Pravda.ru

Negόcios

'Só os povos podem mudar a História', afirma Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba

06.12.2019
 
'Só os povos podem mudar a História', afirma Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba. 32245.jpeg

'Só os povos podem mudar a História', afirma Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba

Estúdios Revolución

No encerramento do Encontro Anti-imperialista, de Solidariedade, pela Democracia e Luta contra o Neoliberalismo no último domingo (3), o presidente de Cuba Miguel Díaz-Canel denunciou energicamente o imperialismo por suas políticas intervencionistas e agressões aos povos, condenou o bloqueio comercial, econômico e financeiro, manifestou solidariedade com a Venezuela, Bolívia, Nicarágua e todos os povos do mundo que lutam por sua independência e pela paz. E mandou o recado fundamental aos partidos de esquerda e movimentos sociais e populares de que devem se unir: "Nem fragmentados nem divididos podemos ter sucesso. Trabalhando a partir do que nos une, podemos construir projetos comuns contra a agressão imperialista e seus aliados oligárquicos" [...] "A esquerda precisa aprender e finalmente assumir a dura lição desses anos de luta em que a fratura e a desunião debilitaram nossas forças e a direita se lançou na reconquista e destruição do que foi feito".

Díaz-Canel reafirmou o caráter socialista da Revolução cubana, o legado do Comandante histórico Fidel Castro e o papel dirigente do Primeiro-Secretário do Partido Comunista de Cuba, Raúl Castro.

O presidente cubano agradeceu a solidariedade que Cuba recebe de todos os povos do mundo e defendeu a libertação imediata do ex-presidente Lula, "líder indiscutível" do povo brasileiro.

Leia a íntegra (*)

Querido companheiro General de Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba; companheiro, irmão e presidente Nicolás Maduro Moros, da República Bolivariana da Venezuela;

Queridos líderes revolucionários da África, Ásia, América Latina e Caribe,
Irmãos, amigos, companheiros

Uma saudação especial a todos os que resistem e vieram à capital cubana, que sempre foi e será um ponto de encontro para aqueles que defendem a paz e a solidariedade entre os povos.

O apoio, o entusiasmo, a solidariedade que vocês expressam, entusiasmam e nos compromete; com Raúl e com Maduro nos ianques estamos batendo duro.

Acabamos de retornar de uma longa e intensa jornada por países europeus, que incluiu uma visita ao Azerbaijão para participar da XVIII Cúpula do Movimento Não-Alinhado.

Os Não-Alinhados, que tinham se enfraquecido no final da Guerra Fria, retomaram o espírito de Bandung, a declaração que lhes deu vida. Eles são mobilizados pelo curso dramático dos acontecimentos e pela crise do multilateralismo que hoje está colocando em risco o sistema das Nações Unidas.

Lá, Cuba condenou veementemente a crise que ameaça a todos, especialmente os de menor desenvolvimento.

Denunciamos os responsáveis ​​por essa situação e dissemos: "Jamais se mentiu tanto, com tamanha desfaçatez e o mais terrível custo para a grande maioria da humanidade, em função dos interesses de uma minoria que levou seus luxos a excessos alucinantes.

"No século 21, chovem ameaças e agressões de graus variados contra todos os governos soberanos que se recusam a servir ao poder hegemônico para instalar bases militares, entregar seus recursos ou ceder ao seu mandato".

Mas não fomos os únicos a apontar o culpado pelo nome. Vários líderes se pronunciaram alarmados com o retorno do hegemonismo americano, que ameaça e age brutalmente contra governos que considera inimigos porque não compartilham suas políticas, e ataca ferozmente o socialismo como se fosse um sistema social inaceitável.

Em nossa área geográfica, em particular, a preocupação não é menor. A América Latina e o Caribe sofrem o retorno da Doutrina Monroe e as piores práticas do macartismo. Nos postulados de ambas as políticas imperialistas repousa a seqüência descontrolada de ações intervencionistas que o atual governo dos EUA desencadeou desde que chegou ao poder.

O presidente dos Estados Unidos e sua corte de falcões arremetem contra a Revolução Cubana, a Revolução Bolivariana, a Revolução Sandinista, o Foro de São Paulo, a liderança política da esquerda brasileira, boliviana e argentina e os movimentos sociais, populares e progressistas de toda a região que consideram seu quintal.

