Pravda.ru

Negόcios

Um novo acesso à Alemoa

19.01.2016
 
Um novo acesso à Alemoa. 23631.jpeg

SÃO PAULO - Quase um ano depois do incêndio que atingiu os tanques do terminal da Ultracargo, na margem direita do porto de Santos, e em meio aos transtornos provocados pelo recente incêndio no terminal alfandegado da Localfrio, na margem esquerda, em Guarujá, ainda não se tem uma definição quanto a um novo acesso viário ao complexo marítimo.

Milton Lourenço (*)

Como se sabe, o incêndio, ocorrido entre 2 e 10 de abril de 2015, provocou a interrupção das atividades em outros terminais e do tráfego de caminhões, além de problemas ao tráfego urbano e às demais operações portuárias bem como prejuízos ambientais incalculáveis com a contaminação das águas e a morte de milhares de peixes, afetando a vida de mais de 200 famílias que viviam da pesca artesanal.

Mal projetado, o Distrito Industrial da Alemoa continua a ser servido apenas pelo Viaduto da Alemoa e pela Avenida Augusto Barata, também conhecida como Retão da Alemoa, que constituem o único acesso rodoviário da margem direita. Ou seja, se vier a ocorrer sinistro semelhante ou mesmo em proporções menores naquela área, esse acesso ficará bloqueado, causando incalculáveis prejuízos a todas as operações portuárias.

Em outras palavras: se algum efeito positivo aquele desastre gerou foi o de deixar clara a necessidade urgente de se construir uma rota de fuga, que seria usada em caso de acidentes em terminais especializados em operações com granéis líquidos ou desastres naturais.

O incêndio também deixou à mostra como o Brasil está despreparado para enfrentar desastres não só naturais como aqueles causados pela incompetência humana, como ficou claro com o recente vazamento na barragem da Samarco, em Mariana-MG. Por ocasião do incêndio da Ultracargo, todo líquido gerador de espuma utilizado para combater as chamas, estocado no País, esgotou-se, o que significa que, se por aqueles dias outro incêndio tivesse ocorrido, não haveria produto para atender às necessidades.

Seja como for, algumas reuniões entre empresas e autoridades têm sido realizadas e sugestões apresentadas, como a instalação de hidrantes públicos no Distrito Industrial da Alemoa para facilitar o combate inicial ao fogo e um projeto para garantir o abastecimento de tanques com água do mar. Mas, a se levar em conta os primeiros desdobramentos do recente incêndio na Localfrio, a população da Baixada Santista tem razões de sobra para viver dias de desassossego.

O que se espera é que as autoridades não se limitem a criar apenas um comitê permanente de crise, que funciona mais como uma tentativa de apresentar satisfações à imprensa e à população, mas passem a adotar medidas mais concretas para garantir a segurança dos terminais e de seus funcionários e daqueles moram na Baixada Santista.

__________________________

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular