Pravda.ru

Negόcios

Assistam ao Califa desmoronante

16.07.2014
 
Assistam ao Califa desmoronante. 20577.jpeg

Quer dizer então que o Califa, agora, é superstar global! Desde que o Dr. Ibrahim al-Badri de Samarra, clérigo sunita menor que está incorporando um califa neomedieval de nome Abu Bakr al-Baghdadi, apareceu no púlpito de pedra de uma mesquita em Mosul, no início do Ramadã, a vida do 'astro' é perfeita roda-vida.


Lá estava, fazendo o comercial de negociata transnacional - dos subúrbios de Aleppo a Mosul (e anúncio de mais terras a serem tomadas). Ele dirigiu e montou seu próprio vídeo - dele, só dele, cantoria monótona, monocórdica, e vestindo uniforme de gala dos Homens de Preto. Acabou com a oposição, de fato, à bala.[1] Elogiou os mujahid, convidando-os a seguir a Jihad em nome de Alá. Condenou os incréus e hipócritas, exaltando a "vitória dos muçulmanos" do "oriente e do ocidente".

Modesto, carregando relógio de 7 mil dólares (ou cópia chinesa) e pedindo que o corrigissem em seus erros de comportamento, O Califa anunciou que seu negócio de Estado Islâmico, ex-ISIS, não é questão só do Levante. Quer passaporte do Estado Islâmico? É só pedir ao Califa.[2]

O Califa está de olhos postos em Roma: quer conquistá-la (sarracenos saquearam a Igreja de São Pedro em 846): "Saquearás Roma e serás senhor do mundo". Mas só depois de domingo, para que o papa Francisco possa assistir ao futebol, Argentina x Alemanha, em paz, sem medo de ser decapitado.

Antes, contudo, o Califa parece pronto a montar seu camelo santificado, aos gritos de "Allahu Akbar!", pela estrada até Bagdá e dali a Meca. Afinal, ele também proclamou que o golpe colonial Sykes-Picot, perdão, digo, o acordo de 1916 entre Grã-Bretanha e França, está desfeito, que é nulo, vale nada. Não surpreende que a Casa de Saud, aquela fonte pura e virginal de coragem, já tenha reunido 30 mil mercenários, digo, soldados, na fronteira com o Iraque (até há seis meses, os sauditas mantinham uma Jihad tipo ponte aérea, por terra e ar, direto para a Síria e o Iraque; agora, morrem de medo do efeito bumerangue.)

O conhecido orientalista francês Olivier Roy não parece impressionado com o furor cenográfico do Califa. Chamou-o de "delirante", mas sem desmerecer a esperteza do homem: "cauteloso e invisível como Mulá Omar; ambicioso e megalomaníaco como Osama bin Laden". O que convoca imediatamente a tal questão: como é possível que "O Califa" não esteja incluído na lista-de-gente-a-ser-assassinada, de Zero-Zero-O-Bama? Por que "O Califa" não está sendo dronado lá mesmo, nas areias mesopotâmicas?

O Califa não disse palavra sobre a Operação Proteção só para os Sionistas, desculpe, "Operation Protective Edge" [ap. "Operação Cerca de Proteção"] , a mais recente super-produção em câmera lenta de limpeza étnica/castigo coletivo que os israelenses estão fazendo em Gaza, contra mais de 400 alvos, e vastíssimo "dano colateral". É movimento de Relações-Bombas Públicas comandado por O Califa. Até aqui, o movimento lhe está valendo papel duplamente ridículo na Rua Árabe -, que vê claramente as suas dúbias autoapresentadas credenciais religiosas e, simultaneamente, o seu imperial desprezo pelo sofrimento dos palestinos.

