Pravda.ru

Negόcios

'União Europeia Excessivamente Arrogante, Lenta para Reconhecer Ameaça do Coronavírus': Peter Tatchell

06.05.2020
 
'União Europeia Excessivamente Arrogante, Lenta para Reconhecer Ameaça do Coronavírus': Peter Tatchell. 33174.jpeg

'União Europeia Excessivamente Arrogante, Lenta para Reconhecer Ameaça do Coronavírus': Peter Tatchell

 

 

A União Europeia (UE) vive, com o novo coronavírus, seu pior momento pós-Segunda Guerra Mundial, da qual o continente saiu despedaçado: nos primeiros dias de maio,somam-se . A pandemia veio a evidenciar o fracasso da união económica e política de 27 Estados-membros europeus que tem como lema "unidos na diversidade", titulo do hino da suposta união. 

 

Em 16 de abril, Ursula von der Leyen (imagem à esquerda), presidente da Comissão da UE, pediu desculpas à Itália por nao ter ajudado o pais desde o inicio. Tem existido muitas críticas no interior da UE pela ausência de auxílio recíproco, enquanto alguns chefes de Estado, como a alemã Angela Merkel, opõem-se a medidas conjuntas, como socorro financeiro.

O número de casos de coronavírus na UE mais o Reino Unido até o dia 4 de maio, chegou a 1.164.912 infectados e 136.347 mortes de acordo com o European Centre for Disease Prevention and Control.

Na seguinte entrevista, mais uma exclusividade de Pravda Brasil da série sobre a pandemia que veio a alterar a ordem mundial, o jornalista e ativista britânico pelos direitos humanos, Peter Tatchell (direita), comenta o grave drama vivido pelo continente europeu com a pandemia do COVID-19, o fracasso da União Europeia e do proprio capitalismo global em ter-se preparado para crises como estas e, agora, minimizar os riscos da pandemia.  

 

Edu Montesanti: Como você vê a disseminação massiva do novo coronavírus pela Europa?
A UE representa o primeiro PIB do mundo, um bom sistema de saúde pública... Como você
explica o que está acontecendo na Europa?
 
Peter Tatchell:
 Os países da UE eram muito arrogantes e lentos para reconhecer a ameaça do coronavírus.

No início de fevereiro, quando ficou claro que a pandemia não podia ser contida na China, eles deveriam ter proibido a maioria dos vôos para o interior da zona europeia, instituído um bloqueio e isolamento limitados de pessoas vulneráveis com mais de 70 anos, tornado obrigatório o uso de máscara facial em público e iniciado o aquisição em massa de kits de teste, máscaras faciais, ventiladores e equipamentos de proteção para a equipe médica.

Se eles tivessem seguido prontamente a estratégia de teste da Coréia do Sul, rastreamento de contatos e isolamento dos infectados, os números de mortos seriam muito menores.

Em vez disso, a maioria dos governos da UE priorizou salvaguardar os interesses econômicos, em vez de proteger seus cidadãos.
 

O presidente dos EUA, Donald Trump, está oferecendo a uma empresa médica alemã uma grande quantia de dinheiro, 500 milhões de dólares pelo acesso exclusivo a uma vacina contra a COVID-19. O que você pensa sobre um negócio desse tipo relacionado à pandemia mundial, que ameaça a humanidade como nunca antes na história contemporânea?
 
Trump está tentando explorar a influência financeira dos EUA para furar a fila e obter aos cidadãos americanos acesso privilegiado a uma vacina e cura. Ele é egoísta.

A única maneira de se derrotar essa pandemia, é através da colaboração global.


O neoliberalismo e o próprio capitalismo têm sido fortemente questionados em todo o mundo, devido à atual desordem mundial causada pelo vírus: não há hospitais públicos suficientes, nem suprimentos médicos. Noam Chomsky [entrevista mais abaixo] disse que,

"A resposta dos EUA tem sido chocante. Sabia-se há anos que uma pandemia era provável".

Segundo Chomsky, os interesses do mercado, novamente na história, desempenham um papel aterrorizante contra a humanidade:

"As empresas farmacêuticas não estavam interessadas em preparar [nenhum medicamento contra o contra o co]ronavírus: Não gera lucro".

Como você se relaciona, se sim, a atual crise mundial ao neoliberalismo e / ou mesmo ao capitalismo?

 
Essa pandemia evidencia falhas fundamentais na economia de mercado global, que incentiva a competição e não a cooperação.

As empresas, incluindo farmacêuticas, são movidas mais pelo lucro que pelo bem público.

As grandes empresas intimidaram os governos para garantir incentivos fiscais e reduções de impostos, enquanto serviços públicos tais como assistência médica, foram corroídos.

Os governos foram privados de financiamento para serviços médicos e planejamento de contingências pandêmicas, pela existência de paraísos fiscais e esquemas de evasão fiscal que desviam dinheiro das receitas do governo para os bolsos dos mega-ricos.

 
Houve um grande debate sobre que tipo de mundo emergirá, se um planeta mais solidário para se viver com base no Estado de bem-estar social, políticas focadas na justiça social incluindo garantia de direitos humanos, ou um mundo ainda mais desigual onde as elites se concentrem com mais políticas excludentes e autoritárias, neste caso aproveitando-se do atual medo global causado pelo coronavírus.

A história traz más experiências em momentos como esse, correto? Estamos vendo governos de todo o mundo impondo políticas de linha dura, militares tomando as ruas para combater o vírus e a vigilância sendo reforçada. Os bilionários tornam-se ainda mais ricos, enquanto os pobres ficam relegados atualmente, muitos passando fome principalmente nos países mais carentes.

Quais suas perspectivas realistas, baseadas na realidade mundial?

 
Essa pandemia deve levar a uma reformulação fundamental da ordem global, com novos acordos e preparativos internacionais para lidar com futuras pandemias e fechar paraísos fiscais e esquemas de evasão fiscal.

Deve haver uma mudança nos gastos do governo, da guerra para o bem-estar, para garantir sociedades mais justas e mais eqüitativas.
 

Vimos uma séria ameaça de uma segunda onda de coronavírus: Cingapura, China e Coréia do Sul são alguns exemplos. Como o coronavírus poderia ser combatido com eficiência e, dada a realidade atual, quando você acha que esse estado de caos e medo em todo o mundo terminará?
 
A melhor maneira de evitar uma segunda onda do coronavírus seria instituir algo como a muito bem-sucedida estratégia de teste na Coréia do Sul, rastreamento de contatos e isolamento dos infectados, bem como distanciamento social, uso obrigatório de máscara facial em público e bloqueios limitados no vírus pontos de acesso.

Isso deve ser apoiado com um investimento maciço nos serviços públicos de saúde. Poderia ser pago com um corte de 10 por cento nos gastos militares e com a introdução de um imposto sobre a riqueza de 20 por cento para pessoas com mais de 10 milhões de dólares em ativos pessoais.

 


Fotos popular