas. Mas, em resumo: Collor foi eleito para que se evitasse Lula; Lula, por sua vez, conseguiu chegar à Presidência porque, entre outros fatores, precisavam evitar a ascensão de Brizola.

Quando Collor foi eleito, no dia da eleição, reconhecida sua vitória, eu mesmo disse em casa: "Os que colocaram ele lá são os mesmos que vão derrubá-lo". As cartas estavam marcadas e os trapaceiros sabiam usá-las. Collor, apesar de ter nascido na casa grande, no Rio de Janeiro, sua raízes estão fincadas no Nordeste, e, para essa gente que se alternava no poder há séculos, o Nordeste do início deste século 21 só tem importância política do ponto de vista eleitoral, e coronéis de engenho perderam espaço para os coronéis eletrônicos, estes hoje são considerados demagogos mais eficientes que aqueles.

Caixa dois, compra de voto, fraude em eleições, nada disso é novidade para aqueles que usam essas armas para se eleger; mas são suficientes para se evocar um falso moralismo capaz de derrubar quem quer que ouse cruzar seus caminhos. Tiraram Collor do Planalto como quem diz: "Vá pra casa, garoto, você já brincou bastante de presidente".

Pensaram que poderiam reeditar o teatro armado contra Collor. Acreditaram que poderiam usar o argumento do caixa dois contra o PT e o governo Lula (coisa utilizada por todos os políticos deste país, até porque a legislação, de certa forma, obriga a isso). Quebraram a cara.

O PT fez caixa dois como qualquer partido já fez, faz e fará. E, por isso mesmo, os golpistas estavam tranquilos. Mandaram o Roberto Jefferson espalhar que o caixa dois petista era "mensalão", compra de voto de parlamentares para aprovar projetos do governo Lula. O pau-mandado-rabo-preso cumpriu sua parte e saiu de cena, sacrificou seu próprio mandato e, apesar de ter apostado na impunidade, acabou pagando com a própria liberdade. Dedo-duro falsificado se dá mal, os delatores de hoje precisam ver nele um exemplo e não ser seguido, quem mentir ou já mentiu vai tomar uma punhalada nas costas.

 

Deflagraram o escândalo do "mensalão". Até comemoraram: "Trinta anos sem essa raça para atrapalhar nossos planos de venda do que restou depois de FHC".

 

Prepararam o impeachment.

 

Mas aí o bicho pegou!

 

Como assim?!

 

Sentiram que Lula não era Collor. Com Lula o buraco era mais embaixo. Lula tinha o apoio do povo, apoio de gente disposta a defender o governo até as últimas consequências.

 

Como assim?!

 

Pessoas dispostas a derramar seu próprio sangue por uma causa.

 

Como assim?!

 

Ora, disposição para matar ou morrer em defesa dos seus direitos.

 

Como assim?!

 

Como em Honduras! Como em Cuba! Como na Venezuela! Como na Bolívia! Como no Brasil nos tempos da "redentora"! Como as Farc na Colômbia! Como no Vietnam! Como na China! Como na Nicarágua sandinista! Como no Chile, no Uruguai, na Argentina, na Palestina, no Iraque, na Coreia, na Rússia, em Angola... Enfim, como se derrama sangue em qualquer parte do mundo.

 

Depois disso, muitas foram as tentativas de enredar Lula num processo de impeachment.

 

Honduras, com a destituição do presidente Manuel Zelaya, em 2009, foi laboratório para nova onda de golpes, o golpe tipo institucional, que pode acontecer via Congresso ou Judiciário, sem o aparente envolvimento direto das Forças Armadas, que cumpririam o disciplinado papel de manter a ordem, reprimir possíveis resistências. "Defesa da legalidade", alegariam.

 

Ainda em 2009, antes de aplicaram a fórmula contra o presidente democraticamente eleito Fernando Lugo, do Paraguai, o golpe-relâmpago, dois fatos colocaram Lula no paredão do impeachment.

 

Um dos argumentos esdrúxulos foi contra o auxílio humanitário que o governo Lula prestou ao presidente Manuel Zelaya, deposto pelo golpe, abrigando-o na Embaixada brasileira em Tegucigalpa.

 

O presidente Lula, no discurso de abertura da 64ª Assembleia Geral da ONU, em setembro de 2009, afirmou que a "comunidade internacional exige que o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, reassuma imediatamente a presidência" daquele país. Lula acrescentou que a comunidade internacional também "deve estar atenta à inviolabilidade da missão diplomática brasileira na capital hondurenha". "Sem vontade política continuarão a proliferar golpes de Estado como o que derrocou o presidente constitucional de Honduras, José Manuel Zelaya, que se encontra, desde segunda-feira, refugiado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa (capital de Honduras)". Quase todos os representantes dos 192 países membros da Organização das Nações Unidas aplaudiram o presidente Lula, expressando que estavam de acordo com o governo brasileiro. E os golpistas ainda insistiram nessa investida por mais algumas semanas, mas não colou.

 

No final de 2009, teve ainda o caso Cesare Battisti.

 

Estadão: "O presidente do Supremo, Gilmar Mendes, disse que Lula pode sofrer processo de impeachment caso se recuse a entregar Battisti à Itália: 'Por que o presidente da República cumpre uma decisão? Não é porque será eventualmente afastado do cargo se não vier a cumpri-la. Porque respeita a Constituição. Sabemos que as condições políticas para seu afastamento são extremamente difíceis. Precisaria haver um processo instalado pelo procurador-geral da República e uma aprovação por dois terços da Câmara dos Deputados.' A declaração, feita na sessão, provocou estranhamento entre ministros."www.estadao.com.br/estadaodeho.../20091114/not_imp466328,0.php

 

Agora, depois do fracasso golpista das eleições, com fraudes em pesquisas eleitorais, campanha midiática escancaradamente pró-oposições (tem para todos os gostos) e decisões judiciais passíveis de suspeição, a presidenta Dilma, reeleita, é a bola da vez.

 

Brasil 247 - Jornal Estado de S. Paulo, da família Mesquita, pede, em editorial, que a presidente Dilma Rousseff seja enquadrada pelo Congresso Nacional por crime de responsabilidade e cassada num processo de impeachment; "Dilma Rousseff de tudo participou como ministra de Minas e Energia e da Casa Civil e, depois, como presidente da República"; um dos herdeiros do grupo, Fernão Lara Mesquita, recentemente foi às ruas com um cartaz onde se lia "Foda-se a Venezuela"; no sábado, em nota, o PSDB sugeriu punição à presidente Dilma; começa a campanha pela derrubada de uma presidente reeleita há menos de um mês no Brasil.

 

Leia completo...
https://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/160629/Estado-%C3%A9-primeiro-grupo-de-m%C3%ADdia-a-propor-golpe.htm

 

GGN - A Operação Apocalipse encontra a Operação Toffoli-Gilmar

TER, 25/11/2014

Luis Nassif


Anunciada esta semana, a Operação Apocalipse é o penúltimo ato preparatório para a futura tentativa do Ministro Gilmar Mendes, através do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de conseguir o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

 

Como já descrito no post "Armado por Toffoli e Gilmar, já está em curso o golpe do impeachment" a tática utilizada será a tese da contaminação do Caixa 1 - levantando eventuais pagamentos de empresas da Lava Jato à última campanha de Dilma. Havendo, o TSE poderia julgar a legitimidade da eleição de Dilma.

Leia completo
http://jornalggn.com.br/noticia/a-operacao-apocalipse-encontra-a-operacao-toffoli-gilmar

 

Deu na Folha de S. Paulo: Candidato a vice-presidente da República, na chapa de Aécio Neves, o senador Aloysio Nunes afirmou que o PSDB vai entrar com representação contra a presidenta Dilma Rousseff por suposta fraude na CPI da Petrobras. [Aloysio Nunes, o que mandou o repórter pra "puta que te pariu", só porque este lhe perguntou o que ele tinha a dizer sobre seu suposto envolvimento nas denúncias de corrupção no caso "Trensalão" paulista.]

 

Por tudo isso, convidamos todas a pessoas interessadas na manutenção do processo democrático no nosso país a participar da comunidade "Não Aceitaremos Golpe TODOS COM DILMA Rousseff".

 

Clique aqui e participe...
https://www.facebook.com/pages/N%C3%A3o-Aceitaremos-Golpe-TODOS-COM-DILMA-Rousseff/872895789396384

 

Não passarão!

 


Loading. Please wait...

Fotos popular