Fim dos jihadis-bonzinhos

Seja como for, O Califa está em todas as bocas. Sua Declaração salafista-jihadista de Independência - não só da al-Qaeda histórica, mas, principalmente, das imundas/corruptas monarquias árabes e do aparelho de inteligência ocidental que alimentou a Jihad por muitos, muitos anos - é, sim, um terremoto. O que explica a perplexidade do Império do Caos. Aquela boa "estratégia" de projetar o poder do império/OTAN usando jihadistas alugados naquelas guerras bem distantes, guerreadas 'por procuração'... está hoje reduzida a cacos. O Califa é a mais nova "Criatura" da Jihad Frankenstein.

Não surpreende que o jantar-pato-manco, digo, o governo-pato-manco de Obama esteja ainda considerando, pelo menos para a Síria, aquele velho Plano A (armar os dois lados em luta, e deixar lá que "árabes matem árabes" o mais possível). No Iraque o plano ainda em discussão no Departamento de Defesa talvez seja dronar os comboios do Estado Islâmico. Não será passeio no parque, porque a liderança militar do Estado Islâmico é constituída de ex-guerrilheiros que combateram no Iraque, gente experiente. E não são nem doidos de pôr na estrada aquela longa fila de picapes Toyotas brancas fulgurantes em pleno deserto, tudo outra vez, agora que já viraram celebridades instantâneas e estão por aí, em todas as televisões.

No front político, há insistentes rumores de golpe militar iminente em Bagdá, planejado pelo comandante militar da cidade, Abdulamir al-Shumanni. Os líderes do golpe dizem que contam com o apoio de Washington e Teerã (negócio fabuloso; serão convocados para ajudar nas negociações nucleares no Grupo P5+1). Como em A Volta da Brigada dos Mortos (Neoconservadores) Vivos nos EUA, todos apostam no primeiro cavalo de carne batizada com hormônios que apareceu: Ahmed Chalabi.[3]

Não importa o quanto seja ambicioso, O Califa teria de agir em grupo. Mas muitos grupos jihadistas sírios já se posicionaram contra o Estado Islâmico. O mesmo está acontecendo no Iraque; militas sunitas estão-se posicionando contra eles na província de Nineveh.

É onde entram os xeiques sunitas - os fantasmas nessa máquina infernal. O Califa tem de ter agentes infiltrados nos quais confie, que lhe digam que, tão logo os xeiques tenham acabado de usar o Estado Islâmico como ferramenta para "desestabilizar" o governo de al-Maliki em Bagdá, os mesmos xeiques imediatamente tratarão de esmagar o califato. É aliança extremamente temporária - uma espécie de remix do ex-Estado Islâmico no Iraque, cujo emirado foi esmagado por efeito do "Despertar de Anbar" [orig. Anbar Awakening][4], alimentado com dinheiro dos EUA.

O Califa também terá de encarar Athel al-Nujaifi, governador da província de Nineveh; ele quer um Sunistão diferente, com alto grau de autonomia (e muito petróleo ainda não explorado) mas mantido como parte do Iraque. Al-Nujaifi é o mais influente político sunita no Iraque, e presidente do maior partido político sunita do país.[5] No momento, O Califa parece não querer correr risco algum. Agentes do Estado Islâmico já prenderam muitos e muitos ex-oficiais do exército iraquiano e ba'athistas em torno de Mosul.

Assim sendo, mais uma vez, o que fará o governo Obama? Provavelmente, um remix de Bush II; fazer chover dinheiro sobre os xeiques, para jogá-los contra O Califa, o mais depressa possível. Teerã, enquanto isso, está também ativa, via pequenos contingentes de Agentes Especiais - como o que salvou o belo santuário xiita em Samarra (não foi capturado pelo Estado Islâmico). Trabalham na direção de repetir sua estratégia para a Síria: criar um exército iraquiano paralelo, de guerrilheiros.

