Pravda.ru

Negόcios

O «terrorismo económico» dos EUA contra a Síria é repetidamente condenado

15.06.2020
 
O «terrorismo económico» dos EUA contra a Síria é repetidamente condenado. 33420.jpeg

O «terrorismo económico» dos EUA contra a Síria é repetidamente condenado

Em Damasco, Sweida, Daraa, Latakia repetiram-se as manifestações de apoio ao governo da Síria e de repúdio pela chamada «Lei César», dos EUA, que vai agravar o sofrimento do povo sírio.

Foto

Milhares de pessoas manifestaram-se em Damasco para apoiar o governo sírio e denunciar as sanções ocidentais (imagem de arquivo) Créditos/ Hindustan Times

Na capital, Damasco, milhares de pessoas vieram para as ruas, na passada quinta-feira, denunciar as medidas económicas coercivas e unilaterais impostas pelos EUA à Síria.

Mostrando bandeiras nacionais e cartazes com imagens do presidente do país árabe, Bashar al-Assad, os manifestantes entoaram palavras de ordem contra os Estados Unidos da América e a sua política de terrorismo económico, cujas consequências são visíveis no país árabe.

Em função da deterioração da situação económica, dos baixos salários, das «dificuldades», algumas pessoas têm protestado também contra a falta de acção de acção imediata do governo.

Esta parece ser a aposta de Washington e da União Europeia: derrotados no terreno os seus mercenários, tentam sufocar economicamente o país árabe e levar o povo à miséria - alegando que as sanções visam o governo e as empresas que com ele colaboram.

Nas manifestações dos últimos dias em Damasco, em Sweida e Daraa (junto à fronteira com a Jordânia), e em Latakia (na costa mediterrânica), vincou-se a necessidade de unidade nacional, de apoio ao governo e ao Exército no contexto da chamada «Lei César», legislação norte-americana que entra em vigor no dia 17 de Junho para, alegadamente, «proteger o povo sírio», mas que tem sido denunciada por Damasco, países aliados e diversos organismos como o endurecimento da política de sanções.

A partir de agora, o Departamento do Tesouro norte-americano poderá sancionar qualquer empresa ou instituição que tenha relações comerciais com o Estado sirio, sejam ou não norte-americanas.

Yaroub Kheirbeik, um jornalista que participou na manifestação de Damasco, disse à PressTV que a medida «vai afectar a saúde financeira dos cidadãos» e que visa «castigar o povo em concreto», num país desgastado por nove anos de guerra de agressão.

«Lei César é um crime contra a humanidade»

Na Jordânia, vários deputados, figuras políticas e do mundo da cultura subscreveram um comunicado em que condenam o «terrorismo económico exercido pelos EUA contra a Síria», denunciam a chamada «Lei César» e a caracterizam como «um dos tipos mais perigosos de crime contra a humanidade».

A medida evidencia a «harmonia» existente «entre os Estados Unidos e o inimigo sionista, que é o primeiro inimigo de toda a humanidade», refere o texto, indicando que os EUA recorrem a esta lei «depois de terem sido incapazes de alcançar os seus objectivos em anos de guerra na Síria», revela a agência SANA.

O comunicado, em que se apela à solidariedade com o povo sírio, destaca que as repercussões da medida irão sentir-se também na Jordânia e em todo o Oriente, pelo que insta à criação de um conselho de cooperação económico oriental para fazer frente às crises económicas. Os subscritores mostram total confiança na vitória da Síria sobre a «criminosa política norte-americana».

Num artigo publicado hoje na RT, o jornalista Alberto Rodríguez García afirma que a guerra económica não funcionou contra o Iraque, Cuba, Rússia, China, Irão, Venezuela. «Não funcionou em lado nenhum. E na Síria não funcionará. A guerra económica apenas provocará malnutrição, doenças, mortalidade infantil e o sofrimento desnecessário nos civis. Porque a guerra económica é o mais desumano dos castigos colectivos», diz.

 

https://www.abrilabril.pt/internacional/o-terrorismo-economico-dos-eua-contra-siria-e-repetidamente-condenado-0

 


Fotos popular