Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Estatísticas de pecuária saudáveis

03.07.2006
 
Brasil: Estatísticas de pecuária saudáveis

Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha – Fonte IBGE

Base: P rimeiro trimestre de 2006

IBGE divulga estatísticas da pecuária, leite, ovos, couro e estoques

No primeiro trimestre de 2006 foram abatidos 7,081 milhões de bovinos e 5,822 milhões de suínos, além de 1,014 bilhões de frangos. Também foram adquiridos 174 bilhões de litros de leite e 9,989 milhões de unidades de couro, e produzidos 510,885 milhões de dúzias de ovos de galinha. No segundo semestre de 2005, rede armazenadora reduziu-se em 0,3%.

Bovinos: abate cresceu 9,84% em relação ao primeiro trimestre de 2005

No primeiro trimestre de 2006 o abate de bovinos cresceu 3,25% em relação ao quarto trimestre de 2005 e 9,84% em relação ao primeiro trimestre de 2005. Foram abatidos 7,081 milhões de cabeças de bovinos, considerando-se que a Pesquisa Trimestral do Abate acompanha o abate efetuado por estabelecimentos que recebem algum tipo de inspeção seja ele municipal, estadual ou federal. Mato Grosso concentrou 16% do abate total de bovinos, São Paulo, 13%, e Mato Grosso do Sul, 12%.

Abate de suínos cresceu 9,18%

No primeiro trimestre de 2006 o abate de suínos (5,822 milhões de animais) apresentou uma variação negativa de 5,23% sobre o quarto trimestre de 2005, mas ainda assim foi 9,18% maior do que o abate no mesmo período do ano passado. Os principais estados em abate de suínos no primeiro trimestre de 2006 foram Santa Catarina (31%), Rio Grande do Sul (22%), Paraná (16%) e Minas Gerais (10%).

Abate de frangos cresceu 12,21%

No primeiro trimestre de 2006 foram abatidos 1,014 bilhão de unidades de frangos, representando variações positivas de 12,21% sobre o primeiro trimestre de 2005 e de 1,17% sobre o quarto trimestre deste mesmo ano. O peso total de carcaça ficou em torno de 2,085 milhões de toneladas, com animais abatidos, na média nacional, com 2 quilos. Paraná (25%), Santa Catarina (18%), Rio Grande do Sul (17%) e São Paulo (16%) são os principais abatedores de frangos em nível nacional.

Captação do leite cresceu 4,99%

No primeiro trimestre de 2006 foram adquiridos 4,174 bilhões de litros de leite, segundo a Pesquisa Trimestral do Leite. Este volume indica uma redução de 4,56% na produção de leite em relação ao quarto trimestre de 2005, e um aumento de 4,99% sobre o primeiro trimestre de 2005. Os principais estados em aquisição de leite são: Minas Gerais (28%), Goiás (13%), São Paulo e Rio Grande do Sul (12% cada um).

Aquisição de couro cresceu 14,12%

No primeiro trimestre de 2006 a aquisição de couro cru cresceu 14,12% e 3,27% em relação ao primeiro e ao quarto trimestres de 2005, respectivamente. Foram adquiridas 9,989 milhões de unidades de couro pelos curtumes brasileiros. Por origem, as principais fontes de couros são os matadouros frigoríficos (59%), seguido por salgadores (13%) e matadouros municipais (1%). São Paulo (22%), Rio Grande do Sul (13%) e Mato Grosso (11%) lideraram em aquisição de couro.

Produção de ovos de galinhas cresceu 5,47%

No primeiro trimestre de 2006, a produção nacional de ovos de galinha (510,885 milhões de dúzias) cresceu 5,47% em relação ao mesmo período de 2005 (484,401 milhões de dúzias). A produção de ovos de galinha encontra-se distribuída por todo o território nacional, sendo os principais estados produtores São Paulo (34%), Minas Gerais (13%) e Paraná (8%).

No segundo semestre de 2005, rede armazenadora reduziu-se em 0,3%

Os resultados da Pesquisa de Estoques do segundo semestre de 2005 indicam que a rede armazenadora de produtos agrícolas em operação no País apresentou uma queda de 0,3% no número de estabelecimentos ativos, em relação ao primeiro semestre de 2005. No final do segundo semestre de 2005 esta rede contava com 9.416 estabelecimentos ativos, dos quais 41,9% encontravam-se na região Sul, 24,6% na região Sudeste, 21,6% no Centro-Oeste, 8,4% na Nordeste e 3,5% na região Norte.

A capacidade útil das unidades armazenadoras dos tipos armazéns convencionais, estruturais e infláveis somou 81.164.004 metros cúbicos, sendo que, deste total, um pouco mais de 70,0% estava concentrado nas regiões Sudeste e Sul.

As unidades armazenadoras dos tipos armazéns graneleiros e granelizados totalizaram 48.191.844 toneladas de capacidade útil, sendo que a região Centro-Oeste deteve 49,8% desta capacidade de armazenamento e a Sul 34,7 %.

Os silos para grãos apresentaram 38.067.959 toneladas de capacidade útil total no país, detendo a região Sul 52,7% deste total e as regiões Centro-Oeste e Sudeste 27,0% e 15,5%, respectivamente.

Os maiores estoques registrados em 31 de dezembro de 2005 foram os de milho em grão (5.166.915 t), de trigo em grão (3.691.779 t), de soja em grão (3.241.773 t), de arroz em casca (2.086.833 t) e os de café em grão (948.402 t).

Quando comparados com os estoques existentes em 31 de dezembro de 2004, os estoques dos produtos arroz e soja apresentaram variações positivas de 80,0% e 17,0% respectivamente. Para o trigo, milho e café houve queda de 13,2% , 22,5% e 31,1% no volume estocado.

Arquivos oficiais do governo brasileiro estão disponíveis aos leitores.

Ricardo Bergamini
ricoberga@terra.com .br
rbfln@terra.com.br
http://paginas.terra.com.br/noticias/ricardobergamini


Loading. Please wait...

Fotos popular