Pravda.ru

Negόcios

Dragagem: Urgência nos serviços

14.12.2013
 
Dragagem: Urgência nos serviços. 19395.jpeg

O grupo interministerial formado por representantes da Secretaria Especial de Portos (SEP), Ministério dos Transportes e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está empenhado em reavaliar todo o plano de dragagem do Porto de Santos.

Milton Lourenço (*)    
            
Ora, isso é uma confissão pública do governo federal de que as obras de dragagem têm deixado muito a desejar, contribuindo não só para a ampliação dos congestionamentos viários como para prejudicar a produtividade do cais.
            Na verdade, recursos nunca faltaram - ao menos no papel - para as obras de dragagem: R$ 199 milhões estão disponíveis para os serviços, segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Acontece que há meses licitações judicializadas impedem a conclusão dos serviços de aprofundamento do canal de navegação na área que vai do Armazém 12A até a curva do Armazém 23, no Cais de Outeirinhos. Sem contar que a Codesp está contratando, em caráter emergencial, uma nova empresa para a execução dos serviços, já que a atual responsável admitiu que enfrenta dificuldades financeiras para levar adiante as obras.


            Quer dizer, os serviços de dragagem têm se mostrado insuficientes para atender a atual demanda no Porto de Santos, que, com certeza, vai superar neste ano a marca alcançada em 2012, quando foram movimentadas 105 milhões de toneladas. É de notar que de janeiro a setembro de 2013 foram movimentadas 85,7 milhões de toneladas, o que faz prever uma movimentação neste ano em torno de 114 milhões de toneladas.


Daí a preocupação porque a tendência é que os navios continuem a crescer e a exigir maior profundidade do canal de navegação, já que os calados são maiores, o que deverá se acentuar a partir de 2014 com a abertura do novo Canal do Panamá. Para receber essas grandes embarcações, é preciso continuar investindo em dragagem, pois só assim será possível oferecer maior capacidade de movimentação, desde que os arrendatários também invistam em equipamentos, tecnologia e na construção de berços adequados.


Hoje, sabe-se que mais da metade do canal do estuário está com profundidade que vai de 13,5 a 15 metros, mas ainda há trechos sem as mínimas condições de navegabilidade para uma embarcação moderna. Em muitos casos, os navios são obrigados a deixar o cais com boa parte de sua capacidade não aproveitada, porque, se assim não fosse, acabariam encalhados em algum banco de areia do canal. Ora, isso compromete seriamente a produtividade do porto.

Seja como for, o que se espera é que, nos próximos meses, haja um esforço concentrado para que a nova empresa encarregada conclua com brevidade os serviços de aprofundamento do canal de navegação para 15 metros, o que facilitaria a atracação de navios de última geração, os chamados super post panamax, com capacidade para 9 mil TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés).
 
 _______________________________________
(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.
 


Loading. Please wait...

Fotos popular