Pravda.ru

Negόcios

Plano Prawer: o rosto moderno da limpeza étnica na Palestina

09.12.2013
 
Plano Prawer: o rosto moderno da limpeza étnica na Palestina. 19363.jpeg

O protesto colorido das crianças de Hura, em foto de Oren Ziv/Activestills. Desde pequenas as crianças palestinas aprendem a defender seu direito à terra e à vida. Por isso, centenas delas são trancafiadas nas prisões israelenses e obrigadas a enfrentar sozinhas os tribunais militares de Israel.

María Landi*

Tradução: Baby Siqueira Abrão**

O protesto colorido das crianças de Hura, em foto de Oren Ziv/Activestills. Desde pequenas as crianças palestinas aprendem a defender seu direito à terra e à vida. Por isso, centenas delas são trancafiadas nas prisões israelenses e obrigadas a enfrentar sozinhas os tribunais militares de Israel.

 

O governo mais ultradireitista da história de Israel conseguiu o que os líderes palestinos não foram capazes de fazer nas últimas décadas: unir todo o povo palestino, hoje dividido entre o Estado israelense, a Faixa de Gaza, os territórios ocupados da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental (anexada ilegalmente em 1967), e a diáspora.

No sábado, dia 30, os palestinos organizaram o Terceiro Dia de Fúria, jornada de protesto contra o Plano Prawer que se estendeu do mar Mediterrâneo ao rio Jordão. Levando o sobrenome do parlamentar israelense que o elaborou, o plano pretende destruir 36 aldeias beduínas "não reconhecidas" por Israel no deserto do Negev (Naqab, em árabe) para construir, em suas terras, colônias para a população judia. Para isso, cerca de 70 mil beduínos serão retirados à força de sua terra ancestral, e 800 mil dunams[1] dela serão confiscados por Israel.

Calcula-se que em Israel haja mais de 150 aldeias árabes "não reconhecidas" pelo Estado sionista nas regiões do Naqab e da Galileia. Essas aldeias são consideradas ilegais pelo governo, não figuram nos mapas e não contam com água corrente, eletricidade, telefone, arruamento, escolas e centros de saúde. As comunidades beduínas (cujos habitantes têm cidadania israelense) constituem cerca de 30% da população do Naqab, mas suas aldeias ocupam apenas 2,5% do território.

Antes da criação do Estado de Israel, os beduínos deslocavam-se livremente pelo deserto; agora, dois terços da região foram designados pelas autoridades israelenses como "campos de treinamento militar", inacessíveis à população beduína. Mas a verdade, conhecida por todos, é que grupos de colonos judeus aguardam ansiosamente que os habitantes nativos sejam retirados daquelas terras, para instalar-se nos povoados modernos e cômodos que Israel construirá para eles em território beduíno. 

O governo israelense pretende apresentar o Plano Prawer[2] como uma ação "humanitária", que oferecerá moradia adequada, serviços públicos e "um futuro melhor para as crianças" beduínas do Naqab/Negev, permitindo-lhes "integrar-se à estrutura de um Estado moderno ao mesmo tempo que conservam suas tradições". A realidade, porém, é que nenhuma das comunidades afetadas foi consultada nem está de acordo com o plano. E têm bons motivos para isso: além de perder suas terras, serão realocadas em sete assentamentos superpovoados e pobres, nos quais outros grupos beduínos foram concentrados há anos (por isso há quem trace um paralelo entre o plano e as reservas indígenas dos Estados Unidos).

"Vivemos aqui desde muito antes da criação do Estado de Israel", declarou Maqbul Saraya, 70 anos, à rede Al-Jazira. "Sentimos que a democracia e a justiça de Israel não se aplicam a nós".

 

Rechaço local e internacional

Nos países árabes vizinhos e em várias nações da Europa, além de Turquia, Túnis, Coreia do Sul, Kuwait, Canadá e Estados Unidos também houve manifestações de solidariedade aos palestinos no dia 30, para denunciar o que se considera a operação sionista de limpeza étnica de maior envergadura desde a Nakba (catástrofe) de 1948. O Parlamento europeu, o Comitê contra a Discriminação Racial da ONU (CERD) e outros organismos intergovernamentais pediram a Israel que cancele o projeto, que se transformará em lei no final do ano. Organizações e redes internacionais como Anistia Internacional, Vozes Judias pela Paz, Avaaz, entidades palestinas e algumas israelenses também criticaram o plano e lançaram campanhas pedindo sua anulação. Mais de 50 intelectuais e artistas britânicos (entre eles Ken Loach, Mike Leigh e Peter Gabriel) publicaram uma carta no jornal The Guardian, qualificando o objetivo de Israel de desarraigar a população beduína como "deslocamento forçado de palestinos/as de seu lugar e de sua terra, discriminação e apartheid".

Nos territórios ocupados, houve protestos em Gaza, Ramala, Jerusalém, Hebron, Nablus. Mas talvez as imagens mais eloquentes, e que tiveram maior difusão[3], tenham sido as das localidades que se encontram dentro das fronteiras de Israel - onde a repressão teve o mesmo excesso de violência imposto à Cisjordânia: gás lacrimogêneo, granadas de som, canhões de água química tóxica, surras com porretes e pontapés dos policiais, e dezenas de prisões. Ao ver a profusão de bandeiras palestinas nas ruas, praças e postes públicos, e de rostos envoltos em kuffies, aqueles que não estão familiarizados com a geografia do país acham difícil entender que as fotos de Yaffa ou Haifa (cidades costeiras que eram joias da Palestina antes de 1948 e que ainda contam com uma grande população palestina) foram tiradas dentro de Israel.

Isso também vale para a manifestação na aldeia beduína de Hura, uma das afetadas pelo Plano Prawer: as imagens podiam ser do vale do rio Jordão ou das colinas do sul de Hebron, territórios palestinos ocupados e submetidos às mesmas políticas de deslocamento forçado da população nativa, obrigada a entregar suas terras a colonos judeus. A paisagem e o povo que a habita são os mesmos; o poder que os oprime, também.

Em resposta à jornada de protesto, o ministro israelense de Relações Exteriores Avigdor Lieberman (um colono fanático e ultranacionalista - ironicamente emigrado da Moldávia - que defende abertamente a anexação da Cisjordânia e de Gaza, com a expulsão da população palestina e a aniquilação da que vive em Gaza) fez uma de suas habituais declarações de racismo explícito: "Estamos lutando pelo território nacional do povo judeu, e há aqueles que querem deliberadamente roubar essa terra e controlá-la à força"[4].

 

Caminhão-tanque atira água química tóxica na multidão de manifestantes, em Haifa (foto Keren Manor/Activestills). O líquido, de cheiro fétido intenso, provoca mal-estar e ardência na pele.

  

O sionismo como ele é

Talvez o maior "mérito" do Plano Prawer, além de unir a população palestina de todos os setores políticos e geográficos, tenha sido colocar em evidência, mais que todas as políticas israelenses, a natureza e o programa do projeto sionista: a expansão demográfica e territorial judaica, a contenção demográfica e o despejo da população palestina nativa. O objetivo último dessas políticas, perfeitamente articuladas em ambos os lados da Linha Verde, a fronteira internacional - não reconhecida por Israel - é consolidar um regime que muitos cientistas sociais (como o geógrafo israelense Oren Yiftachel[5]) qualificam de etnocracia[6].

Ao mesmo tempo, essas políticas revelam a falácia de analisar o conflito sob o paradigma de "dois Estados" ou das "fronteiras de 1967". A realidade é de um único Estado, que, ao se definir como judeu, exige, para preservar sua "pureza" étnico-religiosa, eliminar de todas as maneiras possíveis a ameaça demográfica que a população não judia constitui. Essas maneiras incluem não apenas o roubo de terras, a colonização, a limpeza étnica e o apartheid dos palestinos, mas também a expulsão em massa dos imigrantes africanos[7].

Esse Estado não reconhece outras fronteiras senão a totalidade da "terra de Israel" bíblica[8] e não está disposto a cedê-la a seus habitantes não judeus. Não estiveram dispostos os primeiros líderes sionistas, nem estão os atuais. Tudo o mais - incluída a indústria do processo de paz - é discurso para consumo da mídia ocidental.

Não menos importante, ou mais, é a questão da integridade do povo palestino. Realidades como o Plano Prawer mostram a omissão implicada na redução da questão palestina aos mais de 4 milhões que hoje vivem em Cisjordânia e Gaza - em menos de 20% de seu território original. Tão injusto como excluir de qualquer solução os 6 milhões de refugiados/as dispersos pelo mundo é esquecer o 1,5 milhão de palestinas/os que vivem dentro de Israel (20% da população), expostos a mais de 55 leis de apartheid e a políticas de exclusão e deslocamento em consequência do afã ilimitado da judaização. Enquanto não mudar a natureza do regime colonial e racista de Israel, não haverá paz justa nem duradoura - nem democracia - naquela terra desgarrada.

Nota:

[1] Um dunam equivale a 1 mil metros cuadrados.

2 Um vídeo de propaganda foi colocado nos sítios web das embaixadas israelenses no mundo: https://www.youtube.com/watch?v=bBr4gY4MPPI.

3Ver, por exemplo, o sítio do coletivo fotográfico Activestills.org: http://activestills.org/.

4 http://www.theguardian.com/world/2013/dec/01/israel-negev-bedouins-day-of-rage.

5 Etnocracia. Políticas de tierra e identidad en Israel/Palestina (Bósforo, Madrid. 2011).

6Há cientistas que discordam dessa abordagem, por considerar que os judeus não constituem uma etnia, nem um povo, e sim uma comunidade religiosa. A esse respeito, ver A invenção do povo judeu, de Schlomo Sand (São Paulo, Benvirá, 2011). (N. da T.)

7 Os imigrantes africanos, em sua maioria, são judeus. Mas são negros, e os sionistas querem um país de população branca, como provaram as declarações de autoridades israelenses quando da expulsão de milhares de negros africanos em 2012, e como prova a lei aprovada no final de novembro de 2013, destinada a retirar de Israel uma população estimada em 60 mil africanos. (N. da T.)

8 A Israel bíblica é contestada pela arqueologia, pela antropologia e pela história. Ver, a respeito, A Bíblia não tinha razão, dos arqueólogos israelenses Israel Finkelstein e Neil Ascher Silberman (São Paulo, Girafa, 2003); de Schlomo Sand, A invenção do povo judeu (cit.) e The Invention of the Land of Israel [A invenção da terra de Israel] (Londres, Verso, 2012); de Keith W. Whitelam, The Invention of Ancient Israel; the silencing of Palestinian history [A invenção da antiga Israel; o silenciar da história Palestina]. [N. da T.]

 

*María Landi é ativista latino-americana de direitos humanos, solidária com a causa palestina. Seu blogue é "Palestina en el corazón": http://mariaenpalestina.wordpress.com.

**Baby Siqueira Abrão, jornalista brasileira, também é ativista de direitos humanos solidária com a causa palestina. Foi correspondente do jornal Brasil de Fato e do portal Carta Maior no Oriente Médio, sediada na Palestina.

Mais informações sobre a resistência ao Plano Prawer: http://972mag.com/special/prawer-plan-to-displace-bedouin/.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular