Pravda.ru

Negόcios

O debate da Eurozona

02.03.2015
 
O debate da Eurozona. 21729.jpeg

O debate da Eurozona
Syriza está dividida sobre se Grécia deve deixar a Eurozona (Grexit) - e a que preço 
22/2/2015, David Renton, Jacobin
https://www.jacobinmag.com/2015/02/grexit-debate-syriza-eurozona-lapvistas/


Considerem-se três pessoas. Primeiro, Costas Lapvistas, recentemente eleito membro da coligação Syriza para o Parlamento grego por Imathia e professor convidado e conferencista da Escola de Estudos Orientais e Africanos (SOAS) da Universidade de Londres. Há quatro anos, o professor Costas Lapvistas estava no coração de um intenso debate dentro do então partido [hoje, coligação] Syriza sobre se o partido deveria ter uma política de deixar a eurozona ("Grexit").

No e-book Against the Troika ["Contra a Troika]", que Lapavistas escreveu com Heiner Flassbeck no final do ano passado, os autores preveem que ou Syriza ou Podemos ou ambos esses governos enfrentariam furiosa hostilidade dentro da eurozona, e que as opções muito rapidamente se estreitariam para eles:


"Sem efetiva restruturação da dívida, qualquer governo de esquerda logo descobrirá já no curto prazo que é impossível implementar programa alternativo (...). Dado que não pode haver conflito dentro da UE [sobre restruturação de dívidas], logo surgiria também o espectro da saída da união monetária e econômica."


Abordam então as praticalidades da saída grega. Sugerem que um governo de esquerda deve começar por insistir na independência do seu banco, face à eurozona, incluindo moeda alternativa (i.e. bônus de empréstimos de curto-prazo, ou "scrip"), denominados em euro. Esse papel-moeda deve ser o primeiro passo na direção de restabelecer uma moeda nacional. Um governo de esquerda deve também ter controle sobre capitais para impedir que o dinheiro deixe o país.

Lapavistas e Flassbeck falam de convocar mobilização social e negociações na direção de saída voluntária da união econômica e monetária. Se a saída consensual não for possível, a Grexit deve começar por declarar suspensão dos pagamentos das dívidas do país [ing. default; port. coloquial "calote"] e parar de pagá-las; em seguida deve-se redenominar os balanços do banco central, de bancos comerciais, empresas privadas e domésticos. O governo teria de aumentar sua circulação de moeda e deve esperar forte desvalorização da própria moeda. Medicamentos, comida e combustível terão de ser administrados (i.e. racionados) para que bens básicos de sobrevivência cheguem aos que realmente precisam deles.

Embora pintem em vários sentidos um quadro brutal de governo operando necessariamente sob condições de extrema escassez, os dois autores enfatizam também que os países da periferia da Europa têm enorme capacidade ociosa para produzir bens, medicamentos, até necessidades básicas, como eletricidade, de modo que uma economia, ainda que possa crescer só até o ponto em que estava em 2010, já estará crescendo rapidamente.

Segundo: Yanis Varoufakis, ministro das Finanças do governo da coligação Syriza e ativo blogueiro (em inglês). Em 2012, foi entrevistado por um website sobre a saída da Grécia, da eurozona. Em seu estilo de explorar paradoxos, hoje já bem conhecido pelo mundo, Varoufakis argumentou que Grexit era impossível, não porque teria conotações negativas para a Grécia, mas porque arrastaria num processo de autodestruição também outras economias europeias.


O principal significado de criar-se uma moeda comum foi impressionar os mercados, sinalizando que a nova união seria, sim, permanente - e que poderia provocar grandes perdas a qualquer membro teimoso o suficiente para apostar conta a solidez daquela união monetária. Um que saia, bastaria para furar o balão europeu de vento pressuposto sólido. Como uma pequena rachadura numa barragem gigantesca, a saída da Grécia levaria ao inevitável colapso de todo o prédio, sob dinâmicas incontroláveis de desintegração que ganhariam forças sobre aquela linha fraturada. No momento em que a Grécia saísse, duas coisas aconteceriam: fuga massiva de capitais que sairiam de Dublin, Lisboa, Madrid etc.; seguida por relutância no Banco Central Europeu e em Berlim para autorizarem liquidez ilimitada para bancos e estados.


Quanto aos riscos para a Grécia:


Sair do euro não é como cortar um elo (como a Argentina fez há uma década) ou sair do Padrão Ouro (como a Grã-Bretanha fez em 1931, seguida pelos EUA um ano depois). A profunda diferença é que Argentina e Grã-Bretanha tinham cada uma a própria moeda e os países apenas cortaram o laço com alguma moeda exógena forte - permitindo que as respectivas moedas derivassem para o "sul", para restaurar a competitividade etc. Grécia, Espanha e outros não têm uma moeda a ser desvalorizada. Temos de fazer algo que nunca aconteceu na história: criar uma moeda para desvalorizá-la! E dado que são necessários meses para criar uma moeda, estamos falando de empurrar países que já estão sendo devastados pela recessão para a situação de estado sem-moeda por longuíssimos meses (...) Basta saber disso, para perceber a terrível miséria que estaríamos criando.


Em outra entrevista em 2013, o agora ministro outra vez enfatiza as dificuldades práticas:


Quanto a uma saída 'ordeira', tal coisa não existe. Basta pensar um pouco sobre o que essa saída 'ordeira' implicaria, para perceber que é uma impossibilidade. No momento em que for anunciada, o inferno desabará sobre nós. As caixas de atendimento bancário automático ficariam vazias em minutos, funcionários da imigração nos portos e aeroportos (para nem falar nas saídas pelas fronteiras terrestres para a Bulgária e a Turquia) terão de revistar as pessoas à procura de dinheiro escondido; os bancos estarão fechados por tempo indefinido.


Embora em nenhum desses artigos haja a conexão explícita, não é difícil entrever, por trás do medo da desvalorização (e da inflação), o medo de que alguma prolongada corrida aos bancos gregos poria as classes médias gregas definitivamente contra o partido Syriza, assim como a hiperinflação de 1923 pôs toda uma geração de alemães contra, para sempre, a República de Weimar.

O terceiro homem a ser ouvido é Giorgos Gogos, estivador e sindicalista que trabalha no porto de Pireu e apoia a tendência Anasa ("respiro") dentro do partido Syriza, posicionada entre o bloco liderante e seus críticos na "Plataforma Esquerda".[1] Reclama que os dois partidos, Pasok e New Democracy, têm sindicatos controlados pelo partido, dirigidos como lojinhas (ou, nas palavras deles, "só para os fregueses"). Em recente entrevista a Katy Fox-Hodess, ele insistiu que a operação do Partido Comunista era fundamentalmente a mesma coisa: "o Partido Comunista é parte desse clientelismo e tem modos especialmente nada democráticos para agarrar-se ao poder dentro dos sindicatos."

Partido Comunista recebeu uma de suas votações mais altas no distrito B do Pireu, diz Giorgos Gogos, onde o eleitorado inclui muitos estivadores e respectivas famílias. Está orgulhoso do papel que ele e outros ativistas tiveram ao convencer os trabalhadores a votar com o partido Syriza - processo que aconteceu em larga medida fora dos locais de trabalho, inclusive mediante iniciativas como Solidarity for All [Solidariedade para Todos] no Pireu, que garante refeições para todos os trabalhadores, sem perguntar sobre o status de cada um ante a Imigração (diferente, nisso, do que fazem os refeitórios populares dirigidos pelo partido nazista Aurora Dourada).

Em 2011 e 2012, Gogos acompanhou o debate dentro do Syriza sobre a saída da Grécia, da eurozona. "Acompanhei Lapavistas durante 2011 e 2012, dois anos, acompanhei os discursos dele." Mas ultimamente Gogos decidiu que concorda mais com a liderança doSyriza do que com Lapavistas ou a Plataforma Esquerda:


"Estava bem aberto para ouvir opiniões, mas não me convenceram de que têm resposta clara, sobretudo para o primeiro período de uma mudança do euro para uma moeda local. Não me convenceram de que têm algo concreto a propor ao povo para os críticos primeiros seis meses da transição. E, você sabe... Nossa sociedade não é treinada ou educada para sofrer desse modo.

Por exemplo, se você deixar o euro, o iPhone passará a custar três ou quatro vezes mais. Eu não ligo. Absolutamente não dou a mínima. Mas muita gente dá muita importância a alguns itens que não conseguem comprar nem em euros. Estou disposto a esperar pela gasolina e a fazer a minha parte, e não pedir mais, mas sei de muita gente bem perto de mim que ficariam bem felizes se passarem a mão na parte deles e da família deles para o mês inteiro. Quero dizer: acho que não estamos ainda treinados para enfrentar esse tipo de perigo.


Ainda não há uma "revolução grega". O que há, em vez disso, é um governo de esquerda tentando fazer o possível, quando o nível de greves já cai há dois anos, quando as greves estão largamente limitadas ao setor público e quando milhões de gregos comuns -não só os ricos - já estão retirando dos bancos as suas poupanças.

Se Grexit será realidade ou não, provavelmente não dependerá só do que Berlin exija, não só das tentativas da liderança do Syriza para encontrar espaço para respirar, mas de se os gregos como Giorgos Gogos reconsiderarão e concluirão que outra via à frente é possível. ******

 


[1] Um dos membros mais conhecidos da tendência Plataforma Esquerda do Syriza é Stathis Kouvelakis, membro do comitê Central do Syriza. É professor de teoria política no King's College de Londres e autor dePhilosophy and Revolution from Kant to Marx; e co-editor de Lenin Reloaded Critical Companion to Contemporary Marxism. Há entrevista com ele, por Sebastian Budgen, em Jacobin, jan.-2015.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular