Pravda.ru

Negόcios

As mãos desmedidas do grupo Bilderberg

07.06.2019
 
As mãos desmedidas do grupo Bilderberg. 31122.jpeg

As mãos desmedidas do grupo Bilderberg

Manlio Dinucci

Durante muitos anos, muitas falsidades foram escritas sobre o Grupo Bilderberg. No entanto, a partir de documentos, é possível ter uma visão fidedigna. Muitos pesquisadores asseguraram-no através de um trabalho longo e difícil. Não é um governo global, mas uma rede de influência, composta pela CIA e pelo MI6 para apoiar a NATO.

As chegadas de Henry Kissinger e Mike Pompeo ao Montreux Palace para a concretização da 67ª Reunião Anual do Grupo de Bilderberg

Três italianos foram convidados este ano para a reunião do grupo Bilderberg, realizada em Montreux, na Suíça, de 30 de Maio a 2 de Junho. Ao lado de Lilli Gruber, a apresentadora televisiva do La7, agora convidada permanente do Bilderberg, foi convidado outro jornalista: Stefano Feltri, Vice-Director do 'Fatto Quotidiano', dirigido por Marco Travaglio. O "terceiro homem" escolhido pelo Bilderberg é Matteo Renzi, senador do Partido Democrata, antigo Presidente do Conselho.

O grupo Bilderberg, constituído formalmente em 1954, por iniciativa de "cidadãos eminentes" europeus e americanos, foi na verdade criado pela CIA e pelo serviço secreto britânico MI6 para apoiar a NATO contra a URSS [1]. Após a Guerra Fria, manteve a mesma função de apoio à estratégia USA/NATO.

Às suas reuniões são convidados a participar todos os anos, quase exclusivamente da Europa Ocidental e dos Estados Unidos, cerca de 130 representantes do mundo político, económico e militar, dos meios de comunicação mediática de destaque e dos serviços secretos, que participam formalmente a título pessoal. Reúnem-se à porta fechada, cada ano num país diferente, em hotéis de luxo blindados por sólidos sistemas de segurança militar. Não é admitido nenhum jornalista ou observador, nem é publicado qualquer comunicado. Os participantes estão sujeitos à regra do silêncio: não podem sequer revelar a identidade dos oradores que lhes forneceram certas informações (perante a proclamada "transparência").Só sabemos que este ano falaram principalmente da Rússia e da China, de sistemas espaciais, de uma ordem estratégica estável, do futuro do capitalismo. As presenças mais destacadas eram, como de costume, as dos Estados Unidos:

 Henry Kissinger, "figura histórica" do grupo ao lado do banqueiro David Rockfeller (fundador de Bilderberg e da Trilateral, falecido em 2017); 
 Mike Pompeo, antigo Director da CIA e actual Secretário de Estado [2]; 
 Jared Kushner, Conselheiro (e genro) do Presidente Trump para o Médio Oriente e amigo íntimo do Primeiro Ministro israelita Netanyahu. 
 A estes segue-se Jens Stoltenberg, Secretário Geral da NATO, que recebeu um segundo mandato pelos serviços aos EUA.

Durante quatro dias, em reuniões secretas multilaterais e bilaterais, esses e outros representantes das grandes potências (abertas e ocultas) do Ocidente, fortaleceram e expandiram a rede de contactos que lhes permite influenciar as políticas governamentais e a opinião pública.

Os resultados são visíveis. No "Fatto Quotidiano", Stefano Feltri defende o grupo Bilderberg explicando que as suas reuniões são realizadas à porta fechada "para criar um contexto de debate franco e aberto, precisamente porque não é institucional", e expõe "os múltiplos teóricos da conspiração" que espalham "lendas" sobre o grupo Bilderberg e também sobre a Comissão Trilateral [3].

Não diz que, entre "os múltiplos teóricos da conspiração", está o Magistrado Ferdinando Imposimato, Presidente Honorário do Supremo Tribunal de Cassação (falecido em 2018), que resumiu, assim, o resultado das investigações realizadas: "O grupo Bilderberg é um dos responsáveis da estratégia de tensão e, portanto, também dos massacres" a partir do sucedido na Piazza Fontana, em concerto com a CIA e com os serviços secretos italianos, com a Gladio e com os grupos neofascistas, com a P2 e com as lojas maçónicas USA, nas bases da NATO [4]."

Neste prestigiado clube também foi admitido Matteo Renzi. Excluindo que o convidaram pelos seus dotes de analista, resta a hipótese de que os poderosos de Bilderberg estão a preparar, de maneira oculta, algumas operações políticas em Itália. Pedimos desculpa a Feltri de nos juntarmos também aos "múltiplos teóricos da conspiração".

Manlio Dinucci

Tradução 
Maria Luísa de Vasconcellos

Fonte 
Il Manifesto (Itália)

      

[1] "Aquilo que você não sabe sobre o Grupo Bilderberg", Thierry Meyssan, Tradução David Lopes, Komsomolskaïa Pravda (Rússia) , Rede Voltaire, 29 de Abril de 2011.

[2] Não figura na lista official. A sua presença foi revelada pelo quotidiano L'Écho : « Mike Pompeo est à la réunion du groupe Bilderberg]; 
 David Petraeus, Antigo General da CIA [["Milhares de milhões de dólares de armas contra a Síria", Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 18 de Julho de 2017.

[3] "Sì, il gruppo Bilderberg mi ha invitato alla sua riunione. Vi spiego perché mi interessa partecipare", Stefano Feltri, 28 Maggio 2019; «Stefano Feltri al Bilderberg, per me è un errore e le spiego perché», Angelo Cannatà, 1 Giugno 2019; «Dentro il Bilderberg: ecco di cosa si discute davvero», Stefano Feltri, 4 Giugno 2019, Il Fatto Quotidiano.

[4] "Terrorismo: o juiz italiano Imposimato acusa o Grupo de Bilderberg", Tradução Alva, Rede Voltaire, 30 de Janeiro de 2013.

 

Fonte : "As mãos desmedidas do grupo Bilderberg", Manlio Dinucci, Tradução Maria Luísa de Vasconcellos, Il Manifesto (Itália) , Rede Voltaire, 4 de Junho de 2019, www.voltairenet.org/article206673.html

 


Fotos popular