A ideia de que O Califa atacará em breve "o ocidente" ou os EUA é piada. Até agora, as incursões terroristas do Estado Islâmico só foram até Irbil (no Kurdistão iraquiano), Basra e Damasco. Todas essas são cidades relativamente próximas do comando operacional do Estado Islâmico. O Estado Islâmico não tem como alcançar o 'ocidente'. Até atacar Bagdá já é desafio gigantesco para eles. Não têm competência nem para atacar a embaixada dos EUA, do tamanho do Vaticano. Para nem comentar que as milícias Sadristas, em Sadr City, por exemplo, reduziriam a poeira, o Estado Islâmico. Só podem aspirar, no máximo, a continuar destruindo santuários sunitas, sufistas e xiitas.

Paralelamente, a história realmente sumarenta a ser acompanhada, é que o Estado Islâmico pode vir a converter-se em arma ideal para o Império do Caos - e a Casa de Saud - combaterem contra o que se poderia chamar de aliança Irã-Hezbollah-Síria-Iraque.  Exatamente o contrário do que 'noticia' David Ignatius.[6]

Realisticamente, em termos geopolíticos, a jornada de O Califa até Roma também é piada. O Estado Islâmico está cercado por potências hostis, do Irã e Turquia ao Egito. Se os Homens de Preto decidirem atravessar 300 km de deserto, para atacar o reino do Reizinho de Playstation, também conhecido como Jordânia, serão sumariamente dronados.

Portanto, agora que se se autoanunciou como neo-Osama, O Califa que cubra a retaguarda. Muito provavelmente, é camelo de um só truque. Talvez se dê conta de que tem mais chances de garantir o estrelato se se autopromover como a Segunda Vinda de Michael Jackson e se puser a fazer a dancinha de Moonwalk. Em qualquer caso, ele com certeza logo verá que o Exército Árabe Sírio do presidente Bashar al-Assad pode provocar dor considerável no lombo do Estado Islâmico. E há até mais opções do lado iraquiano.

Apesar de todos os rumores de golpe, al-Maliki permanecerá, muito provavelmente, no poder em Bagdá. E será armado até os dentes, não só por Teerã, mas também por Moscou. O Corpo dos Guardas Revolucionários Iranianos já estão envolvidos tentando construir o que se pode descrever como Brigadas de Guardas Nacionais. Todos combaterão contra o Estado Islâmico. Em movimento de pinça, ataques a partir da Síria e a partir do Iraque podem destruir praticamente todo o Estado Islâmico em seis meses a partir de hoje.

O Califa, além do potentíssimo relógio, pode ter muitas armas e ganhar muito dinheiro vendendo petróleo, mas o Califato não passa de miragem. Só uma coisa é certa: antes de que se desfaça na areia do tempo, haverá sangue. Muito, muito sangue.

 


[1] http://www.mcclatchydc.com/2014/07/08/232563/un-islamic-state-executed-imam.html

[2] https://www.youtube.com/watch?v=d9Ytz1odOPE&list=UUpwvZwUam-URkxB7g4USKpg

[3] http://www.washingtonpost.com/blogs/worldviews/wp/2014/07/08/deja-vu-neocons-tout-ahmed-chalabi-as-iraqs-next-leaader/

[4] "No outono de 2006, um grupo de xeiques sunitas em Ramadi rejeitaram a al-Qaeda e começaram a cooperar  com forças dos EUA às quais haviam feito oposição por muito tempo. Os movimentos que ficaram conhecidos como "Despertar de Anbar", também chamados "Salvação de Anbar", converteram Anbar, de uma fortaleza insurgente, em área na qual os EUA passaram a poder comandar operações efetivas" [mais sobre isso, na visão dos EUA, em https://www.understandingwar.org/report/anbar-awakening-displacing-al-qaeda-its-stronghold-western-iraq] .

[5] http://www.niqash.org/articles/?id=3486

[6] http://www.washingtonpost.com/opinions/david-ignatius-iran-overplays-its-hand-in-iraq-and-syria/2014/07/03/132e1630-02db-11e4-8572-4b1b969b6322_story.html

8/7/2014, Pepe Escobar, Asia Times Online
http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/MID-01-110714.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular