Pravda.ru

Negόcios

NYT: "Economia forte pode levar Brasil a ser potência mundial"

04.08.2008
 
NYT: "Economia forte pode levar Brasil a ser potência mundial"

Por Manoel Castanho (*)

"A economia forte pode levar o Brasil a ser uma potência mundial". A afirmação é do jornal norte-americano New York Times, em matéria publicada ontem (31) e assinada por Alexei Barrionuevo. O periódico destaca os programas sociais e o microcrédito como responsáveis por tirar milhões de pessoas da linha de pobreza, permitindo que eles contribuam mais para o crescimento do país.

"O Brasil, maior economia sul-americana, finalmente está equilibrado para demonstrar seu potencial, longamente previsto, como ator global", destaca o artigo enquanto comenta que o país vive seu maior crescimento econômico em três décadas. O fenômeno, cita o jornal, "alavanca o poder de barganha com os Estados Unidos e Europa nas negociações sobre comércio global".

Comentando o governo Lula, Barrionuevo escreve que ele "emurrou o crescimento do Brasil com uma hábil combinação de respeito pelos mercados financeiros e programas sociais", em citação ao professor David Fleischer, da Universidade de Brasília. Menciona também que Lula conseguiu evitar os impulsos populistas, como ocorre em países como Venezuela e Bolívia.

Desde 2001 a distribuição de renda do país foi reduzida em seis pontos percentuais. "Mais do que qualquer outro país na América do Sul", menciona o artigo, citando o economista Francisco Ferreira, do Banco Mundial.

No que se refere ao crédito, o artigo menciona a redução dos juros, permitindo que o brasileiro pudesse comprar alguns bens, como geladeiras, com prazos maiores para pagamento. Neste cenário, as Casas Bahia triplicaram, entre 2002 e 2007, o número de clientes que compram a prestação.

O jornal afirma ainda que o Brasil diversificou sua base industrial, tem potencial para expandir a agricultura e uma grande quantidade de recursos naturais não explorados. As exportações de commodities levantaram o recente crescimento, "mas o país é cada vez menos dependente delas", comenta, apontando para o mercado doméstico de 185 milhões de pessoas.

________________________
(*) Jornalista do COFECON

http://www.cofecon.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=1496&Itemid=1


Loading. Please wait...

Fotos popular