O sistema interamericano reativa mecanismos de memória odiosa para a região, como o Tratado de Assistência Recíproca (TIAR) e a OEA desmoralizada, consolidada como instrumento de pressão política dos Estados Unidos e das oligarquias que defendem o neoliberalismo.

Como não vou rir da OEA, se é uma coisa tão feia, tão feia que causa risos? Era assim que nossos pais cantavam nos anos em que esse organismo expulsou Cuba por não se submeter ao mandato de Washington. O que vamos cantar para ela agora, quando não pôde dobrar a Venezuela e quer quebrar a espinha da Bolívia?

Correram para lá, preocupados com os resultados eleitorais da nação latino-americana, uma das mais e melhor cresceram na última década, depois de ter sido a mais pobre e atrasada ​​do Cone Sul em séculos.

Sim, a OEA é uma coisa muito feia. E muito cínica. Suas "preocupações" não chegam às profundidades do nojo dos povos que se levantam contra o neoliberalismo e recebem balas de borracha, gases e chumbo, por protestar pacificamente.

Companheiros,

É muito importante distinguir nesta guerra que movem contra nós o caminho que percorre o seu complemento midiático. Na vanguarda das políticas imperiais, avançam sempre os tanques da ofensiva cultural e simbólica orientada a legitimar as injustiças do sistema capitalista, desqualificar as alternativas políticas da esquerda e destruir a identidade cultural de nossas nações, como passo que antecede a sua desestabilização.

Agora mesmo, no Azerbaijão, foi possível desmentir a falácia que Washington tentou impor como matriz contra o legítimo governo venezuelano.

Quando Nicolás Maduro Moros, na condição de presidente anterior do Movimento, conduziu a primeira parte da assembléia e entregou a Presidência Pro Tempore ao Azerbaijão, praticamente todas as delegações participantes - cerca de 120 com diferentes níveis de representação - reconheceram e parabenizaram o desempenho da República Bolivariana à frente do Movimento Não-Alinhado.

Onde estava a suposta rejeição da comunidade internacional à Venezuela? Por que não houve uma única expressão de rejeição ou crítica do governo bolivariano pelos governos que representam a maioria absoluta das Nações Unidas? No entanto, como parte da guerra de símbolos, do linchamento midiático lançado contra Maduro, em metade do planeta, a mídia publicou fartamente que a Venezuela não tem apoio internacional.

Internamente, tampouco tratam melhor os políticos eles também não tratam políticos que acreditam seriamente que é necessária uma mudança política nos Estados Unidos. O discurso é agressivo e desqualificador para todos aqueles que não compartilham o comportamento do presidente, que anuncia no Twitter decisões que afetam milhões e exibem comportamentos condenáveis ​​em qualquer lugar.

Fala sobre o socialismo sem a menor ideia do que significa. E decreta o fim de qualquer experiência ou programa político que pretenda superar a injustiça predominante, como se tivesse em suas mãos o curso da história.

Ele não foi o primeiro imperador a propor isso. E certamente não será o último a fracassar. Porque só os povos podem mudar a história.

Fidel disse muitas vezes que a mentira era o principal adversário a derrotar na política e que dizer a verdade é o primeiro dever de todo revolucionário. Essa é uma das nossas missões fundamentais como políticos revolucionários. O primeiro inimigo a derrubar é a mentira e, mais ainda, a mentira imperialista.

Com mentiras, cercaram Cuba e, durante anos, a separaram de seu ambiente natural. Com mentiras, invadiram nações, destruíram cidades, afastaram regiões inteiras do caminho do desenvolvimento.

Com mentiras, atacaram o Iraque e a Líbia e os mergulharam na instabilidade. Com mentiras, transformaram a Síria em polígono de testes de armas e um teatro de operações terroristas, que financiaram sob falsas bandeiras da democracia e da liberdade.

Com mentiras colossais e ridículas, acusam Cuba, a Venezuela e o Foro de São Paulo de promover revoltas populares em qualquer canto do planeta, enquanto cobrem os olhos, ouvidos e bocas, para não ver, não ouvir, não reconhecer o que que as pessoas estão gritando na rua: o neoliberalismo é um fracasso econômico e um desastre social.

Essa técnica é aplicada perversamente na tentativa desesperada de derrubar o governo bolivariano da Venezuela e, ao mesmo tempo, prejudicar Cuba. Embora tenha suas raízes nos anos da brilhante e bem-sucedida integração em que Chávez e Fidel criaram a ALBA, nos últimos meses os Estados Unidos lançaram com grande força uma campanha mentirosa contra qualquer tipo de relacionamento entre nossos dois países.

Somos acusados ​​de sustentar a Revolução Bolivariana, numa versão tardia da teoria dos satélites que na época desencadeou contra a antiga União Soviética e apelam a esse pretexto para justificar o bloqueio.

A cooperação médica cubana é um alvo de ataque permanente. Trata-se de desacreditar um esforço nobre e solidário que o mundo inteiro reconhece e que, juntamente com a Escola Latino-Americana de Medicina e a Brigada Henry Reeve contra desastres naturais, constituem a expressão mais genuína e bem-sucedida da cooperação entre os países em desenvolvimento.

Os três projetos, obras de valor humano inquestionável, emergiram das idéias de Fidel como uma exaltação da solidariedade internacional.

Já existem mais de 400 mil profissionais de saúde em Cuba que prestaram serviços em 164 países. Neste minuto, mais de 29 mil atendem às populações vulneráveis ​​de 65 nações.

Nada diz tanto sobre a essência humanista da Revolução Cubana como essa cooperação. É por isso o esforço para denegri-la e destruí-lo. Isso não nos surpreende. A solidariedade é estranha ao capitalismo.

Foi contra eles e apesar deles, que o colonialismo e o apartheid foram derrotados na África, onde os melhores filhos da Revolução Cubana compartilharam sacrifícios e até o sangue com combatentes angolanos, namíbios e outras nacionalidades. De lá, onde os impérios sempre viajavam para saquear, trazíamos apenas nossos mortos e a convicção de ter cumprido "o mais sagrado de nossos deveres: combater o imperialismo onde quer que esteja", como nos legou Che Guevara.

Defesa, educação, saúde, ciência ... A cooperação cubana, filha da solidariedade como princípio, foi, está e estará em qualquer âmbito nobre da atividade humana, onde possamos contribuir. Ser solidário é pagar nossa própria dívida com a humanidade.

Por ser solidária e consistente com sua história de lutas e sacrifícios, por ser irmã e companheira dos povos que resistem, Cuba é condenada e sancionada sem limites.

Nossa pátria sofre hoje um estreitamento criminoso do cerco, o recrudescimento de uma política imoral e ilegal que por mais de 30 anos a Assembléia Geral das Nações Unidas condenou de forma praticamente unânime, sem que os Estados Unidos rejam à demanda mundial.

Essa é outra prova de desrespeito pelas regras do Direito Internacional, que sofreu particularmente com uma lei ilegal como a Helms Burton, que persegue e sanciona países terceiros, internacionalizando o bloqueio.

Dado que essas armadilhas não são suficientes para derrotar um povo que luta pela independência há 151 anos e nunca vai desistir, o império agora vai para o cerco, a perseguição e sanções contra países, empresas e navios que contribuem para o transporte de combustível para Cuba.

Como se pode decretar tal ação e depois declarar que busca isolar o governo cubano e ajudar seu povo?

Desde a época do famoso Memorando Mallory, Cuba sabe muito bem, pela boca de seus próprios criadores, qual é o primeiro e o último fim do bloqueio.

Dizia o funcionário ianque: "A maioria dos cubanos apoiam Castro (...) Não há oposição política efetiva (...) A única maneira eficaz de fazê-lo perder o apoio interno é provocar desapontamento e desânimo pela insatisfação econômica e a escassez (...) Devemos colocar em prática rapidamente todos os meios possíveis para enfraquecer a vida econômica (...) negar dinheiro e suprimentos a Cuba, a fim de reduzir os salários reais e nominais, com o objetivo de causar fome, desespero e a derrubada do governo ". Que perversidade!

Não nos cansaremos de reiterar isso para que ninguém seja enganado. A política dos Estados Unidos contra Cuba tornou-se muito explícita nesse documento, de 6 de abril de 1960.

Porém, antes do Memorando Mallory, existem outros documentos e políticas que revelam o caráter histórico dos afãs imperiais em relação a Cuba e ao restante de Nossa América. Desde a teoria da "fruta madura" e a Doutrina Monroe, agora reativada.

Martí viu isso mais claramente do que outros e advertiu sobre isso em seu testamento político, em sua inconclusa de 18 de maio de 1895, em que revela a finalidade superior de sua luta para mudar os destinos da Ilha.

Todos os dias corro o perigo de dar a vida pelo meu país e pelo meu dever - uma vez que o compreendo e tenho a coragem de cumpri-lo - de impedir a tempo com a independência de Cuba que os Estados Unidos se espalhem pelas Antilhas e caiam, com ais essa força, em nossas terras da América. Tudo o que fiz até hoje, e farei, é para isso ... "

Por meio de sacrifícios, resistência e graças à solidariedade, nosso povo manteve sua Revolução durante todos esses anos. A força do processo não poderia ser explicada sem essa vontade popular. Nem mesmo essa vontade existiria sem o alto nível de participação do povo em seu destino.

Porque, é preciso dizer com todas as letras: a única coisa que não foi cumprida no documento de Mallory acima mencionado foi a derrubada do governo cubano. As punições imaginadas pelo império no auge da crueldade estão sendo aplicadas agora como se fosse uma lei.

Quanto à solidariedade, a todos vocês temos muito a agradecer por articular o apoio material e a ternura dos povos.

E o dizemos hoje, quando Cuba precisa que se redobre e multiplique o apoio à sua causa, que é a causa da soberania e liberdade dos povos de Nossa América e do mundo.

"A verdade e a ternura não são inúteis", disse Martí. E, embora às vezes pareça que as coisas não podem ser mudadas, que não é possível derrotar políticas, nem sacudir impérios, a história da humanidade e a história da Revolução Cubana estão aqui para provar que isso pode ser feito.

Cuba é a melhor prova de quanto pode a solidariedade dos povos. Quando o imperialismo nos afastou de Nossa América, expulsando-nos por nossa honra e sorte, da desacreditada OEA, quando estávamos sozinhos no hemisfério, segurando as bandeiras revolucionárias de um continente de rebelião obstinada, aqui foi fundado o Instituto Cubano de Amizade com os Povos.

Foi uma ideia de Fidel. Não estávamos interessados ​​no relacionamento com os governos submetidos ao império, em seu ministério de colônias. Estávamos interessados ​​e nos interessa, antes de tudo, na amizade dos povos.

A amizade dos povos da América e do mundo foi impulsionando governos. Hoje Cuba mantém relações diplomáticas com mais de 160 países e mais da metade deles também chegaram com a solidariedade.

Muitos dos líderes políticos e sociais reunidos aqui lembrarão, porque faziam parte deles, a luta hemisférica contra a ALCA, promovida pelo Comandante em Chefe.

Assim nasceu a Campanha Continental contra a ALCA, que mobilizou milhões e conscientizou sobre a necessidade de superar diferenças secundárias para alcançar a unidade de todas as forças e enfrentar o projeto de recolonização imperialista. E o que aconteceu? Nós o derrotamos.

A derrota da ALCA, como também a defesa histórica da Revolução Cubana, são objetivos bem-sucedidos de luta que nos deixam um grande ensinamento: nem fragmentados nem divididos podemos ter sucesso. Trabalhando a partir do que nos une, podemos construir projetos comuns contra a agressão imperialista e seus aliados oligárquicos.

Contra o bloqueio, continuaremos lutando em todas as áreas. Primeiro aqui, trabalhando, criando e resistindo sem abrir mão do desenvolvimento.

O recurso mais valioso de Cuba é o seu povo: imaginativo, alegre, empreendedor, corajoso e criativo. O povo é em primeiro lugar o arquiteto do trabalho revolucionário nas condições mais adversas.

Se escolhemos juntos o caminho do socialismo, mesmo quando o império impôs a ridícula teoria do fim da história, é porque somente com o socialismo alcançamos justiça social e direitos iguais para todos.

A unidade em torno desse projeto anti-imperialista e libertário, socialista e solidário é a consequência de séculos de luta por um ideal unitário e a confirmação de que devemos tudo à unidade. É por isso que eles insistem em quebrá-lo. É por isso que recursos da ordem de milhões são alocados para a subversão política e o financiamento de projetos de recolonização cultural.

Eles queriam nos vender, embrulhado em sofisticados papéis de seda e ouropel, um mundo que está explodindo em mil pedaços a poucos passos de nossas fronteiras, em Nossa América, cujos recursos foram imoralmente transferidos para transnacionais na era do neoliberalismo, que agora passa a fatura.

A receita para sua aplicação inclui convencer as massas de que é a maneira mais rápida e eficaz de alcançar a prosperidade. O mercado cego, mas onipotente, disseram eles, garantirá que os que estão abaixo desfrutem dos benefícios que espontaneamente escorrerão dos chifres da abundância nas mãos das elites. Que zombaria cruel!

Foi assim que a apareceu a irritante desigualdade, que fez com que 1% da sociedade possuísse mais do que os 99% restantes.

A poderosa indústria de publicidade e entretenimento, que movimenta quase tanto dinheiro quanto os negócios de armas ou drogas, construiu o mito do acesso de todos ao mundo dos sonhos que um dia se transformam em pesadelos para fazer explodir a ira popular.

Surge então o vácuo político. Muitos partidos, competindo com as técnicas de marketing pelo limitado poder que o mercado lhes de administrar as sobras do saque, desvelam a falácia da democracia que pretenderam impor como modelo de liberdade. A maioria chega ao governo sem programas reais de transformação econômica e social.

E quando surgem processos empenhados em mudar o status quo, põem-se em marcha o plano de descrédito, o golpe suave, a guerra jurídica ou a judicialização da política são.

Todos os líderes latino-americanos das últimas duas décadas, que venceram os piores efeitos do neoliberalismo por meio de políticas sociais e inclusivas, foram ou estão sendo sujeitos a perseguições, acusações e até prisões injustas, como a que sofre há 19 meses o indiscutível líder do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva. Lula livre! Exigimos desde esta tribuna Lula livre já!

Vivemos a era das comunicações. Vamos construir juntos plataformas emancipatórias para opor aos colonizadores nossos maiores esforços e energias em busca de um mundo melhor possível.

A era da confusão já passou. Nossos povos pagaram um preço caro pelos experimentos econômicos e políticos que trouxeram bem-estar somente às elites, no estilo do bandido ao mando do império, que acredita que o mundo pode ser comprado e vendido no mercado de ações.

As recentes vitórias da esquerda na Bolívia e Argentina, a heroica resistência da Venezuela e Cuba ao cerco econômico total, os protestos anticoloniais que puseram um freio às receitas do mercado não podem nos desmobilizar novamente.

A esquerda precisa aprender e finalmente assumir a dura lição desses anos de luta em que a fratura e a desunião debilitaram nossas forças e a direita se lançou na reconquista e destruição do que foi feito.

Aprecio uma alta representação de jovens neste auditório e nas ruas de Nossa América, onde se instalou o protesto contra os abusos do neoliberalismo.

Ver os jovens se rebelando e lutando por seus direitos e por um destino melhor para seus países é algo ao mesmo tempo estimulante e desafiador. Porque, como Fidel nos ensinou, a luta desta época se expressa acima de tudo no campo das ideias.

Sempre defenderemos para a América Latina e o Caribe a Zona de Paz, proclamada em Havana em 2014, durante os esperançosos dias de plenitude de uma Celac hoje em retrocesso.

As mobilizações e protestos pacíficos com os quais nossos povos estão reivindicando seus direitos são exemplares. E eles estão conquistando-os.

Amigos, irmãos, companheiras e companheiros,

Em sua bela Declaração de Solidariedade com a Revolução Cubana, vocês escreveram: "Os povos do mundo precisam do exemplo de Cuba" e recordaram a sentença de Martí que não expira: "Quem se levanta hoje com Cuba se levanta para todos os tempos". Obrigado por dizer e fazer isso!

Agradeço profundamente a todos que vieram, de perto ou de longe, assumindo suas despesas, responder a um chamado nascido de si mesmos, condenar o bloqueio e articular ações que contribuam para derrotá-lo definitivamente.

Agradeço especialmente aos líderes latino-americanos que sofreram e sofrem perseguição e punição por tentarem mudar a história de abuso pela história de libertação de nossos povos.

Hoje, queremos reiterar nosso maior apoio e solidariedade ao presidente legítimo da Venezuela, Nicolás Maduro, e à união cívica-militar de seu povo, e ao comandante Daniel Ortega Saavedra e à Frente de Libertação Nacional Sandinista da Nicarágua, também sob ataque.

Os persistentes intentos de desestabilização que seus governos enfrentam começam a se estender e vemos isso hoje na pretensão das forças de direita de burlar a vitória de Evo Morales na Bolívia, promovendo a violência e ignorando os resultados, no que é claramente a articulação de um golpe que é preciso denunciar.

Por isso, desde aqui reiteramos nossa felicitação a Evo por sua convincente vitória eleitoral e a Alberto e Cristina Fernández, que abrem uma nova esperança na Argentina.

Nossa solidariedade, eficaz e invariável, com todas as causas justas que são travadas na região e no mundo: com a independência de Porto Rico, cujo povo conseguiu manter a identidade, a bandeira e a empenhos pela independência vivos em mais de cem anos de colonialismo e são um símbolo extraordinário da poderosa resistência cultural da América Latina e do Caribe. Viva Porto Rico livre!

Também apoiamos a demanda histórica da Argentina para recuperar a soberania sobre as Ilhas Malvinas.

Condenamos a intervenção imperialista contra a Síria e, juntamente com vocês, exigimos respeito por sua soberania e integridade territorial.

Também ratificamos a solidariedade com as lutas dos povos palestino e saarauí pelo direito à autodeterminação; com o processo de aproximação e diálogo inter-coreano e pelo fim das sanções contra a República Popular Democrática da Coréia, e com o processo de paz na Colômbia.

Nenhuma causa justa é estranha para nós, e como uma nação que deve parte de sua existência à solidariedade, nunca renunciaremos a sua prática por convicção.

Irmãos, irmãs:

Vocês fizeram hoje um chamado à unidade das forças políticas e do movimento social e popular das esquerdas, a continuar formando consciência, gerando ideias e organizando-se para a luta.

Vemos essa luta na batalha pela verdade. Cabe a nós derrotar as mentiras sobre as quais se levantam as guerras de todos os tipos contra nossos povos: informando, persuadindo, mobilizando, marchando com os pobres da terra, que se cansaram da mentira e dos abusos. Propor e criar programas que respondam às demandas mais prementes de trabalhadores, estudantes, camponeses, intelectuais e artistas.

O Plano de Ação aprovado confirma que os setores progressistas estão cientes da urgência da unidade, se realmente queremos construir juntos um projeto emancipador anti-imperialista, comprometido com uma integração genuína tantas vezes adiada.

Em nome de Cuba, queremos reafirmar a vocês que a nova geração de líderes cubanos, formada e educada pela geração histórica de Fidel e Raúl, continua sendo revolucionária, socialista, fidelista e martiana, e que não cederemos um milímetro em nossa posições a favor da independência, soberania e justiça social. E como um elo com os povos que lutam e resistem, sempre teremos a solidariedade como um princípio fundamental, ao qual devemos tanto.

É por isso que fazemos nossas as palavras de Fidel ditas há mais de 50 anos, quando, referindo-se à solidariedade que desde cedo a Revolução encontrou para com a sua causa: "O mundo tem sido solidário com Cuba e é por isso que Cuba se sente cada dia mais e mais solidária com todos os povos do mundo".

Em memória de Fidel e Chávez, dois dos grandes nomes de Nossa América, que tivemos a sorte de conhecer, ouvir e seguir na prática mais altruísta da solidariedade, retomemos suas obras como um guia para o novo e desafiador momento que nos espera.

Creio que todos nós sentimos que estão se abrindo as grandes alamedas onde homens livres agora passam para construir uma sociedade melhor.

Um mundo melhor é possível, necessário e urgente! Vamos lutar por ele!

Até à vitória, sempre!

(*) Tradução de José Reinaldo Carvalho, jornalista e editor de Resistência e diretor do Cebrapaz

https://www.resistencia.cc/so-os-povos-podem-mudar-a-historia-afirma-miguel-diaz-canel-presidente-de-cuba/

 


Fotos popular