Pravda.ru

Negόcios

A crise e a falta de bom senso

28.11.2015
 
A crise e a falta de bom senso. 23324.jpeg

De 2000 para 2014 as exportações mundiais saltaram de US$ 6 trilhões para US$ 22 trilhões e o Brasil acompanhou essa tendência quadruplicando suas vendas para o mercado externo, que passaram de US$ 55 bilhões para US$ 225 bilhões. Pode parecer muito, mas esse crescimento poderia ter sido maior, tivesse tido o País administradores públicos mais responsáveis, que promovessem investimentos em infraestrutura superiores aos 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) da última década.

Milton Lourenço (*)

O resultado disso é que hoje o País tem de suportar um custo logístico equivalente a 11,5% do PIB, ou seja, aproximadamente US$ 270 bilhões, levando-se em conta o PIB de 2014 (US$ 2,3 trilhões), segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), o que representa o dobro do que é gasto pelos EUA, o triplo do que é gasto pela Europa e o quádruplo do que é gasto pela China. Segundo especialistas, o máximo admissível seria um custo logístico de até 5% do PIB, ou seja, US$ 115 bilhões. Esse custo provocado por estradas precárias e portos ineficientes, entre outros problemas, influi diretamente nas vendas para o exterior, principalmente de produtos manufaturados.

Obviamente, não é só o governo que deve fazer investimentos, mas também a iniciativa privada que depende diretamente de um ambiente otimista e de crescimento, o que não se vê hoje em função de uma instabilidade política sem razão de ser, já que o Brasil apresenta uma dívida externa líquida de apenas 34% em relação ao PIB, menor que a da Alemanha (50%), país-exemplo de administração pública, dos EUA (80%), da União Europeia (70%) e do Japão (127%).

Vive-se, portanto, hoje o pior dos mundos unicamente porque se perdeu o bom senso político, o que ocasionou uma grave crise de confiança que paralisou investimentos e consumo, sem base na realidade dos números. Vivesse o País hoje sob um regime parlamentarista, como as nações da Europa Ocidental, o atual governo (ou seja, o gabinete) já teria sido substituído por outro que, com um primeiro-ministro de credibilidade à frente, pudesse devolver a confiança à população e ao empresariado.

Enquanto isso não ocorre, o que se prevê é que o País deverá cair até o final do ano mais dois postos no ranking das maiores economias do planeta, passando de sétimo para nono, com um PIB estimado de US$ 1,8 trilhão, sendo ultrapassado por Índia e Itália. Tudo isso em função de uma carência de lideranças políticas nunca vista no País.

__________________________

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail:fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular